Para que serve a Cordocentese

A cordocentese, ou amostra de sangue fetal, é um exame de diagnóstico pré-natal, feito a partir das 18 ou 20 semanas de gestação, em consiste na retirada uma amostra de sangue do bebê a partir do cordão umbilical, para detectar alguma deficiência cromossômica no bebê, como a Síndrome de Down, ou doenças como toxoplasmose, rubéola, anemia fetal ou citomegalovírus, por exemplo.

O principal diferença entre a cordocentese e a amniocentese, que são 2 exames de diagnóstico pré-natal, é que a Cordocentese analisa o sangue do cordão umbilical do bebê, enquanto que a Amniocentese analisa somente o líquido amniótico. O resultado do cariótipo sai em 2 ou 3 dias, sendo esta uma das vantagens em relação a amniocentese, que demora cerca de 15 dias.

Retirada do sangue entre o cordão e a placenta
Retirada do sangue entre o cordão e a placenta

Quando fazer a cordocentese

As indicações da cordocentese incluem o diagnóstico da Síndrome de Down, quando não pode ser obtido por meio da amniocentese, quando os resultados do ultrassom são inconclusivos.

A cordocentese permite o estudo do DNA, do cariótipo e de doenças como:

  • Doenças do sangue: Talassemia e Anemia falciforme;
  • Doenças da coagulação sanguínea: Hemofilia, Doença de Von Willebrand, Trombocitopenia Autoimune, Púrpura Trombocitopênica; 
  • Doenças metabólicas como Distrofia Muscular de Duchenne ou Doença de Tay-Sachs; 
  • Para identificar porque o bebê está com restrição de crescimento, e
  • Para identificar a hidropsia fetal, por exemplo.

Além disso, também é muito útil para o disgnóstico de que o bebê possui alguma infecção congênita e também pode ser indicada como forma de tratamento para transfusão sanguínea intra-uterina ou quando é necessário administrar medicamentos no tratamento de doenças fetais, por exemplo.

Saiba outros exames para o diagnóstico da Síndrome de Down.

Como é feita a cordocentese

Não é necessário nenhum preparo antes do exame, no entanto é preciso que a mulher tenha feito antes da cordocentese um exame de ultrassom e um exame de sangue  para indicar seu tipo de sangue e fator RH. Este exame pode ser realizado na clínica ou no hospital, da seguinte forma:

  1. A gestante deita-se de barriga para cima;
  2. O médico aplica anestesia local;
  3. Com a ajuda da ultrassonografia, o médico insere uma agulha mais especificamente no local onde se une o cordão umbilical e a placenta;
  4. O médico retira uma pequena amostra do sangue do bebê com cerca de 2 a 5 ml;
  5. A amostra é levada para o laboratório para análise.

Durante o exame a grávida poderá sentir cólicas abdominais e por isso deve ficar de repouso durante 24 a 48 horas após o exame e não ter contato íntimo durante 7 dias após a cordocentese.

Após o exame podem surgir sintomas como perda de líquido, sangramento vaginal, contrações, febre e dor no pé da barriga. Para alívio da dor e do desconforto pode ser útil tomar um comprimido de Buscopan, sob indicação médica.

Quais são os riscos da cordocentese

A cordocentese é um procedimento seguro mas que tem riscos, como qualquer outro exame invasivo, e por isso o médico só o solicita quando existem mais vantagens do que riscos para a mãe ou para o bebê. Os riscos da cordocentese são baixos e contornáveis, mas incluem:

  • Cerca de 1 de risco de aborto;
  • Perda de sangue no local onde é inserida a agulha;
  • Diminuição dos batimentos cardíacos do bebê;
  • Ruptura prematura das membranas, que pode favorecer o parto prematuro.

Geralmente o médico pede uma cordocentese quando há suspeita de alguma síndrome genética ou doença que não tenha sido identificada através da amniocentese ou ultrassom.

Esta informação foi útil?
Mais sobre este assunto: