Taquipneia transitória do RN: o que é, sintomas e tratamento

Revisão médica: Drª. Beatriz Beltrame
Pediatra
agosto 2021

A taquipneia transitória do recém-nascido é uma situação em que o bebê apresenta dificuldade para respirar logo após o nascimento, o que pode ser percebido pela coloração mais azulada da pele ou pela respiração mais rápida do bebê.

É importante que essa situação seja identificada e tratada o mais rápido possível, para que sejam prevenidas complicações. A melhora dos sintomas da taquipneia transitória do recém-nascido pode surgir entre 12 a 24 horas após início do tratamento, mas, em alguns casos, pode ser necessário manter o oxigênio até 2 dias.

Após o tratamento, o recém-nascido não fica com qualquer tipo de sequela, nem apresenta maior risco de desenvolver problemas respiratórios como asma ou bronquite.

Principais sintomas

Os sintomas da taquipneia transitória do bebê são identificados logo após o nascimento podendo haver:

  • Respiração rápida com mais de 60 movimentos respiratórios por minuto;
  • Dificuldade para respirar, emitindo sons (gemido);
  • Abertura exagerada das narinas;
  • Pele azulada, especialmente nas narinas, lábios e mãos.

Quando o bebê apresenta estes sintomas é recomendado fazer exames de diagnóstico, como raios X do tórax e exames de sangue, para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento adequado.

Como é feito o tratamento

O tratamento para a taquipneia do recém-nascido normalmente é feito apenas com reforço de oxigênio para ajudar o bebê a respirar melhor, uma vez que problema resolve sozinho. Por isso o bebê pode precisar utilizar uma máscara de oxigênio durante 2 dias ou até os níveis de oxigênio se encontrarem normalizados.

Além disso, quando a taquipneia transitória provoca uma respiração muito rápida, com mais de 80 movimentos respiratórios por minuto, o bebê não deve ser alimentado pela boca, pois existe um grande risco de o leite ser aspirado para os pulmões, provocando uma pneumonia. Nesses casos, o bebê pode ter que usar uma sonda nasogástrica, que é um pequeno tubinho que vai desde o nariz até ao estômago e que, normalmente, só deve ser utilizada pelo enfermeiro para alimentar o bebê.

A fisioterapia respiratória pode ser indicada durante o tratamento para, juntamente com o oxigênio, facilitar o processo de respiração do bebê, sendo normalmente feita por um fisioterapeuta que utiliza alguns tipos de posicionamentos e exercícios que ajudam a diminuir o esforços dos músculos respiratórios e a facilitar a abertura das vias aéreas.

Por que acontece

A taquipneia transitória do recém-nascido surge quando os pulmões do bebê não consegues eliminar todo o líquido amniótico após o nascimento e, por isso, há maior risco de desenvolver o problema em casos de:

  • Recém-nascido com menos de 38 semanas de gestação;
  • Recém-nascido com baixo peso;
  • Mãe com historial de diabetes;
  • Parto por cesárea;
  • Atraso no corte do cordão umbilical.

Assim, uma forma de prevenir o desenvolvimento de taquipneia transitória do recém-nascido consiste em fazer injeção de remédios corticoides, diretamente na veia da mãe, 2 dias antes do parto por cesárea, especialmente quando acontece entre as 37 e as 39 semanas de gravidez.

Além disso, manter uma gravidez saudável com uma dieta equilibrada, prática de exercício físico regular e diminuição do uso de substâncias como o álcool e café, ajuda a diminuir o número de fatores de risco.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em agosto de 2021. Revisão médica por Drª. Beatriz Beltrame - Pediatra, em fevereiro de 2016.
Revisão médica:
Drª. Beatriz Beltrame
Pediatra
Formada pela Faculdade Evangélica de Medicina do Paraná, em 1993 com registro profissional no CRM PR - 14218.