Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

8 principais causas de diarreia crônica e o que fazer

A diarreia crônica é aquela em que o aumento da quantidade de evacuações por dia e o amolecimento das fezes dura por um período maior ou igual que 4 semanas e que pode ser causada por infecções microbianas, intolerância alimentar, inflamação intestinal ou uso de medicamentos.

Para identificar a causa da diarreia crônica e o tratamento adequado ser iniciado, a pessoa deve ir ao gastroenterologista para que sejam avaliados os sintomas e sejam solicitados exames que possam ajudar na identificação da causa, sendo normalmente realizado o exame de fezes e exames de sangue.

8 principais causas de diarreia crônica e o que fazer

A diarreia crônica acontece como consequência de irritação no sistema gastrointestinal que pode ser diversas causas, sendo as principais:

1. Intolerâncias ou alergias alimentares

Algumas intolerâncias como a lactose ou ao glúten, ou alergia à proteína do leite, podem causar irritação e inflamação no intestino e resultar em diarreia crônica, pois o diagnóstico desse tipo de condição pode demorar um tempo. Além disso, dependendo da causa, poderão surgir outros sintomas associados à diarreia.

O que fazer: É importante consultar o gastroenterologista para que seja feita uma avaliação dos sintomas e seja indicada a realização de exames, como exame de sangue, determinação de anticorpos IgE ou antigliadinas, exames cutâneos e de fezes. Além disso, pode ser também feito o teste de provocação oral, que consiste na ingestão do alimento o qual suspeita-se de intolerância ou alergia e depois é observado se surge algum sintoma.

2. Infecções intestinais

Algumas infecções intestinais causadas por parasitas como a giardíase, amebíase ou ascaridíase, por exemplo, assim como infeções por bactérias e vírus, principalmente rotavírus, podem causar diarreia crônica quando não são detectadas rapidamente. De forma geral, as infecções intestinais podem causar também outros sintomas como dor abdominal, aumento da produção de gases, febre, vômitos, entre outros.

O que fazer: De forma geral, o tratamento para as infecções intestinais consiste em repouso, hidratação com soro caseiro ou soros de reidratação oral, e realização de alimentação de fácil digestão. No entanto, dependendo da causa da infecção, o médico poderá também indicar o uso de medicamentos para combater o agente infeccioso, podendo ser indicado antibióticos ou antiparasitários.

Por isso, caso os sintomas persistam por mais de 3 dias ou caso seja verificado febre alta ou presença de sangue nas fezes, é importante consultar o gastroenterologista ou clínico geral para que sejam avaliados os sintomas e seja indicado o tratamento mais adequado. Veja mais detalhes do tratamento para infecção intestinal.

Veja no vídeo a seguir como prepara o soro caseiro:

3. Síndrome do intestino irritável

A síndrome do intestino irritável é uma doença em que é verificada a inflamação das vilosidades intestinais, podendo causar o surgimento de diarreia crônica, excesso de gases, dor e inflamação abdominal. Esses sintomas podem variar de acordo com a sua intensidade, podendo surgir de um momento para outro, manter-se por um período e depois desaparecer.

O que fazer: É importante nesses casos procurar o gastroenterologista para que seja possível chegar ao diagnóstico por meio da avaliação dos sintomas e realização de alguns exames como colonoscopia, tomografia computadorizada e exame de fezes.

De forma geral, o tratamento consiste em realizar uma alimentação específica, baixa em gordura e açúcares, e, em alguns casos, o médico pode também indicar o uso de alguns medicamentos. Confira mais detalhes do tratamento para a síndrome do intestino irritável.

4. Uso de alguns medicamentos

Existem alguns medicamentos que podem alterar a flora bacteriana, a motilidade do intestino e a vilosidade intestinal, resultando em um efeito laxante e levando à diarreia como efeito secundário, podendo causar esse transtorno gastrointestinal devido à toxicidade quando o medicamento é usado em doses superiores à recomendada.

Alguns desses medicamentos são os antibióticos, alguns antidepressivos, medicamentos para tratar o câncer, antiácidos e inibidores da bomba de prótons, como o omeprazol e o lansoprazol, dentre outros.

O que fazer: Caso a diarreia seja causada por antibióticos, a melhor forma de combater os sintomas é com o consumo de probióticos, um suplemento que pode ser encontrado em farmácias e que contém bactérias responsáveis por regular o funcionamento intestinal.

No caso de ser causada por outros medicamentos, o mais recomendado é consultar o médico que indicou o medicamento e informar o efeito secundário. Além disso, é também importante ter uma alimentação de fácil digestão e manter-se hidratado para melhorar a diarreia.

Conheça mais sobre os probióticos e saiba qual é o melhor assistindo ao vídeo a seguir:

5. Doenças do intestino 

As doenças do intestino, como é o caso da doença de Crohn, retocolite ulcerativa, enterite ou a doença celíaca, também podem causar diarreia crônica, já que produzem uma inflamação crônica no intestino causando não só a diarreia como também outros sintomas de acordo com a doença presente.

O que fazer: Nesses casos é recomendado consultar o gastroenterologista para que seja feita uma avaliação e possam ser indicados exames de diagnóstico que permitam identificar a doença e iniciar o tratamento mais adequado. Além disso, uma vez obtido o diagnóstico, é importante consultar o nutricionista, já que a alimentação desempenha um papel fundamental no alívio dos sintomas associados a esse tipo de doença.

6. Doenças do pâncreas

Nas doenças do pâncreas, como a insuficiência pancreática, pancreatite crônica ou nos casos de câncer de pâncreas, esse órgão tem dificuldades para produzir ou transportar quantidades suficientes de enzimas digestivas que permitam a digestão e posterior absorção dos alimentos no intestino. Isso provoca alterações principalmente na absorção de gorduras, causando uma diarreia crônica, que pode ser pastosa, brilhante ou com gordura.

O que fazer: Nesses casos é importante consultar um nutricionista para que seja elaborado um plano nutricional adaptado às condições da pessoa, o que permitirá melhorar a absorção de nutrientes, evitar a perda de peso e uma eventual desnutrição e aliviar o mal estar que essas doenças podem causar.

Além disso, é possível que seja necessária a suplementação de alguma vitaminas e minerais, cuja absorção foi prejudicada pela frequência das evacuações líquidas, além de ser indicada a pancreatina pelo médico, que é um medicamento que substitui as enzimas digestivas e ajuda a melhorar a digestão e a absorção dos alimentos, melhorando a diarreia.

7. Fibrose cística

Algumas doenças genéticas também podem causar alterações no tecido do trato digestivo, como é o caso da fibrose cística, uma doença que afeta a produção de secreção de vários órgãos, principalmente nos pulmões e no intestino, fazendo com que sejam mais espessas e viscosas, podendo resultar em períodos alternados de diarreia e prisão de ventre.

Além disso, podem surgir outros sintomas associados, como sensação de falta de ar, tosse persistente, infecções pulmonares frequentes, fezes gordurosas e com odor fétido, má digestão, perda de peso, entre outros.

O que fazer: De forma geral, essa doença genética é identificada no nascimento através do teste do pezinho, no entanto também pode ser detectado por outros exames genéticos que identificam a mutação responsável por essa doença.

O tratamento da fibrose cística é normalmente feito com o uso de medicamentos prescritos pelo médico, sessões de fisioterapia respiratória e acompanhamento nutricional para controle da doença e melhora da qualidade de vida da pessoa.

8. Câncer de intestino

O câncer de intestino pode provocar sintomas como diarreias frequentes, perda de peso, dor abdominal, cansaço e presença de sangue nas fezes, podendo variar de acordo com a localização do câncer e sua gravidade. Veja como reconhecer os sintomas de câncer no intestino.

O que fazer: Caso a pessoa apresente esses sintomas por mais de 1 mês, tenha mais de 50 anos ou histórico familiar de câncer de intestino, é importante consultar o gastroenterologista. O médico irá avaliar os sintomas e poderá indicar a realização de exames de diagnóstico, como exame de fezes, colonoscopia ou tomografia computadorizada para identificar o câncer e iniciar o tratamento mais adequado logo em seguida.

8 principais causas de diarreia crônica e o que fazer

Como é feito o tratamento

Para tratar a diarreia crônica, inicialmente, o médico poderá indicar formas de prevenir a desidratação ou desnutrição, fazendo orientações sobre como aumentar o consumo de líquidos e a alimentação diária.

Em seguida, o tratamento definitivo acontece de acordo com a causa da diarreia, que pode incluir uso de remédios antibióticos ou vermífugos para tratar infecções, remoção de medicamentos que podem ter efeito laxativo ou medicamentos com efeitos anti-inflamatórios para doenças auto-imunes, por exemplo.

O que comer na diarreia crônica

Quando se tem diarreia crônica, é importante procurar um nutricionista para não só adaptar a alimentação à doença de base, mas também avaliar a necessidade de iniciar o uso de suplementos nutricionais para ajudar a manter ou a recuperar o peso, assim como a ingestão de vitaminas e minerais, caso haja necessidade.

É importante que a alimentação seja de fácil digestão e absorção, podendo incluir:

  • Sopas e purês de vegetais cozidos, que não estimulem o intestino, como os de abóbora, cenoura, abobrinha, chuchu, batata, batata doce;
  • Banana verde e frutas cozidas ou assadas, como maçã, pêssego ou pera;
  • Mingau de arroz ou milho;
  • Arroz cozido;
  • Carnes brancas cozidas ou grelhadas, como frango ou peru;
  • Peixe cozido ou grelhado.

Além disso, é fundamental beber cerca de 2 litros de líquidos por dia como água, chá, água de coco ou sucos de fruta coados, e tomar soro caseiro ou soro de reidratação oral que podem ser encontrados nas farmácias. Esses soros devem ser tomados imediatamente depois de cada evacuação, mais ou menos na mesma quantidade que se perde líquidos, isso evitará a perda de minerais e a desidratação.

Confira, no vídeo a seguir, orientações da nossa nutricionista do que se deve comer na diarreia:

Bibliografia >

  • WELFORT, Virgínia R.S. Alergia alimentar. Revista Médica de Minas Gerais. Vol.21, n.3. S1-S144, 2011
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Alergia Alimentar - Abordagem prática. Disponível em: <https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/pdfs/alergia_alimentar.pdf>. Acesso em 28 Ago 2020
  • FERREIRA, Jaqueline M.S.F; PINTO, Flávia C.H. Alergia alimentar: definições, epidemiologia e imunopatogênese. Rev Bras Nutr Clin. Vol.27, n.3. 193-198, 2012
  • NHS. Bowel cancer. Disponível em: <https://www.nhsinform.scot/illnesses-and-conditions/cancer/cancer-types-in-adults/bowel-cancer#about-bowel-cancer>. Acesso em 16 Abr 2020
  • INCA. Câncer de intestino. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/folder/cancer_intestino.pdf>. Acesso em 16 Abr 2020
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA E ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ALERGIA E IMUNOLOGIA. Consenso Brasileiro sobre Alergia Alimentar. 2018. Disponível em: <https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/aaai_vol_2_n_01_a05__7_.pdf>. Acesso em 06 Jan 2020
  • NATIONAL HEART, LUNG AND BLOOD INSTITUTE. Cystic Fibrosis. Disponível em: <https://www.nhlbi.nih.gov/health-topics/cystic-fibrosis>. Acesso em 27 Out 2020
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE COLOPROCTOLOGIA . Doença de Crohn. 2009. Disponível em: <https://www.sbcp.org.br/pdfs/publico/crohn.pdf>. Acesso em 07 Out 2020
  • BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Instituto Nacional de Câncer. Falando sobre câncer do intestino / Instituto Nacional de Câncer, Sociedade Brasileira de Coloproctologia, Colégio Brasileiro de Cirurgiões, Associação Brasileira de Colite Ulcerativa e Doença de Crohn, Colégio Brasileiro de Cirurgia Digestiva, Sociedade B. Rio de Janeiro: INCA, 2003.
  • GOLDMAN, Lee; SCHAFER, Andrew I.. Goldman-Cecil Medicina. 25.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2018. p. 904-908.
  • ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE COLITE ULCERATIVA DE DOENÇA DE CROHN. Sobre a Doença de Crohn. Disponível em: <https://www.abcd.org.br/sobre-a-doenca-de-crohn/>. Acesso em 07 Out 2020
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem