Como fazer tintura de ervas (em 10 passos)

As tinturas são extratos concentrados preparados com álcool e plantas medicinais, que podem ser armazenadas durante muito tempo preservando as suas propriedades terapêuticas.

Podem ser preparadas com as plantas secas ou frescas e, dependendo da planta utilizada, são indicadas para ajudar no tratamento de diversas condições, como insônia, ansiedade, sintomas da menopausa, má digestão, cólicas e prisão de ventre, por exemplo.

As tinturas podem ser preparadas em casa, mas também podem ser adquiridas em farmácias de manipulação, lojas de produtos naturais e algumas farmácias.

Passo a passo para fazer tintura em casa

Para fazer uma tintura é necessário 1 L de álcool de cereais (70 a 90%) e 1 vidro escuro com tampa.

Para preparar a tintura de ervas em casa, deve-se seguir os seguintes passos:

  1. Esterilizar um pote de vidro, lavando-o bem com água quente e sabão, deixar secar e levar ao forno durante 15 a 20 minutos;
  2. Para usar plantas secas, deve-se secar a planta à sombra ou em forno até 35 ºC;
  3. Para usar as plantas frescas, deve-se lavá-las e secá-las bem;
  4. Picar bem as plantas, como as mãos ou com a ajuda de uma tesoura;
  5. Colocar 250g de erva seca ou 500g de erva fresca no pote de vidro;
  6. Transferir o álcool de cereais para o pote de vidro, cobrindo bem as plantas;
  7. Mexer bem a mistura e verificar se todas as ervas estão bem submersas; 
  8. Fechar o pote de vidro e deixar repousar durante 7 a 10 dias em local fresco, arejado, e protegido da luz, agitando levemente a mistura 1 vez por dia;
  9. Coar a mistura, usando um coador de café de pano ou um filtro de papel;
  10. Transferir novamente a mistura para o pote de vidro, que deve ser etiquetado com a data de preparo e de validade, e a lista dos ingredientes usados.

O pote deve ser bem tampado e armazenado em local fresco protegido da luz, e o prazo de prazo de validade das tinturas varia de 1 a 2 anos.

No preparo das tinturas pode ser usado apenas uma planta medicinal ou uma mistura de ervas com propriedades medicinais, conforme o problema a ser tratado.

Para que servem

As tinturas têm diversas aplicações conforme a planta medicinal usada na sua preparação, podendo ser usadas para tratar problemas como má digestão, feridas na pele, tosse, dor de garganta, estresse, insônia, feridas na pele, infecção urinária ou dor de dente, por exemplo.

Por serem concentradas em plantas, as tinturas são geralmente mais fortes do que os chás e, por isso, devem ser usadas de preferência sob a orientação de um médico ou outro profissional de saúde especializado no uso de plantas medicinais.

Como usar as tinturas

As tinturas devem ser tomadas oralmente e doses recomendadas variam de acordo com o tipo da da erva utilizada, a idade e o sexo da pessoa, sendo  geralmente  indicado tomar algumas gotas ou 1 colher de chá de tintura (5 ml) diluída em um copo de água, de 1 a 3 vezes por dia.

Além disso, algumas tinturas como a de arnica, podem ser usadas em compressas para aplicar diretamente na pele. Nestes casos, é recomendado aplicar a tintura na região desejada, com auxílio de algodão ou gaze, massageando o local.

Quem não usar

Por conterem álcool, as tinturas são contraindicadas para crianças, mulheres grávidas e durante o período de amamentação.

As tinturas são também contraindicadas para alcoólatras e para pessoas com problemas no fígado. Além disso, pessoas que estejam usando medicamentos devem conversar com o médico antes de usar tinturas, porque a tintura pode alterar os efeitos de alguns remédios.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Manuel Reis - Enfermeiro, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Plantas medicinais nativas de uso popular no Rio Grande do Sul. 2019. Disponível em: <https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/346/2019/12/Cartilha-Plantas-Medicinais.pdf>. Acesso em 07 nov 2022
  • EMBRAPA. Método de preparo de tintura de plantas bioativas para fins agrícolas. 2008. Disponível em: <https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/746473/1/comunicado190.pdf>. Acesso em 07 nov 2022
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.