Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como evitar a perda de memória

A perda de memória pode ter diversas causas, sendo que as mais comuns acontecem em pessoas estressadas, ansiosas ou que não descansam com uma boa noite de sono, e, também, em pessoas acima dos 60 anos, quando os neurônios estão mais deteriorados e podem reter menos informações, levando ao esquecimento de situações recentes, como onde guardou um objeto, dar um recado ou lembrar de um nome.

Essas situações podem ser prevenidas com atitudes que estimulam e equilibram o funcionamento cerebral, como ter hábitos alimentares saudáveis, ricos em anti-oxidantes, evitar o estresse, praticar exercícios físicos, além de fazer leituras e atividades de concentração.

Como evitar a perda de memória

Entretanto, caso a perda de memória comece a atrapalhar as atividades do dia-a-dia ou seja constante, é importante consultar-se com um neurologista ou geriatra, para que sejam investigadas possíveis doenças que levam à perda de memória, como Alzheimer, depressão ou hipotireoidismo, por exemplo. Para entender melhor as doenças e situações que levam à perda de memória, confira o que causa e como tratar a perda de memória.

Assim, as atitudes que se deve ter para evitar problemas de memória ou doenças, principalmente a demência de Alzheimer, são:

1. Praticar exercícios físicos 3 vezes por semana

O exercício físico melhora a circulação e o fluxo sanguíneo para o cérebro, protegendo as suas células. Deve-se praticar atividades, pelo menos, 3 vezes por semana, mas o ideal é 5 vezes por semana. 

Além disso, exercitar-se protege o corpo contra outras doenças que são prejudiciais para a saúde cerebral, como pressão alta, diabetes e colesterol.

2. Ler e fazer jogos de raciocínio

Manter-se mentalmente ativo é essencial  para estimular as células cerebrais e impedir que se deteriorem, o que leva à dificuldades no raciocínio e retenção de informações. 

Assim, estar sempre lendo um livro, praticar jogos que utilizam o raciocínio como palavras cruzadas, caça-palavras, sudoku ou, até, fazer um curso de línguas, música ou de qualquer assunto que se tenha interesse é desafiante ao cérebro, o que faz com que ele se esforce para se manter ativo. 

3. Adotar uma dieta mediterrânea

Uma dieta que evita o consumo produtos industrializados, mas é rica em frutas, vegetais, peixes e alimentos integrais, contém elementos essenciais antioxidantes e anti-inflamatórios para o cérebro, sendo muito importante para a prevenção da perda de memória e o desenvolvimento do Alzheimer. 

Alguns elementos essenciais de qualquer dieta para a saúde do cérebro são o ômega 3 e vitamina E, presente em azeite, peixes, nozes e amêndoas, os antioxidantes, como vitamina C, zinco, magnésio e potássio, presentes em frutas, legumes e verduras, além de fibras, presentes em cereais integrais. Além disso, é importante evitar alimentos ricos em açúcar, gorduras saturadas e sal, pois impedem a circulação e dificultam o funcionamento do cérebro.

Confira dicas da nossa nutricionista sobre o que comer:

4. Tratar a ansiedade e a depressão

Ansiedade e estresse são importantes causas de esquecimentos repentinos e lapsos de memória, pois dificultam a retenção de informações, deixam o cérebro confuso para conseguir acessar as memórias, além de produzir hormônios como cortisol e adrenalina, que são danosos a este órgão. Por isso, estas situações devem ser tratadas com atividades de relaxamento, como meditação, yoga e exercícios físicos, e a realização de psicoterapia.

Entretanto, quando a ansiedade é grave ou quando há um quadro de depressão também pode ser necessário consultar-se com um psiquiatra para iniciar o tratamento com uso de remédios ansiolíticos ou antidepressivos, importantes para melhorar a saúde mental e prevenir os danos ao cérebro. Saiba mais dicas para combater o estresse e a ansiedade.

5. Dormir 6 a 8 horas por dia

O hábito de dormir bem, entre 6 e 8 horas por dia, é fundamental para que o cérebro consiga fixar as memórias e consolidar tudo o que foi aprendido ao longo do dia. Um cérebro cansado também aumenta os níveis de estresse e dificulta a retenção de informações e raciocínio ao longo do tempo, o que causa tanto esquecimentos como deixa a pessoa mais confusa. 

Confira quais são as 10 dicas que se deve seguir para conseguir dormir bem

Como evitar a perda de memória

6. Evitar remédios para dormir

Alguns remédios para dormir, como ansiolíticos do tipo Diazepam, Clonazepam (Rivotril) ou Lorazepam, por exemplo, só devem ser usados em casos necessários, prescritos pelo psiquiatra ou neurologista, pois, se usados em excesso e desnecessariamente, aumentam o risco de Alzheimer.

Outros medicamentos, como anticonvulsivantes e anti-vertiginosos, como Cinarizina e Flunarizina, por exemplo, também podem causar confusão cerebral e esquecimentos. Desta forma, é muito importante iniciar o uso de remédios somente com a orientação médica.

7. Evitar bebidas alcoólicas

O álcool em excesso, além de outros hábitos, como fumar e usar drogas, são altamente tóxicos para o cérebro, acelerando a perda de memória e dificultando o raciocínio, devendo ser evitados caso se queira ter uma boa saúde cerebral.

8. Fazer check-ups anuais

É muito importante investigar a presença e fazer o tratamento correto de doenças como pressão alta, diabetes, colesterol alto ou alterações hormonais, pois, se não forem controladas, podem prejudicar a circulação sanguínea e deteriorar, aos poucos, o funcionamento de diversos órgãos, como cérebro, coração e rins. 

Mais sobre este assunto:


Carregando
...