Cirurgia para aumentar o pênis: realmente funciona?

Existem dois tipos principais de cirurgias que ajudam a aumentar o tamanho do pênis, um para aumentar o comprimento e outro para aumentar a largura, porém é válido lembrar que nenhuma delas é recomendada e reconhecida pela Sociedade Brasileira de Urologia.

Além disso, este tipo de cirurgia normalmente não traz os resultados esperados e pode até causar complicações sérias como deformação do pênis, cicatrizes ou infecção, por exemplo. Dessa forma, a necessidade de fazer uma cirurgia de aumento peniano deve ser sempre discutida com um urologista, para entender quais os benefícios e riscos em cada caso.

Confira esta conversa informal com o Dr. Rodolfo Favaretto, urologista, sobre o tamanho médio do pênis, técnicas para aumentar o pênis e outras questões importantes de saúde masculina:

Quando a cirurgia é indicada

A cirurgia para aumentar o pênis é normalmente indicada no caso de micropênis quando o tratamento com injeção de testosterona ou suplementação com hormônio do crescimento não é suficiente. Apesar do micropênis não representar problema de saúde, pode causar frustração e interferir diretamente na qualidade de vida do homem e, por isso, nesse caso o médico pode recomendar a cirurgia.

Além disso, alguns homens podem achar que têm o pênis menor do que o gostariam e, por isso, podem considerar a realização da cirurgia. No entanto, a cirurgia para aumentar o pênis é a última opção de tratamento devido aos riscos associados com o procedimento, como deformidades, dificuldade de ereção, cicatrizes e infecção, por exemplo.

É importante ressaltar que as cirurgias para aumentar o pênis não são recomendadas e reconhecidas como cirurgia eficaz pela Sociedade Brasileira de Urologia.

Tipos de cirurgia para o pênis

De acordo com a indicação e objetivo da cirurgia, pode ser realizada a cirurgia para aumentar a largura ou o comprimento, o que normalmente é notado apenas quando o pênis está ereto. Além disso, algumas técnicas podem causar apenas impressão de aumento do pênis, devido à aspiração da gordura que está localizada acima do pênis ou através da liberação de um ligamento que o "prende".

Apesar disso, os tipos principais de cirurgia que existem para aumentar o pênis são:

Cirurgia para aumentar a largura

A cirurgia que aumenta a largura do pênis pode ser feita de duas formas:

  • Injeção de gordura: é feita lipoaspiração em outra parte do corpo, como os flancos, barriga ou pernas, e depois uma parte dessa gordura é injetada no pênis para preencher e dar mais volume;
  • Injeção de ácido hialurônico polimetilmetacrilato (PMMA): o procedimento é conhecido como bioplastia peniana e consiste na aplicação do PMMA no pênis ereto para aumentar o diâmetro, no entanto não é recomendado pela Sociedade Brasileira de Urologia e nem pela Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica devido aos riscos associados. Saiba mais sobre a bioplastia peniana;
  • Colocação de "rede": é colocada um "rede" artificial e biodegradável, com células, debaixo da pele e em volta do corpo do pênis para dar mais volume.

Dependendo do tipo de cirurgia, e de cada caso específico, pode existir um aumento entre 1,4 a 4 cm do diâmetro do pênis.

Em qualquer um dos casos, existem riscos elevados sendo que, na injeção de gordura pode surgir deformidade do pênis, enquanto na colocação de rede é mais comum o desenvolvimento de uma infecção, por exemplo. Além disso, no caso da aplicação da PMMA há riscos relacionados com a quantidade de substância que é colocada no pênis, podendo levar à uma resposta inflamatória excessiva do organismo e resultar em necrose do órgão.

Cirurgia para aumentar o comprimento

Quando o objetivo é aumentar o tamanho do pênis, geralmente é recomendada uma cirurgia que corta o ligamento que liga o pênis ao osso púbico, permitindo que o órgão sexual seja liberado e pareça maior.

Embora esta cirurgia possa aumentar o tamanho do pênis flácido em cerca de 2 cm, é frequente não notar diferença quando o órgão está ereto. Além disso, devido ao corte do ligamento, muitos homens referem que durante a ereção possuem uma mobilidade maior do pênis, que pode necessitar de uma certa adaptação para executar o ato sexual.

Cirurgia para aumentar o pênis: realmente funciona?

Como é a recuperação

A recuperação da cirurgia de aumento do pênis é relativamente rápida, sendo que pode ser possível voltar ao trabalho em até 1 semana depois do procedimento.

Na maior parte dos casos é possível voltar a casa no dia seguinte à cirurgia, sendo apenas recomendado manter o repouso em casa até à remoção dos pontos e seguir alguma orientações que incluem tomar os analgésicos e anti-inflamatórios receitados pelo médico, assim como manter o curativo sempre seco e limpo.

As relações sexuais só devem ser retomadas, geralmente, depois de 6 semanas ou quando for indicado pelo médico e os exercícios físicos mais intensos, como correr ou ir na academia, só devem ser iniciados depois de 3 meses.

Outras opções para aumentar o pênis

Outras soluções que existem para aumentar o pênis são utilizar comprimidos ou bombas de vácuo, que aumentam a quantidade de sangue no órgãos sexual e que, por isso, pode dar a sensação de que o pênis está maior.

Além disso, quando se está acima do peso, o pênis pode ficar coberto por gordura e, por isso, o urologista pode também aconselhar uma lipoaspiração da região íntima, que remove o excesso de gordura e expões melhor o corpo do pênis, por exemplo. Veja mais sobre as técnicas para aumentar o pênis e saiba o que realmente funciona.

Confira no vídeo a seguir se as técnicas para aumentar o pênis realmente funcionam e esclareça outras dúvidas comuns:

Esta informação foi útil?
Atualizado por Equipe Tua Saúde - em Dezembro de 2021. Revisão clínica por Rodolfo Favaretto, Urologista - em Dezembro de 2021.

Bibliografia

  • CAMPBELL, Jeffrey; GILLIS, Joshua. A review of penile elongation surgery. Translational Andrology and Urology. Vol.6 n.1. 69-78, 2017
  • BOLETIM DE INFORMAÇÃO UROLÓGICA. Urologia: Diagnóstico e tratamento do micropênis. 2019. Disponível em: <http://sbu-sp.org.br/wp-content/uploads/2019/04/Revista_BIU_Ed18.pdf>. Acesso em 11 Nov 2020
Mais sobre este assunto: