Cintilografia renal: o que é, como é feita e como se preparar

julho 2022

A cintilografia renal é um exame de diagnóstico feito com ressonância magnética e aplicação de contraste radiológico, permitindo visualizar o interior dos rins, além de outras estruturas do trato urinário, como cálices renais, ureteres e bexiga.

Esse exame, também chamada de cintilografia renal nuclear, é solicitado pelo médico quando existem alterações no exame de urina, que possam ser indicativas de doenças nos rins, como hipertensão renovascular, alterações na anatomia dos rins, bloqueio do fluxo urinário, pielonefrite ou tumores renais, por exemplo. Saiba como identificar os sintomas de problemas nos rins.

A cintilografia renal pode ser realizada em hospitais ou em clínicas especializadas, e os resultados devem ser analisados pelo nefrologista ou urologista, que podem também indicar a realização de outros exames complementares para avaliar o funcionamento do sistema urinário.

Quando é indicada

A cintilografia renal é indicada para avaliar alterações na anatomia e no funcionamento dos rins, cálices renais, ureteres e bexiga, nas seguintes situações:

  • Hipertensão renovascular;
  • Bloqueio do fluxo urinário;
  • Malformações do trato urinário;
  • Rim ectópico;
  • Rins em ferradura;
  • Agenesia renal;
  • Cistos ou tumores renais;
  • Trauma nos rins;
  • Trauma nos ureteres;
  • Hematoma renal;
  • Abscesso renal;
  • Infarto renal;
  • Refluxo vesico-uretral;
  • Câncer nos rins;
  • Pielonefrite;
  • Cicatrizes pós-infecciosas.

Além disso, a cintilografia renal pode ser feita para avaliação da função dos rins em pessoas com indicação para o transplante de rim, além da avaliação dos rins do doador.

Tipos de cintilografia

A cintilografia renal pode ser classificada de acordo com a forma como as imagens são obtidas em:

  • Cintilografia renal estática, em que as imagens são obtidas em um único momento com a pessoa em repouso;
  • Cintilografia renal dinâmica, em que são obtidas imagens dinâmicas desde a produção até à eliminação da urina.

O tipo de cintilografia renal deve ser orientado pelo médico, de acordo com a condição a ser avaliada e/ou diagnosticada.

Como se preparar para o exame

O preparo para a cintilografia renal varia de acordo com o tipo de exame que o médico pretende avaliar, no entanto, é comum que seja necessário manter a bexiga cheia ou vazia. Caso a bexiga precise estar cheia, o médico pode indicar a ingestão de água antes do exame ou colocar soro diretamente na veia. Por outro lado, caso seja necessário estar com a bexiga vazia, o médico pode indicar que a pessoa urine antes do exame.

Existem ainda alguns tipos de cintilografia em que a bexiga precisa ficar sempre vazia e, nesses casos, pode ser necessário introduzir uma sonda vesical para retirar qualquer urina que esteja no interior da bexiga.

É ainda muito importante retirar qualquer tipo de joias ou materiais de metal antes de iniciar o exame, já que podem interferir com o resultado da cintilografia. Geralmente para a cintilografia renal dinâmica, o médico orienta suspender os medicamentos diuréticos 24 horas antes do exame ou no próprio dia.

Antes de realizar o exame, deve-se informar ao médico todos os medicamentos que são utilizados, pois podem interferir no resultado do exame, e também se está amamentando para que o médico oriente os cuidados após o exame. Além disso, deve-se comunicar ao médico se está grávida ou se existe suspeita de gravidez, uma vez que a cintilografia renal é contraindicada nesses casos.

Como é feita a cintilografia renal

A cintilografia renal é um exame indolor e rápido que dura em média 20 a 30 minutos e para realizar o exame, a pessoa deve deitar na mesa do aparelho de ressonância magnética. Esse aparelho usa radiação para gerar imagens dos rins.

Antes de iniciar o exame, é administrado soro fisiológico na veia, para que o médico possa injetar contraste de tecnécio (Tc99m) que permite uma melhor captação da imagem e avaliação dos rins.

A forma de fazer a cintilografia renal varia de acordo com o seu tipo:

1. Cintilografia renal estática

Na cintilografia renal estática, geralmente é utilizado o contraste de tecnécio-ácido dimercaptosuccínico (Tc99m-DMSA) e o exame é realizado da seguinte forma:

  1. É injetado na veia o radiofármaco Tc99m-DMSA;
  2. Espera-se cerca de 3 a 4 horas para o radiofármaco se acumular nos rins;
  3. A pessoa é colocada na máquina de ressonância se obter as imagens dos rins.

Esse tipo de cintilografia renal é mais frequentemente indicado para crianças, permitindo avaliar a função dos rins e detectar cicatrizes, pielonefrite ou rim ectópico, por exemplo, podendo ser necessária sedação antes do exame, conforme indicação do médico.

2. Cintilografia renal dinâmica

A cintilografia renal dinâmica é feita utilizando o contraste de tecnécio-ácido dietilenotriamina pentacético (Tc99m-DTPA) e realizada da seguinte forma:

  1. A pessoa urina e depois deita-se na maca;
  2. É injetado o contraste Tc99m-DTPA pela veia;
  3. É administrado também pela veia um fármaco para estimular a formação de urina;
  4. São obtidas as imagens dos rins através da ressonância magnética;
  5. O paciente depois vai ao sanitário urinar e é obtida uma nova imagem dos rins.

Enquanto o exame está sendo feito e as imagens estão sendo recolhidas é muito importante que a pessoa se mantenha o mais imóvel possível. Após a injeção do contraste é possível que se sinta um ligeiro formigamento no corpo e até o sabor metálico na boca.

Como a cintilografia é feita no bebê

A cintilografia renal em bebê geralmente é feita após uma infeção urinária do bebê ou da criança para avaliar a função de cada rim e a presença ou não de cicatrizes renais que são uma consequência da infecção urinária.

Para fazer a cintilografia renal, não é necessário jejum e cerca de 5 a 10 minutos antes do exame a criança deve beber 2 a 4 copos ou 300 - 600 mL de água.

Cuidados após o exame

Após a cintilografia renal, deve-se beber água ou outros líquidos, exceto bebidas alcoólicas, e urinar com frequência para eliminar o resto do contraste.

Além disso, para mulheres em amamentação, pode ser recomendado pelo médico interromper a amamentação por cerca de 12 horas após o exame, se utilizado o contraste Tc99m-DTPA.

Possíveis riscos

A cintilografia renal é um exame considerado seguro, geralmente não causando complicações durante o procedimento. No entanto, devido ao uso de contraste radiológico de tecnécio injetado na veia, podem surgir alguns efeitos colaterais como náuseas, vômitos, febre, dor abdominal, dor de cabeça, vermelhidão no rosto, coceira ou desmaio, dor ou inflamação no local da injeção.

Esses efeitos colaterais geralmente são leves e não necessitam de internamento hospitalar.

Quem não deve fazer

A cintilografia renal não deve ser realizada em mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez para evitar a exposição do feto à radiação.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em julho de 2022.

Bibliografia

  • HAINS, D. S.; et al. Elucidation of Renal Scars in Children With Vesicoureteral Reflux Using Contrast-Enhanced Ultrasound: A Pilot Study. Kidney Int Rep. 2. 3; 420-424, 2017
  • TEMIZ, Y.; et al. The efficacy of Tc99m dimercaptosuccinic acid (Tc-DMSA) scintigraphy and ultrasonography in detecting renal scars in children with primary vesicoureteral reflux (VUR). Int Urol Nephrol. 38. 1; 149-52, 2006
Mostrar bibliografia completa
  • JP ESSER, MEANDER MEDICAL CENTRE, AMERSFOORT. Dynamic Renal Scintigraphy. Disponível em: <https://richtlijnendatabase.nl/gerelateerde_documenten/f/17264/Dynamic%20Renal%20Scintigraphy.pdf>. Acesso em 28 jul 2022
  • BANKER, H.; SHEFFIELD, E. G.; COHEN, H. L. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Nuclear Renal Scan. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK562236/>. Acesso em 28 jul 2022
  • LEIDE-SVEGBORN, S.; et al. Excretion of radionuclides in human breast milk after nuclear medicine examinations. Biokinetic and dosimetric data and recommendations on breastfeeding interruption. Eur J Nucl Med Mol Imaging. 43. 5; 808-82, 2016
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.