Cigarro eletrônico: o que é e por que faz mal

O cigarro eletrônico, também conhecido como vape, juul, smok, e-cigarete, ecigar ou apenas tabaco aquecido, é um dispositivo com o formato de um cigarro convencional ou caneta, que contém uma bateria, geralmente de íon-lítio, e um depósito onde é colocado um líquido concentrado de nicotina, que é aquecido e inalado. Esse líquido além da nicotina, possui ainda produtos solventes como água, propilenoglicol, glicerina e aromatizantes para dar sabor.

Este tipo de cigarro foi introduzido no comércio como sendo uma boa opção para substituir o cigarro convencional, por conter menos substâncias cancerígenas e ter menor potencial para causar problemas pulmonares agudos, podendo ser uma boa opção para pessoas que desejam parar de fumar.

No entanto, devido à falta de dados científicos que comprovem a eficiência, eficácia e segurança dos cigarros eletrônicos, sua venda foi proibida pela ANVISA em 2009, com a RDC 46/2009, e seu uso tem sido desaconselhado por vários especialistas na área, entre os quais a Associação Médica Brasileira.

Cigarro eletrônico: o que é e por que faz mal

Cigarro eletrônico faz mal?

Da mesma forma que o cigarro convencional, o cigarro eletrônico faz mal principalmente devido à liberação de nicotina. A nicotina é uma das substâncias com maior poder de vicio conhecidas, por isso, pessoas que utilizam qualquer tipo de dispositivo que libere nicotina, seja o cigarro eletrônico ou o convencional, terão maior dificuldade em deixar de fumar, devido à dependência que essa substância provoca a nível cerebral.

Além disso, a nicotina é liberada na fumaça que é lançada no ar, tanto pelo aparelho, como pela expiração do utilizador. Isso faz com que as pessoas ao redor também inalem a substância. Isso é ainda mais grave no caso de mulheres grávidas, por exemplo, que, quando expostas à nicotina apresentam um risco aumentado de malformações neurológicas no feto.

Já quanto às outras substâncias liberadas pelo cigarro eletrônico, e embora, não tenha muitas das substâncias tóxicas liberadas pela queima do tabaco tradicional, o cigarro eletrônico libera outras substâncias que são cancerígenas. De acordo com um documento oficial lançado pelo CDC, é possível que o aquecimento do solvente que carrega a nicotina no cigarro eletrônico, quando queimado a mais de 150ºC, libera dez vezes mais formaldeído que o cigarro convencional, uma substância com comprovada ação cancerígena. Outros metais pesados também têm sido encontrados no vapor liberado por estes cigarros e podem ser ligados ao material utilizado para a sua construção.

Além disso, as substâncias químicas usadas para criar o sabor dos cigarros eletrônicos também não têm comprovação de que são seguras a longo prazo.

EVALI: a doença do cigarro eletrônico

A EVALI (E-cigarette or Vaping product use-Associated Lung Injury) é uma sigla em inglês para doença pulmonar causada pelo uso do cigarro eletrônico ou vaping, que foi identificada pela primeira vez em 2019. 

Essa doença tem sido relacionada à presença de acetato de vitamina E, um tipo de óleo usado no líquido do cigarro eletrônico, especialmente nos que contém THC, que é uma substância psicoativa da maconha, e que interfere no funcionamento normal dos pulmões.

A EVALI pode causar sintomas semelhantes à outras doenças respiratórias, como pneumonia ou até gripe, e incluem:

  • Falta de ar;
  • Febre;
  • Tosse;
  • Náusea e vômito;
  • Dor no estômago;
  • Diarréia;
  • Tontura;;
  • Palpitação;
  • Dor no peito;
  • Cansaço excessivo.

Esses sintomas podem surgir em alguns dias ou ao longo de várias semanas, sendo importante procurar ajuda médica na presença dos sintomas, para que seja feito o diagnóstico e iniciar tratamento mais adequado, que muitas vezes é feito com internamento e utilização oxigênio e uso medicamentos como corticóides, antibióticos ou antivirais, por exemplo.

Cigarro eletrônico aumenta o risco de COVID-19?

De acordo com a Associação Médica Brasileira, o cigarro eletrônico pode aumentar o risco de COVID-19 devido a presença de nicotina na composição do líquido utilizado para a utilização do cigarro, pois pode causar danos pulmonares [1].

​​Além disso, o vapor produzido pelo cigarro eletrônico pode levar a disseminação do coronavírus no ambiente em que estão os usuários desse tipo de equipamento, aumentando o risco de infecção pela COVID-19. 

Porque foi proibido pela Anvisa

A proibição da Anvisa foi emitida em 2009 pela falta de dados científicos que comprovem a eficiência, eficácia e segurança dos cigarros eletrônicos, mas essa proibição é apenas sobre a venda, importação ou propaganda do aparelho [2].

Além disso, a proibição também leva em conta os riscos de explosão da bateria e queimaduras com o uso de cigarros eletrônicos sem controle de segurança, e de doenças respiratórias, além de evitar o uso desses cigarros por jovens.

Assim, e embora exista uma proibição, o uso do cigarro eletrônico ainda gera incertezas e controvérsias, especialmente, relacionadas aos riscos para a saúde, e por isso, tem sido estudado para avaliar o impacto na saúde e os riscos associados a esses produtos.

O cigarro eletrônico ajuda a deixar de fumar?

Segundo a Sociedade Torácica Americana [3], os vários estudos feitos sobre a ação dos cigarros eletrônicos para ajudar a deixar de fumar não mostraram qualquer efeito ou relação e, por isso, o cigarro eletrônico não deve ser usado da mesma forma que outros produtos comprovados para a cessação tabágica, como os adesivos ou a chicletes de nicotina.

Isso porque o adesivo vai reduzindo gradualmente a quantidade de nicotina que é liberada, ajudando o corpo a abandonar a dependência, enquanto que o cigarro libera sempre a mesma quantidade, além de não existir regulação para a dose de nicotina que cada marca coloca nos líquidos usados no cigarro. A OMS também apoia esta decisão e aconselha o uso de outras estratégias comprovadas e seguras para conseguir deixar de fumar.

Além de tudo isso, o cigarro eletrônico pode até contribuir para o aumento do vício na nicotina e no tabaco, já que os sabores de aparelho apelam para um grupo mais jovem, que pode acabar desenvolvendo o vício e iniciando o uso do tabaco.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • BBC. A misteriosa doença ligada a cigarros eletrônicos que já matou seis pessoas nos EUA. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/geral-49670309>. Acesso em 23 Set 2019
  • BBC. Cigarro eletrônico: entenda se o polêmico aparelho faz mal à saúde ou não. Disponível em: <https://www.bbc.com/portuguese/geral-47129651>. Acesso em 23 Set 2019
  • COOKE, A.; et al. The Electronic Cigarette: The Good, the Bad, and the Ugly. J Allergy Clin Immunol Pract. 3. 4; 498-505, 2015
  • MCALINDEN, K. D.; et al. The rise of electronic nicotine delivery systems and the emergence of electronic-cigarette-driven disease. Am J Physiol Lung Cell Mol Physiol. 319. 4; L585-L595, 2020
  • KLINGERMAN, S.; et al. Radiologic, Pathologic, Clinical, and Physiologic Findings of Electronic Cigarette or Vaping Product Use-associated Lung Injury (EVALI): Evolving Knowledge and Remaining Questions. Radiology. 294. 3; 491-505, 2020
  • WINNICKA, L.; SHENOY, M. A. EVALI and the Pulmonary Toxicity of Electronic Cigarettes: A Review. J Gen Intern Med. 35. 7; 2130-2135, 2020
  • ALDY, K.; et al. E-cigarette or vaping product use-associated lung injury (EVALI) features and recognition in the emergency department. J Am Coll Emerg Physicians Open. 1. 5; 1090-1096, 2020
  • BESARTINIA, A.; TOMMASI, S. The consequential impact of JUUL on youth vaping and the landscape of tobacco products: The state of play in the COVID-19 era. Prev Med Rep. 22. 101374, 2021
  • BRAR, E.; et al. Vaping, SARS-CoV-2, and Multisystem Inflammatory Syndrome: A Perfect Storm. Front Pediatr. 9. 647925, 2021
  • FELDMAN, R.; STANTON, M.; SUELZER, E. M. Compiling Evidence for EVALI: A Scoping Review of In Vivo Pulmonary Effects After Inhaling Vitamin E or Vitamin E Acetate. J Med Toxicol. 17. 3; 278-288, 2021
  • SHINBASHI, M.; RUBIN, B. K. Electronic cigarettes and e-cigarette/vaping product use associated lung injury (EVALI). Paediatr Respir Rev. 36. 87-91, 2020
  • CDC - CENTERS FOR CONTROL DISEASE AND PREVENTION. E-Cigarette Use Among Youth and Young Adults: A Report of the Surgeon General. 2017. Disponível em: <https://www.cdc.gov/tobacco/data_statistics/sgr/e-cigarettes/pdfs/2016_SGR_Chap_1_508.pdf>. Acesso em 21 Set 2021
  • AMERICAN THORACIC SOCIETY. Vaping/Electronic Nicotine Delivery Systems. 2018. Disponível em: <https://www.thoracic.org/patients/patient-resources/resources/vaping-electronic-nicotine-delivery-systems.pdf>. Acesso em 21 Set 2021
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE - ANVISA. RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA – RDC Nº 46, DE 28 DE AGOSTO DE 2009. 2009. Disponível em: <http://antigo.anvisa.gov.br/documents/10181/2718376/RDC_46_2009_COMP.pdf/2148a322-03ad-42c3-b5ba-718243bd1919>. Acesso em 21 Set 2021
  • AMB. Posição da AMB quanto aos dispositivos eletrônicos para entrega de nicotina (cigarros eletrônicos e cigarros aquecidos). 2017. Disponível em: <http://portal.anvisa.gov.br/documents/219201/2782895/28.07.2017+Carta+-+AMB++-++Cigarros+Eletr%C3%B4nicos.pdf/eef5af78-5d90-4502-908c-b37b4355dccc>. Acesso em 03 Jun 2019
  • ASSOCIAÇÃO MÉDICA BRASILEIRA. O uso de narguilé, cigarro eletrônico e de tabaco aquecido aumenta o risco de infecção pela COVID-19?. Disponível em: <https://amb.org.br/tabagismo/4-o-uso-de-narguile-cigarro-eletronico-e-de-tabaco-aquecido-aumenta-o-risco-de-infeccao-pela-covid-19/>. Acesso em 21 Set 2021
  • CDC - CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Outbreak of Lung Injury Associated with the Use of E-Cigarette, or Vaping, Products. 2021. Disponível em: <https://www.cdc.gov/tobacco/basic_information/e-cigarettes/severe-lung-disease.html>. Acesso em 21 Set 2021
Mais sobre este assunto: