Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como identificar e tratar a bronquiolite obliterante

A bronquiolite obliterante acontece quando as células do pulmão não conseguem se recuperar após uma inflamação ou infecção, como acontece em casos de gripe ou pneumonia, por exemplo.

Nestes casos, as células inflamadas do pulmão, em vez de serem substituídas por células novas, morrem e formam uma cicatriz, que dificulta a passagem de ar. Assim, caso surjam várias inflamações no pulmão ao longo do tempo, o número de cicatrizes aumenta e os pequenos canais do pulmão, conhecidos como bronquíolos, são destruídos, dificultando a respiração.

Na maior parte das vezes os sintomas inicias da bronquiolite obliterante são semelhantes a qualquer outro problema pulmonar, incluindo:

  • Chiado ao respirar;
  • Sensação de falta de ar;
  • Tosse persistente;
  • Períodos de febre baixa até 38ºC;

Estes sintomas geralmente aparecem e desaparecem ao longo de vários períodos que podem durar por semanas ou meses. Embora a bronquiolite obliterante seja mais frequente em bebês devido ao sistema imune mais enfraquecido, também pode surgir em adultos, especialmente após transplante de pulmão, por exemplo.

Como identificar e tratar a bronquiolite obliterante

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico deste problema pulmonar deve ser feito por um pediatra, no caso dos bebês e crianças, ou pneumologista, no caso do adulto.

Normalmente são feitos exames como raio X do tórax ou tomografia computadorizada, podendo ser identificados outros problemas mais comuns, como bronquite ou pneumonia, antes de se chegar no diagnóstico de bronquiolite obliterante.

Como é feito o tratamento

A bronquiolite obliterante não tem cura e, por isso, o tratamento é feito para aliviar os sintomas e facilitar a respiração. Assim, geralmente, o médico receita o uso de corticoides, como Hidrocortisona ou Betametasona, que diminuem a inflamação nos pulmões e reduzem a quantidade de muco, diminuindo as chances de surgimento de novas cicatrizes e facilitando a passagem de ar.

Além disso, sempre que é possível identificar a causa do problema, como uma infecção pulmonar, é necessário fazer o tratamento para a causa, de forma a evitar que continue provocando lesões e cicatrizes nos canais do pulmão.

Já nas crianças, também é recomendado o seguimento por um nutricionista pois o esforço para respirar consome um grande número de calorias, o que pode dificultar o crescimento e o desenvolvimento.

Mais sobre este assunto:
Carregando
...