Chapéu-de-couro: para que serve e como fazer o chá

O chapéu-de-couro é uma planta medicinal da espécie Echinodorus grandiflorus, rica em substâncias como flavonóides, diterpenos alcalóides e taninos, possuindo  propriedade anti-inflamatória, antirreumática, diurética e hipotensora, sendo popularmente muito utilizada para o tratamento de artrite, infecção urinária ou problemas de pele, como furúnculo ou dermatite, por exemplo.

As partes normalmente utilizadas do chapéu-de-couro, também conhecido como  erva-do-brejo, aguapé ou erva-do-pântano, são as folhas para o preparo do chá, ou a raiz, utilizada na forma de cataplasma.

O chapéu-de-couro pode ser comprado em algumas lojas de produtos naturais e farmácias de manipulação, e deve ser usado com orientação de um médico ou outro profissional de saúde que tenha experiência com o uso de plantas medicinais.

Para que serve 

O chapéu-de-couro possui propriedades anti-inflamatória, antirreumática, adstringente, depurativa, diurética, antiartrítica e hipotensora, sendo normalmente indicado para:

  • Artrite;
  • Artrose;
  • Gota; 
  • Infecção urinária; 
  • Pedra nos rins; 
  • Inflamação na bexiga; 
  • Prostatite;
  • Doenças do fígado; 
  • Amigdalite;
  • Faringite;
  • Estomatite;
  • Gengivite;
  • Neuralgia;
  • Hérnia; 
  • Dor de cabeça; 
  • Infecções de pele;
  • Furúnculos;
  • Eczemas;
  • Dermatites.

Além disso, devido suas propriedades hipotensoras e diuréticas, o chapéu-de-couro também pode auxiliar no tratamento da pressão alta.

Embora tenha benefícios para a saúde, esta planta medicinal não substitui o tratamento médico e deve ser usada com orientação do médico ou de um fitoterapeuta.

Como usar

As partes utilizadas do chapéu de couro são as folhas ou as raízes, de onde são extraídas as substâncias ativas com propriedades medicinais para o preparo do chá ou cataplasma. 

1. Chá de chapéu-de-couro

O chá de chapéu-de-couro deve ser preparado com as folhas dessa planta medicinal, podendo ser usado para Infecção urinária, pedra nos rins, dor de cabeça, artrite, artrose ou gota, por exemplo.

Ingredientes

  • 20 g de folhas de chapéu-de-couro;
  • 1 litro de água.

Modo de preparo

Ferver a água, desligar o fogo e acrescentar as folhas de chapéu-de-couro. Tapar e deixar descansar por cerca de 10 minutos. Coar, esperar amornar e beber cerca de 2 a 3 xícaras por dia.

O chá de chapéu-de-couro também pode ser usado na forma de bochechos para amigdalite, faringite, estomatite ou gengivite, por exemplo.

Além disso, esse chá também pode ser usado para fazer banhos de assento, no caso de prostatite. Para isto, deve-se colocar o chá de chapéu-de-couro morno em uma bacia, sentar na bacia sem roupa e fazer o banho de assento de 2 a 3 vezes por dia.

2. Cataplasma de chapéu-de-couro

O chapéu-de-couro na forma de cataplasma pode ser usado para aplicação sobre a pele, no caso de hérnias, dermatites, gota, neuralgia ou furúnculos. 

Ingredientes

  • 1 raiz seca do chapéu-de-couro.

Modo de preparo

Em um recipiente esmagar a raiz de chapéu-de-couro e adicionar um pouco de água até obter uma pasta. Aplicar sobre a pele na região afetada.

Possíveis efeitos colaterais

O chapéu-de-couro é considerado seguro quando utilizado nas quantidades recomendadas. No entanto, quando consumido em excesso, pode causar diminuição excessiva da pressão arterial ou diarréia.

Por isso, o uso do chapéu-de-couro deve ser feito somente com orientação médica ou de um profissional de saúde com experiência em plantas medicinais.

Quem não deve usar

O chapéu-de-couro não deve ser usado por pessoas que tenham insuficiência cardíaca ou renal, pressão baixa, corrimento vaginal ou que estejam utilizando remédios para o tratamento da pressão alta. 

Além disso, também não deve ser usado em mulheres grávidas ou que estejam amamentando. Veja todos os chás que são proibidos durante a gravidez

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em julho de 2022.

Bibliografia

  • GOMES, F.; et al. Microvascular Effects of Echinodorus grandiflorus on Cardiovascular Disorders. Planta Med. 86. 06; 395-404, 2020
  • FERNANDES, D. C.; et al. Antinociceptive activity of essential oil from Echinodorus macrophyllus(Kunth.) Micheli (Alismataceae). Revista Fitos. 7. 4; 245-251, 2012
Mostrar bibliografia completa
  • SILVA, T. M.; et al. Changes in the essential oil composition of leaves of Echinodorus macrophyllus exposed to γ-radiation. Revista Brasileira de Farmacognosia. 23. 4; 600-607, 2013
  • Marques, André Mesquita. Potencial químico e farmacológico de Echinodorus grandiflorus: uma espécie de uso popular com grande potencial para o desenvolvimento de um fitomedicamento no país. Monografia do Curso de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão da Inovação em Medicamentos da Biodiversidade, 2016. FIOCRUZ.
  • MARQUES, A. M.; et al. Echinodorus grandiflorus: Ethnobotanical, phytochemical and pharmacological overview of a medicinal plant used in Brazil. Food Chem Toxicol. 109. Pt 2; 1032-1047, 2017
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.