Cáscara sagrada: para que serve e como consumir

A cáscara sagrada é uma planta medicinal muito utilizada para tratar a prisão de ventre, devido ao seu efeito laxante que estimula os movimentos intestinais e promove a eliminação das fezes. O efeito laxante promovido por essa planta é mais suave que outros laxantes naturais, como aloe vera ou sene, por exemplo.

Além disso, a cáscara sagrada, cujo nome científico é Rhamnus purshiana D.C , ajuda a aumentar o apetite e possui propriedade purgativa, diurética e digestiva, podendo ser encontrada em lojas de produtos naturais e em algumas farmácias de manipulação, na forma de cápsula ou pó.

Antes de utilizar qualquer tipo de laxante natural, é recomendado consultar um nutricionista e/ ou gastroenterologista e fazer alterações nos hábitos alimentares, aumentando o consumo de alimentos ricos em fibras e consumindo pelo menos 2 litros de água por dia.

Para que serve a cáscara sagrada

A cáscara sagrada possui ação laxativas, diuréticas, estimuladoras e tônicas e, por isso, pode ser utilizada para tratar, a curto prazo, a prisão de ventre, já que restabelece o tônus natural do cólon e promove um aumento suave e regular os movimentos peristálticos do intestino.

Quando consumida, a cáscara sagrada libera uma substância no intestino grosso que é processada pela flora bacteriana, produzindo a liberação de agliconas que atuam sobre a mucosa e promovendo a evacuação.

Em pequenas doses, a cáscara sagrada pode também ajudar a estimular o apetite. Além disso, essa planta medicinal facilita a expulsão da bile acumulada na vesícula biliar, ajudando a diminuir a absorção de gordura a nível intestinal.

Como tomar

A cáscara sagrada pode ser consumida na forma de cápsula ou em pó e a dose depende da idade e da histórico de saúde de cada pessoa. É importante consultar o médico ou nutricionista antes de consumir essa planta medicinal, sendo normalmente recomendado consumir 1 cápsula por dia antes de dormir.

Chá de cáscara sagrada

Outra forma de consumir a cáscara sagrada é por meio do chá.

Modo de preparo: colocar 25 g de cascas numa panela com 1 litro de água fervente, deixando repousar por 10 minutos. Beber 1 a 2 xícaras por dia.

Veja outras receitas de chás laxantes para combater a prisão de ventre.

Quando não é indicada

A cáscara sagrada não é indicada em caso de suspeita de gravidez, durante a gravidez e a amamentação, pois pode passar pelo leite e provocar diarreia no recém nascido, além de também não ser indicado para crianças com menos de 12 anos. Essa planta medicinal também não deve ser ingerida juntamente com alguns medicamentos, como digoxina, corticosteroides, medicamentos par arritmia, diuréticos ou glicosídeos cardiotônicos, pois pode haver alguma interação medicamentosa.

Além disso, não deve ser utilizada em caso de transtornos intestinais, como apendicite, obstrução intestinal, úlceras estomacais, hemorroidas, diverticulite, colite ulcerativa, doença de Crohn, dor no estômago, sangramento retal, vômitos ou desidratação.

Efeitos colaterais da cáscara sagrada

Apesar de possuir muitos benefícios, o uso da cáscara sagrada pode levar à ocorrência de alguns efeitos colaterais, como:

  • Cansaço;
  • Cólica abdominal;
  • Diminuição de potássio no sangue;
  • Diarreia;
  • Falta de apetite;
  • Má absorção de nutrientes;
  • Náuseas;
  • Perda da regularidade para defecar;
  • Suor excessivo;
  • Tontura;
  • Vômitos.

Para evitar os efeitos colaterais, é indicado fazer uso da cáscara sagrada sob orientação médica e seguindo as doses diárias sugeridas pelo fabricante, que normalmente é de 50 a 600mg por dia dividido em 3 doses diárias, no caso da cáscara em cápsula.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Marcela Lemos - Biomédica, em maio de 2022. Revisão clínica por Tatiana Zanin - Nutricionista, em maio de 2022.

Bibliografia

  • HTTPS://CIMA.AEMPS.ES/CIMA/PDFS/ES/P/74097/74097_P.PDF. CÁSCARA SAGRADA ARKOPHARMA cápsulas duras Rhamnus purshianus D.C.. 2016. Disponível em: <https://cima.aemps.es/cima/pdfs/es/p/74097/74097_p.pdf>. Acesso em 28 mar 2019
  • FINTELMANN Volker et al. Manual de Fitoterapia. 11º. Alemanha: Guanabara, 2006. 101.
Mostrar bibliografia completa
  • COSTA Eronita. Nutrição & Fitoterapia. 2º. Brasil: Vozes Ltda, 2011. 103-104.
Revisão clínica:
Tatiana Zanin
Nutricionista
Formada pela Universidade Católica de Santos em 2001, com registro profissional no CRN-3 nº 15097.