Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é câmara hiperbárica, para que serve e como funciona

Atualizado em Outubro 2019

A câmara hiperbárica, também conhecida como oxigenoterapia hiperbárica, é um tratamento baseado na respiração de oxigênio em grande quantidade em um local com pressão atmosférica mais elevada do que no ambiente normal. Quando isto acontece, o corpo absorve mais oxigênio para os pulmões e ajuda a melhorar a circulação sanguínea estimulando o crescimento de células saudáveis e combatendo bactérias. 

Existem dois tipos de câmara hiperbárica, sendo uma para uso exclusivo de uma pessoa e a outra funciona para uso de várias pessoas ao mesmo tempo. Estas câmaras são encontradas em clínicas particulares e estão disponíveis em hospitais do SUS em algumas situações, como por exemplo, para tratamento de pé diabético.

É importante saber que este tipo de procedimento ainda não tem comprovação científica e nem estudos suficientes que apontam cura de doenças como diabetes, câncer ou autismo, porém alguns médicos podem sugerir este tipo de tratamento quando outros tratamentos não apresentam resultados esperados. 

O que é câmara hiperbárica, para que serve e como funciona

Para que serve

Os tecidos do corpo necessitam de oxigênio para funcionarem corretamente e, quando ocorre uma lesão em alguns destes tecidos, é preciso mais oxigênio para reparação. A câmara hiperbárica oferece mais oxigênio nestas situações em que o corpo precisa se restabelecer de alguma lesão, melhorando a cicatrização e combatendo infecções.

Desta forma, pode ser usada para tratar várias doenças como por exemplo: 

  • Feridas que não cicatrizam, como pé diabético;
  • Anemia grave;
  • Embolia pulmonar; 
  • Queimaduras; 
  • Envenenamento por monóxido de carbono;
  • Abscesso cerebral;
  • Lesões causadas por radiação;
  • Doença de descompressão;
  • Gangrena. 

Este tipo de tratamento é prescrito pelo médico em conjunto com outros medicamentos e por isso é importante não abandonar o tratamento convencional. Além disso, a duração do tratamento com a câmara hiperbárica depende da extensão das feridas e da gravidade da doença, mas o médico pode recomendar até 30 sessões desta terapia. 

Como é feita

O tratamento por meio de câmara hiperbárica pode ser indicado por qualquer médico e pode ser realizado em um hospital ou clínica. Os hospitais e clínicas podem ter diferentes aparelhos de câmera hiperbárica e o oxigênio pode ser em administrado através de máscaras ou capacetes apropriados ou diretamente no espaço da câmara de ar.

Para realizar a sessão da câmara hiperbárica a pessoa fica deitada ou sentada respirando profundamente durante 2 horas sendo que médico pode indicar mais de uma sessão dependendo da doença a ser tratada. 

Durante a terapia dentro da câmara hiperbárica é possível sentir pressão no ouvido, como acontece dentro do avião, para isso é importante fazer movimento de mastigação para melhorar essa sensação. E ainda, é importante avisar o médico caso tenha claustrofobia, pois por causa da duração da sessão pode acontecer fadiga e mal estar. Entenda o que é claustrofobia

Além disso, para realização deste tipo de terapia é preciso alguns cuidados e não levar nenhum produto inflamável para dentro da câmara como por exemplo, isqueiros, dispositivos com bateria, desodorantes ou produtos à base de óleo.

Possíveis efeitos colaterais 

O tratamento através da câmara hiperbárica tem poucos riscos para saúde.

Em alguns casos mais raros, a realização da câmara hiperbárica pode provocar convulsões devido a quantidade elevada de oxigênio no cérebro. Outros efeitos colaterais podem ser ruptura no tímpano, problemas de visão e pneumotórax que é a entrada de oxigênio na parte externa do pulmão. 

É necessário avisar o médico caso surja desconforto durante, ou até mesmo, depois da realização da câmara hiperbárica.

Quem não deve usar

A câmara hiperbárica é contra-indicada em alguns casos como, por exemplo, em pessoas que passaram por uma cirurgia recente na orelha, que estão resfriadas ou com febre. E ainda, pessoas com outros tipos de doenças pulmonares como asma e DPOC devem informar o médico, pois têm maior devido risco de pneumotórax. 

Também é importante comunicar o médico sobre o uso de medicamentos contínuos, pois podem influenciar o tratamento com câmara hiperbárica. Por exemplo, o uso de medicamentos feitos durante a quimioterapia pode gerar complicações, desta forma o uso da câmara hiperbárica deve ser sempre avaliado pelo médico. 

Bibliografia >

  • HOPKINS MEDICINE. Hyperbaric Oxygen Therapy . Disponível em: <https://www.hopkinsmedicine.org/health/treatment-tests-and-therapies/hyperbaric-oxygen-therapy>. Acesso em 14 Out 2019
  • HEALTH LINE. Speeding Healing: Hyperbaric Oxygen (HBO) Therapy. Disponível em: <https://www.healthline.com/health/hyperbaric-oxygen-therapy#risks>. Acesso em 14 Out 2019
  • FOOD AND DRUG ADMINISTRATION. Hyperbaric Oxygen Therapy: Don't Be Misled. Disponível em: <https://www.fda.gov/consumers/consumer-updates/hyperbaric-oxygen-therapy-dont-be-misled>. Acesso em 14 Out 2019
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE MEDICINA HIPERBÁRICA . Medicina Hiperbárica: o que é?. Disponível em: <https://sbmh.com.br/medicina-hiperbarica/o-que-e/>. Acesso em 14 Out 2019
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade

LIVE | Saúde da Prostata

A Tatiana e o Manuel vão estar te esperando num encontro informal para falar tudo sobre problemas na próstata.

A sua presença vai fazer o evento ser mais especial.

Se inscreva e receba uma notificação quando começar, para não perder nenhum minuto.

Inscreva-se
* Não perca a oportunidade de fazer perguntas e participar deste momento em homenagem ao Novembro Azul.

Estamos ao vivo agora! Vem falar com a gente!

A Tati e o Manuel falam sobre problemas na próstata, o preconceito dos homens a respeito do exame de toque retal, e até sobre impotência sexual, que pode ser um complicação da detecção tardia desse tipo câncer.

Participe agora
* Vamos responder todas as perguntas que chegarem, sem tabus. Estamos te esperando!
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem