Bolinhas na língua: o que pode ser (e o que fazer)

Atualizado em fevereiro 2024

A presença de bolinhas na língua geralmente acontece devido ao consumo de alimentos muito quentes ou ácidos, que acabam irritando as papilas gustativas. Mas também pode surgir devido a uma mordida na língua, causando dor e desconforto para falar e mastigar, por exemplo.

Essas bolinhas normalmente desaparecem espontaneamente depois de um tempo. No entanto, as bolinhas na língua também podem ser sinal de um problema mais sério, como uma infecção por HPV ou até mesmo câncer de boca.

O ideal é que, caso as bolinhas se mantenham por muito tempo ou se surgirem acompanhadas de outros sintomas, como vermelhidão intensa, dor ou febre, por exemplo, deve-se consultar um clínico geral ou dentista, para identificar a causa e iniciar o tratamento adequado.

Imagem ilustrativa número 1

O que pode ser bolinhas na língua

As principais causas de bolinhas na língua são:

1. Inflamação ou irritação das papilas gustativas

As papilas gustativas são pequenas estruturas presentes na língua responsáveis pelo paladar. No entanto, devido à ansiedade, consumo de alimentos muito ácidos ou quentes ou uso de cigarro, por exemplo, pode haver inflamação ou irritação dessas papilas, o que resulta no aparecimento de bolinhas vermelhas na língua, diminuição do paladar e, as vezes, dor ao escovar os dentes.

O que fazer: no caso das bolinhas vermelhas na língua representarem inflamação ou irritação das papilas gustativas, é importante ir ao médico para que sejam evitadas possíveis infecções, e também evitar o consumo de alimentos que possam piorar essa situação, como abacaxi, kiwi ou café quente, por exemplo.

Não ignore os seus sintomas!

Priorize sua saúde. Descubra a causa dos seus sintomas e receba o cuidado que precisa.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

2. Aftas

As aftas são pequenas bolinhas ulceradas planas que podem surgir em qualquer lugar da boca, incluindo a língua, e que podem causar desconforto para comer e falar.

As aftas podem surgir devido a diversas situações, como aumento do pH da boca devido à má digestão, mordida na língua, estresse, uso de aparelhos dentários e deficiência de vitaminas. Saiba mais sobre as aftas na língua.

O que fazer: as aftas normalmente desaparecem em alguns dias, no entanto, caso sejam grandes ou não cicatrizem, é recomendado ir ao médico para que se possa ser investigado e estabelecido o melhor tratamento. Veja algumas dicas para acabar com as aftas rapidamente.

3. Candidíase oral

A candidíase oral, também conhecida por sapinho, é uma doença causada pelo aumento da proliferação do fungo  na boca, levando à formação de placas e bolinhas esbranquiçadas na garganta e na língua.

Essa infecção é mais comum em bebês, devido ao pouco desenvolvimento do sistema imune e falta de higienização da boca após as mamadas, e em adultos que possuem o sistema imunológico comprometido. Saiba como identificar e tratar a candidíase oral.

O que fazer: ao notar a presença de placas esbranquiçadas na boca é importante ir ao médico para que possa ser iniciado o tratamento, que normalmente e feito com antifúngicos, como por exemplo a Nistatina ou Miconazol. Além disso, é importante realizar corretamente a higienização bucal. Confira como escovar os dentes corretamente.

4. Clamídia oral

A clamídia é uma doença infecciosa transmitida através da relação sexual genital, anal ou oral desprotegida. Apesar da clamídia oral não ser transmitida por meio de contatos casuais, como beijos ou compartilhamento de copos, por exemplo, pode ser facilmente transmitida por meio da relação sexual oral quando o parceiro (a) está infectado. 

As bolinhas na língua causadas pela clamídia não costumam doer e normalmente são acompanhadas por outros sintomas como vermelhidão na boca, pontinhos brancos e dor na garganta.

O que fazer: caso surjam sintomas após o sexo oral, é importante que o médico seja consultado para que seja feita uma avaliação e indicado o melhor tratamento, que pode envolver o uso de antibióticos. Veja mais sobre a clamídia.

5. HPV

O HPV é uma doença sexualmente transmissível cuja manifestação clínica mais comum é o aparecimento de verrugas na região genital. No entanto, a infecção pelo HPV pode levar ao aparecimento de feridas ou bolinhas na parte lateral da língua, lábios e céu da boca.

As feridas na boca podem ter o mesmo tom da pele ou possuírem cor vermelha ou branca, podendo ser semelhante à afta. Saiba mais sobre o HPV na boca.

O que fazer: ao serem identificados os primeiros sintomas do HPV, é importante ir ao médico para que possa ser iniciado o tratamento, que é feito com o uso de pomadas específicas que devem ser usadas diariamente de acordo com a orientação médica. Veja como é feito o tratamento para HPV.

6. Câncer de boca

Um dos sintomas do câncer de boca é o aparecimento de bolinhas na língua, semelhantes à afta, que doem, sangram e crescem ao longo do tempo.

Além disso, podem ser ser observados manchas vermelhas ou brancas na garganta, gengiva ou língua e pequenas feridas superficiais, o que pode dificultar a mastigação e a fala da pessoa. Conheça outros sintomas do câncer de boca.

O que fazer: caso os sintomas não desapareçam em 15 dias, é importante consultar um clínico geral ou um dentista para que se possa fazer o diagnóstico e iniciar o tratamento, que nesse caso é feito com a remoção do tumor seguido de sessões de radio ou quimioterapia. Veja quais são as opções de tratamento para o câncer de boca.

7. Deficiência de vitamina B12

A deficiência de vitamina B12 pode provocar o aparecimento de bolinhas ulceradas na língua devido à diminuição da imunidade, o que provoca mudanças na mucosa da boca e nas células da língua.

As deficiência dessa vitamina também pode provocar outros sintomas como cansaço excessivo, palidez e fraqueza, além de também poder haver, em alguns casos, falta de ar, palpitação e alterações visuais. Veja como identificar a deficiência de vitamina B12.

O que fazer: em caso de suspeita de deficiência de vitamina B12, é importante que o médico seja consultado para que seja feita uma avaliação e sejam indicados exames que ajudem a identificar a deficiência de vitamina B12 e a causa. De forma geral, o tratamento é feito por meio da aplicação de injeção intramuscular de vitamina B12.

8. Papilite lingual transitória

A papilite lingual transitória é uma inflamação das papilas da língua, que causa sintomas como bolinhas dolorosas na língua, únicas ou múltiplas, que podem surgir bordas laterais, ponta da língua ou superfície dorsal.

Outros sintomas que podem surgir são sensação de queimação ou formigamento, alterações no paladar ou boca seca, sendo causada por traumas na língua, alergias alimentares, alterações hormonais, ou infecções por vírus, por exemplo. 

O que fazer: geralmente, os sintomas desaparecem em algumas horas ou 2 a 3 dias, não sendo necessário tratamento. No entanto, deve-se consultar o clínico geral, dentista ou pediatra, se os sintomas forem intensos, surgirem com frequência ou demorarem para desaparecer, e assim ser indicado o tratamento mais adequado, que pode ser feito com uso de analgésicos, como paracetamol, ou enxaguantes bucais antissépticos. Veja todas as opções de tratamento para a papilite lingual transitória.

9. Herpes na língua

Apesar de ser uma situação pouco comum, o herpes pode se desenvolver na língua, causando o aparecimento de úlceras com bordas vermelhas ou bolhas com líquido na superfície, provocando dor e mal estar, além de inchaço. O herpes na língua é contagioso e pode ser transmitido através da saliva.

O que fazer: de forma geral, o herpes na língua não requer tratamento, pois o sistema imune é capaz de combater o vírus sozinho. No entanto, existem alguns medicamentos antivirais, como o aciclovir e o valaciclovir, que podem ser indicados pelo médico para acelerar a cura.

10. Sífilis

Quando a sífilis é transmitida por meio da relação sexual oral, é possível que no início da doença apareça uma bolinha na ponta da língua, conhecida como cancro, que possui um centro mais claro, bordas elevadas e duras.

O que fazer: é importante consultar o urologista ou ginecologista para que seja indicado o tratamento mais adequado, que pode ser feito com injeção de penicilina, um antibiótico cuja dose e frequência de aplicação deve ser indicada pelo médico.