Bisoprolol: para que serve e como tomar

Atualizado em dezembro 2023

Bisoprolol é um anti-hipertensivo indicado para o tratamento de insuficiência cardíaca crônica estável, pressão alta ou angina pectoris, pois age diminuindo a resistência dos vasos sanguíneos, a frequência cardíaca e melhora a circulação.

Esse remédio pode ser encontrado na forma de comprimidos de 1,25 mg, 2,5 mg, 5 mg e 10 mg, como genérico "hemifumarato de bisoprolol" ou com os nomes comerciais Concor, Iccor ou Concardio, por exemplo.

O bisoprolol deve ser usado com indicação do cardiologista e com acompanhamento médico regular para avaliar a eficácia do tratamento e surgimento de efeitos colaterais, sendo vendido mediante apresentação de receita médica.

Imagem ilustrativa número 1

Para que serve

O hemifumarato de bisoprolol é indicado para:

  • Pressão alta;
  • Doença cardíaca coronariana (angina pectoris);
  • Insuficiência cardíaca crônica estável, com função ventricular sistólica esquerda reduzida.

O uso do bisoprolol deve ser feito com indicação do cardiologista, com consultas médicas regulares para avaliar a eficácia do tratamento e o surgimento de efeitos colaterais.

Receba um tratamento mais completo!

Obtenha orientação especializada sobre o que tomar para se recuperar mais rápido.

Marcar consulta

Disponível em: São Paulo, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Pará, Paraná, Sergipe e Ceará.

Como tomar

O bisoprolol deve ser tomado por via oral, com um copo de água, 1 vez por dia, antes, durante ou após o café da manhã.

As doses do bisoprolol para adultos variam de acordo com a condição a ser tratada e inclui:

  • Pressão alta ou angina pectoris: a dose recomendada é de 5 mg de bisoprolol, 1 vez por dia. Essa dose pode ser aumentada pelo médico para 10 mg, 1 vez por dia, de acordo com a frequência cardíaca e resposta ao tratamento. A dose máxima diária não deve ultrapassar 20 mg por dia;
  • Insuficiência cardíaca crônica estável: a dose inicial recomendada é de 1,25 mg de bisoprolol, 1 vez por dia. Essa dose pode ser aumentada pelo médico para a 2,5 mg, 3,75 mg, 5 mg, 7,5 mg e 10 mg, 1 vez por dia, de acordo com a tolerância e resposta ao tratamento. Essas mudanças de dose devem ser feitas de forma gradual ao longo de 12 semanas, conforme indicação médica.

Durante o tratamento dom o bisoprolol o médico deve monitorar a pressão arterial e a frequência cardíaca, a resposta ao tratamento e o surgimento de efeitos colaterais, de forma a realizar ajustes de dose.

O tratamento com o bisoprolol não deve ser interrompido por conta própria pois pode levar a uma piora da condição sendo tratada.

Possíveis efeitos colaterais 

Os efeitos colaterais mais comuns do hemifumarato de bisoprolol são batimentos cardíacos lentos, tontura, dor de cabeça, náusea, vômitos, diarreia ou prisão de ventre.

Além disso, também podem surgir sensação de frio ou dormência nas mãos ou pés, pressão baixa, fraqueza muscular ou cansaço excessivo.

Quem não deve usar

O bisoprolol não deve ser usado por crianças, mulheres grávidas ou em amamentação, ou por pessoas que tenham alergia ao hemifumarato de bisoprolol ou qualquer outro componente da fórmula.

Além disso, esse remédio não deve ser usado nos casos de insuficiência cardíaca aguda, choque cardiogênico, bradicardia ou hipotensão sintomáticas, acidose metabólica, asma brônquica grave, bloqueio sinoatrial, síndrome do nó sinusal ou feocromocitoma não tratado, por exemplo.