Cromoterapia: o que é, benefícios e como é feita

Revisão clínica: Manuel Reis
Enfermeiro
dezembro 2021

A cromoterapia é um tipo de tratamento complementar que utiliza ondas emitidas pelas cores como o amarelo, vermelho, azul, verde ou laranja, atuando em células do corpo e melhorando o equilíbrio entre o corpo e a mente, podendo gerar sensação de bem-estar e até aliviar sintomas de algumas doenças como pressão alta ou depressão, por exemplo. 

Nesta terapia, cada cor apresenta uma função terapêutica diferente e pode ser aplicada com uma diversidade de instrumentos, como lâmpadas coloridas, roupas, alimentos, janelas coloridas ou água solarizada.

Este tipo de terapia não é aprovado pelo Conselho Federal de Medicina, pois não existem comprovações científicas da sua eficácia. No entanto, está aprovada e é oferecida pelo SUS, como parte do Programa Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC). É importante ressaltar que a cromoterapia não substitui o tratamento médico com remédios alopáticos, sem que haja conhecimento prévio do médico que o prescreveu.

Quais os benefícios

A cromoterapia é um tipo de tratamento que apresenta os seguintes benefícios:

  •  Alívio dos sintomas de determinada doença através de uma cor específica;
  •  Melhora do bem-estar físico e mental;
  •  Diminuição do cansaço físico;
  •  Diminuição dos transtornos do sono;
  •  Auxílio no tratamento de dores de cabeça;
  •  Estimulação do Sistema Nervoso Central.

Além disso, a cromoterapia, muitas vezes, é utilizada como tratamento complementar pois melhora o funcionamento do coração e, consequentemente, melhora a circulação sanguínea.

Para que serve

Devido aos seus benefícios, a cromoterapia pode ser utilizada para vários tipos de problemas de saúde como febre, insônia, diabetes, doenças psiquiátricas, hipertensão, transtorno afetivo sazonal, feridas e doenças articulares, porém deve ser usada como prática complementar, não devendo substituir o tratamento convencional indicado pelo médico.

Existem alguns casos em que a cromoterapia é bastante utilizada, como na aplicação de luz azul em recém-nascidos com icterícia e em pessoas que tenham feridas infectadas. Além disso, o uso da luz rosa pode auxiliar no tratamento de pessoas com depressão, pois ajuda a aumentar algumas substâncias que melhoram o humor, como serotonina. 

Como é feita

A cromoterapia é realizada através de aparelhos que emitem luz de diferentes cores, sendo que essa luz pode ser emitida diretamente na pele ou a pessoa pode ficar em contato com a luz dentro de uma sala fechada, podendo estar deitada ou sentada. 

A escolha da dor depende da indicação do terapeuta, sendo que as cores mais utilizadas são vermelho, laranja, amarelo, verde, azul e violeta. As cores vermelho, laranja e amarelo podem ser classificadas como quentes, que são estimulantes, enquanto que as cores verde, azul e violeta são chamadas cores frias e estão ligadas ao efeito calmante. Saiba mais qual o significado das cores na cromoterapia.

Onde fazer

A cromoterapia é conhecida como uma prática integrativa ou complementar, por isso deve ser realizada com autorização do médico, sendo que o tratamento convencional não deve ser abandonado. Este tipo de tratamento está disponível em postos de saúde, de algumas cidades, e podem ser oferecidos pelo SUS, mas para isso é necessário seguir o acompanhamento com o médico e enfermeiro de família.

Alguns hospitais e clínicas também disponibilizam o tratamento com a cromoterapia, porém é importante que seja realizado por profissionais e terapeutas treinados e capacitados neste tipo de prática.

Cuidados a ter 

Embora possua benefícios para a saúde, a cromoterapia pode ter efeitos indesejáveis se as cores não forem usadas de forma adequada ou se forem feitas por profissionais não habilitados.

Além disso, as cores de tons vermelho e laranja não devem ser usadas por pessoas com febre ou que estejam muito nervosas, pois essas cores podem intensificar estes sintomas, assim como, pessoas que sofram de gota não devem usar cores azul e violeta por provocar sensação de piora dos sintomas da doença.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em dezembro de 2021. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em dezembro de 2021.

Bibliografia

  • AZEEMI, S. T. Y.; RAZA, S. M. A Critical Analysis of Chromotherapy and Its Scientific Evolution. Evid Based Complement Alternat Med. 2. 4; 481–488, 2005
  • MINISTÉRIO DA SAÚDE. Práticas Integrativas e Complementares (PICS): quais são e para que servem. 2019. Disponível em: <http://saude.gov.br/saude-de-a-z/praticas-integrativas-e-complementares>. Acesso em 05 nov 2019
Mostrar bibliografia completa
  • AZEEMI, Samina T. The mechanistic basis of chromotherapy: Current knowledge and future perspectives. Complementary Therapies in Medicine. Vol. 46. 217-222, 2019
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.