Bebê mexendo pouco na barriga: quando se preocupar?

julho 2022

A diminuição dos movimentos do bebê é preocupante quando ocorrem menos de 4 movimentos por hora, principalmente em mulheres com histórico de pressão alta, diabetes, problemas na placenta, alterações no útero ou uso de substâncias como álcool ou cigarro.

Os movimentos fetais podem começar a ser sentidos a partir da 16ª semana de gestação, mas existem mulheres que podem sentir os movimentos mais tarde, por volta das 22 semanas, dependendo se é a primeira gestação e da localização da placenta. Porém, a contagem dos movimentos só costuma ser fácil a partir da 28ª semana de gravidez. Entenda quando é normal começar a sentir o bebê mexer.

Quando o bebê apresenta uma diminuição acentuada no número de movimentos é muito importante consultar o obstetra, já que pode indicar que o bebê está recebendo menos oxigênio, sendo necessário identificar a causa e iniciar o tratamento adequado.

Como contar os movimentos fetais

A contagem dos movimentos deve ser feita sempre num período do dia em que o bebê está mais ativo, normalmente após uma refeição. Deve-se contar os movimentos feitos durante 1 hora, sendo a média normal entre 4 a 6 movimentos por hora, mas podendo chegar até 15 ou 20 movimentos por hora.

Outra maneira de fazer a contagem consiste em verificar quanto tempo o bebê leva para fazer 10 movimentos, devendo-se procurar ajuda médica se os 10 movimentos levarem mais de 2 horas para serem feitos.

Quando a diminuição dos movimentos não é preocupante

Algumas mulheres se acostumam com o bebê se mexendo na barriga e, por isso, ao fim de algum tempo podem deixar de notar seus movimentos, o que pode ser confundido com diminuição dos movimentos fetais.

Além disso, o jejum e a desidratação também podem resultar em diminuição dos movimentos fetais, sendo, por isso, recomendado que a grávida se alimente e hidrate muito bem durante o dia.

De qualquer, sempre que existir suspeita de diminuição dos movimentos fetais é muito importante consultar o obstetra.

Como estimular o bebê a se mexer

Alguns truques que podem ser usados para estimular o bebê a se mexer são:

  • Tomar líquidos bem gelados;
  • Caminhar;
  • Conversar com o bebê e mexer na barriga com as mãos;
  • Comer um alimento doce;
  • Deitar com as penas para cima, apoiadas em almofadas ou na cabeceira da cama, e relaxar.

A diminuição dos movimentos deve considerar o ritmo de cada criança, mas se o bebê não mexer após usar essas dicas durante 2 horas, deve-se conversar com o médico para receber novas orientações ou, se necessário, realizar exames para ver o bem estar do bebê.

Qual o perigo da diminuição de movimentos

A diminuição dos movimentos pode indicar que o feto está em sofrimento, com falta de oxigênio ou de nutrientes para manter seu desenvolvimento adequado. Se não for tratado rapidamente, o bebê pode entrar em sofrimento fetal, o que pode causar parto prematuro e danos no sistema nervoso do bebê, provocando problemas como distúrbios mentais ou epilepsia.

No entanto, se a gestação é acompanhada corretamente e todos os exames de pré-natal são realizados, qualquer problema no bem estar do bebê é identificado precocemente, facilitando seu tratamento. Além disso, é essencial tirar todas as dúvidas com o médico e procurar ajuda quando alterações forem notadas.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em julho de 2022.

Bibliografia

  • AUSTRALIAN FAMILY PHYSICIAN. Decreased fetal movements: a practical approach in a primary care setting. Disponível em: <https://www.racgp.org.au/afp/2014/november/decreased-fetal-movements-a-practical-approach-in-a-primary-care-setting/#:~:text=Multiple%20factors%20can%20decrease%20perception,gestation)%2C%20smoking%20and%20nulliparity.>. Acesso em 17 dez 2020
  • ROYAL COLLEGE OF OBSTETRICIANS & GYNAECOLOGISTS. Reduced Fetal Movements. 2014. Disponível em: <https://www.rcog.org.uk/globalassets/documents/guidelines/gtg_57.pdf>. Acesso em 17 dez 2020
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.