Tomar anticoncepcional na gravidez causa aborto?

julho 2022

O uso de anticoncepcionais orais ou injetáveis no início da gravidez geralmente não prejudica o desenvolvimento do bebê, por isso, se a mulher ainda estava usando o anticoncepcional durante as primeiras semanas de gestação, quando ainda não sabia que estava grávida, deve apenas avisar o médico e não voltar a usar o anticoncepcional até o final da gravidez. 

Tomar o anticoncepcional durante a gravidez também normalmente não causa aborto, mas se a mulher estava usando uma pílula ao engravidar que possui apenas progestágenos, comumente chamada de mini pílula, há um risco maior de gravidez ectópica, um tipo de gestação que se desenvolve nas trompas de Falópio. Esta é uma situação grave, que requer tratamento imediato e que pode colocar em risco a vida da mãe e do bebê. Saiba como reconhecer e quais são as causas da gravidez ectópica.

O que pode acontecer com o bebê

O uso de anticoncepcionais orais ou a injeção de anticoncepcional somente nas primeiras semanas de gestação, no período em que ainda não se sabe da gravidez, geralmente não apresenta riscos para o bebê. No entanto, embora seja pouco provável, existem suspeitas de que o bebê possa nascer com baixo peso, prematuro ou com malformações como gastrosquise e síndrome do coração esquerdo hipoplásico.

Já, o uso prolongado do anticoncepcional, tanto o oral quanto a injeção, durante a gravidez pode ser prejudicial porque os hormônios presentes nestes medicamentos, que são estrogênio e progesterona, também podem afetar a formação dos órgãos sexuais do bebê e causar defeitos no trato urinário, no entanto estas alterações raramente acontecem.

De qualquer forma, é importante que o ginecologista e o obstetra sejam consultados para que seja feita a avaliação do estado geral de saúde da mulher e se há algum efeito do uso do anticoncepcional no desenvolvimento do bebê.

O que fazer se desconfiar que está grávida

Se a mulher suspeita que possa estar grávida, deve parar imediatamente o uso do anticoncepcional e fazer um teste de gravidez, que se pode comprar na farmácia. Se a gravidez for confirmada, a mulher deverá iniciar as consultas de pré-natal, e se não estiver grávida poderá usar outro método de proteção à gravidez indesejada, como a camisinha, e depois da descida da menstruação poderá iniciar uma nova cartela da pílula.

Se não tiver interrompido a cartela antes de verificar que não está grávida, poderá continuar tomando as pílulas normalmente.

Saiba reconhecer os 10 primeiros sintomas de gravidez e faça nosso teste online para saber se está grávida.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em julho de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • THORPE, Phoebe G. et al. Medications in the first trimester of pregnancy: most common exposures and critical gaps in understanding fetal risk. Pharmacoepidemiology & Drug Safety. Vol.22, n.9. 1013-1018, 2013
  • COLVIN, Lyn et al. Linking a pharmaceutical claims database with a birth defects registry to investigate birth defect rates of suspected teratogens. Pharmacoepidemiology & Drug Safety. Vol.19, n.11. 1137-1150, 2010
Mostrar bibliografia completa
  • AYKAN, Duygun A; ERGUN, Yusuf. Hormonal Contraceptives: What if Exposed During Pregnancy?. Erciyes Med. Vol.41, n.1. 50–55, 2019
  • CALLANHAN, Rebecca et al. Ectopic pregnancy with use of progestin-only injectables and contraceptive implants: a systematic review. Contraception. Vol.92, n.6. 514-522, 2015
  • COSTA, Débora B. et al. Utilização de medicamentos antes e durante a gestação: prevalência e fatores associados. Cad. Saúde Pública. Vol.33(2). 1-14, 2017
  • WALLER, Dorothy et. al.. Use of oral contraceptives in pregnancy and major structural birth defects in offspring. Epidemiology. Vol.21(2). 232-239, 2010
  • CHARLTON, Brittany M. et al. Maternal use of oral contraceptives and risk of birth defects in Denmark: prospective, nationwide cohort study. BMJ. Vol.352(h6712). 1-8, 2016
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.