Somos REDE D'OR
icon de informação icon de telefone 3003-3230
Número disponível apenas em território brasileiro, com custo de chamada local.

É possível engravidar tomando anticoncepcional?

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
novembro 2022

Embora o risco seja pequeno, é possível engravidar tomando anticoncepcional. Quando tomado corretamente, o risco de gravidez é menor do que 1 para cada 100 mulheres no primeiro ano de uso.

As pílulas anticoncepcionais contêm hormônios que agem impedindo a ovulação e, por isso, evitam uma gravidez. No entanto, caso a mulher esqueça de tomar o anticoncepcional ou use certos medicamentos, como alguns antibióticos e anticonvulsivantes, por exemplo, o efeito da pílula pode ficar prejudicado, aumentando o risco de engravidar.

Por isso, é importante consultar um ginecologista antes de iniciar o uso de qualquer anticoncepcional para que seja indicado o melhor método para cada mulher. Além disso, caso exista suspeita de gravidez, mesmo tomando anticoncepcional, é recomendado fazer um teste de gravidez. Veja como e quando fazer o teste de gravidez de farmácia.

Imagem ilustrativa número 1

O que aumenta o risco de engravidar

O risco de engravidar tomando anticoncepcional aumenta em caso de:

1. Esquecer de tomar um dia

Esquecer de tomar a pílula anticoncepcional um dia pode aumentar as chances de engravidar porque os níveis de hormônio no corpo podem variar, aumentando o risco de ovular. 

O que fazer: caso a mulher esqueça de tomar um comprimido, é indicado tomá-lo assim que lembrar e depois tomar o próximo comprimido no horário habitual. Além disso, pode ser indicado usar um método contraceptivo adicional, como a camisinha, por exemplo, durante os próximos 7 dias. Saiba o que fazer se esquecer de tomar o anticoncepcional.

2. Não tomar no horário certo

É importante tomar o anticoncepcional sempre no mesmo horário para não ocorrer variação dos níveis de hormônios no corpo, que podem aumentar o risco de ovular e as chances de engravidar.

O que fazer: algumas dicas para tomar no horário certo são colocar um relógio para despertar, um lembrete no celular ou criar o hábito de tomar a pílula com uma atividade diária específica, como durante o almoço ou jantar, por exemplo.

Além disso, caso se esqueça de tomar o anticoncepcional no mesmo horário todos os dias, pode ser indicado usar um método contraceptivo adicional pelos próximos 7 dias.

3. Ter episódios de diarreia ou vômito

Ter episódios de diarreia ou vômito nas 3 a 4 horas após tomar a pílula anticoncepcional ou por mais de 48 horas, pode reduzir a absorção da pílula, aumentando o risco de engravidar. 

O que fazer: se o anticoncepcional for apenas de progesterona e os vômitos ou diarreia ocorrerem dentro de 3 horas após tomar o medicamento, é indicado tomar outro comprimido assim que possível. Além disso, deve-se continuar tomando o anticoncepcional nos horários habituais e usar outro método contraceptivo até 2 dias após a melhora dos sintomas. 

Já os anticoncepcionais de estrogênio e progesterona na composição, em caso de vômitos ou diarreia normalmente é indicado continuar tomando o medicamento nos horários habituais. Além disso, caso os sintomas durem mais de 48 horas, é indicado usar outro método contraceptivo até ficar sem vômitos ou diarreia por 7 dias seguidos.

4. Esquecer de tomar várias vezes

Esquecer de tomar a pílula anticoncepcional várias vezes durante o mês não permite um efeito contraceptivo eficaz, aumentando muito o risco de gravidez. 

O que fazer: é importante usar outro método contraceptivo, como a camisinha, por exemplo, durante todo o uso da cartela do anticoncepcional até iniciar uma nova.

Além disso, é importante consultar o ginecologista sobre a possibilidade de trocar o anticoncepcional por outros métodos, como injeção anticoncepcional, adesivo hormonal, e DIU, por exemplo, que não dependem de lembrar diariamente.

5. Trocar de anticoncepcional

É importante ter cuidado ao trocar de anticoncepcional porque cada um tem suas características e forma de uso. Além disso, a troca pode afetar os níveis de hormônio no corpo, aumentando o risco de uma ovulação.

O que fazer: é importante consultar o ginecologista para trocar de anticoncepcional com segurança, além disso, geralmente é aconselhado usar camisinha nas 2 primeiras semanas quando se troca de anticoncepcional. Veja como trocar de anticoncepcional sem correr o risco de engravidar.

6. Usar outros remédios

Alguns antibióticos, como rifampicina e rifapentina, e certos anticonvulsivantes, como fenobarbital, carbamazepina e topiramato, podem interferir na eficácia dos anticoncepcionais reduzindo ou cortando seu efeito.

O que fazer: é recomendado conversar com o médico responsável pelo tratamento para evitar interações que interfiram no uso dos anticoncepcionais. Além disso, em alguns casos pode ser indicado o uso de outros métodos contraceptivos. 

7. Tomar bebidas alcoólicas

O álcool não interfere diretamente nos anticoncepcionais orais, no entanto, quando se bebe ocorre um risco maior de esquecimento de tomar a pílula, o que pode reduzir sua eficácia e aumentar o risco de uma gravidez indesejada.

Além disso, no caso de beber muito antes de tomar o anticoncepcional e vomitar até 3 ou 4 horas depois de tomar a pílula, pode reduzir a eficácia do anticoncepcional.

O que fazer: é indicado evitar o consumo excessivo de álcool ao fazer uso de anticoncepcionais orais, para não se esquecer de usar o medicamentos nos horários certos e evitar sintomas como náusea e vômitos, que podem interferir no efeito do anticoncepcional.

8. Não guardar o anticoncepcional corretamente

É importante manter a pílula na embalagem original, na temperatura correta e longe de umidade para garantir que os comprimidos não sofram alterações que possam reduzir sua eficácia e aumentar o risco de engravidar.

O que fazer: antes de usar a pílula, é importante observar o aspecto do comprimido e, se existir alguma alteração de cor ou cheiro, esfarelar ou parecer molhado, não utilizar o comprimido. Nestes casos, é importante comprar outra cartela de anticoncepcional.

É possível engravidar tomando a pílula e amamentando?

Embora o risco de engravidar seja muito pequeno, ainda assim é possível engravidar tomando a pílula e amamentando. Este risco tende a ser maior após os primeiros 6 meses depois do parto, quando a amamentação não é a única fonte de alimento para o bebê e quando a menstruação volta.

Além disso, caso a pílula não seja tomada corretamente ou a mulher use medicamentos como alguns antibióticos e anticonvulsivantes, por exemplo, seu efeito pode ser prejudicado. Veja quais os antibióticos que cortam o efeito do anticoncepcional.

Qual a chance de engravidar tomando anticoncepcional?

Quando tomado corretamente, a chance de engravidar tomando anticoncepcional é menor do que 1% no primeiro ano. Isso significa que menos de 1 mulher em cada 100 tem um risco reduzido de engravidar no primeiro ano após começar a tomar o anticoncepcional. 

Já quando utilizado incorretamente, este risco pode aumentar para 9 mulheres em cada 100.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em novembro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em janeiro de 2021.

Bibliografia

  • CDC. Progestin-Only Pills. Disponível em: <https://www.cdc.gov/reproductivehealth/contraception/mmwr/spr/progestin.html#vomit>. Acesso em 21 nov 2022
  • STATPEARLS. Oral Contraceptive Pills. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK430882/>. Acesso em 21 nov 2022
Mostrar bibliografia completa
  • CALIK-KSEPKA, Anna et al. Lactational Amenorrhea: Neuroendocrine Pathways Controlling Fertility and Bone Turnover. International Journal of Molecular Sciences. Vol.2022, n.23. 1633, 2022
  • CDC. Combined Hormonal Contraceptives. Disponível em: <https://www.cdc.gov/reproductivehealth/contraception/mmwr/spr/combined.html#fig5>. Acesso em 21 nov 2022
  • WEBMD. Birth Control Pills. Disponível em: <https://www.webmd.com/sex/birth-control/birth-control-pills>. Acesso em 29 dez 2020
  • NATIONAL HEALTH SERVICE (ENGLAND). How effective is contraception at preventing pregnancy?. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/contraception/how-effective-contraception/>. Acesso em 29 dez 2020
  • COLQUITT, Charlie W.; MARTIN, Tonya S. Contraceptive Methods: A Review of Nonbarrier and Barrier Products. J Pharm Pract. 30. 1; 130-135, 2017
  • WOODHAMS, Elisabeth J. W.; GILLIAM, Melissa. Contraception. Ann Intern Med. 170. 3; ITC18-ITC32, 2019
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.

Tuasaude no Youtube

  • CAMISINHA FEMININA: como colocar e o que não fazer

    07:35 | 154723 visualizações
  • O que fazer se esquecer de tomar a Pílula

    03:42 | 301807 visualizações