Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Alergia ao protetor solar: sintomas e o que fazer

A alergia ao protetor solar é uma reação alérgica que surge em função de alguma substância irritante presente no protetor solar, levando ao aparecimento de sintomas como vermelhidão, coceira e descamação da pele, podendo acontecer em adultos, crianças e, até mesmo, em bebês.

Assim que surgirem os primeiros sintomas, é importante que a pessoa lave toda a região que aplicou o protetor solar e passe um hidratante calmante para aliviar os sintomas da alergia. Além disso, pode ser recomendado pelo dermatologista ou alergologista o uso de medicamentos anti-histamínicos ou corticoides de acordo com a gravidade da reação alérgica.

Alergia ao protetor solar: sintomas e o que fazer

Sintomas da alergia ao protetor solar

Apesar de não ser muito frequente, algumas pessoas apresentam alergia a pelo menos uma das substâncias que constituem o protetor solar e é caracterizada pelo aparecimento de sintomas nas regiões em que o protetor foi aplicado, sendo os principais:

  • Coceira;
  • Vermelhidão;
  • Descamação e irritação;
  • Presença de manchas ou de bolinhas brancas ou avermelhadas.

Em casos mais graves e raros, a alergia ao protetor solar pode levar ao aparecimento de sintomas mais graves como dificuldade em respirar e sensação de algo preso na garganta, sendo importante que a pessoa vá imediatamente para o hospital para que esses sintomas sejam tratados.

O diagnóstico da alergia ao protetor solar pode ser feito através da observação dos sintomas que aparecem na pele após a aplicação do produto, não sendo necessário realizar nenhum teste ou exame específico. No entanto, o dermatologista pode indicar a realização de um teste de alergia com o objetivo de verificar se a pessoa possui algum tipo de reação às substâncias presentes no protetor solar, podendo, assim, indicar o protetor mais adequado.

Além disso, antes de usar um protetor solar do qual nunca fez uso, é recomendado aplicar o protetor em uma pequena região e deixar por algumas horas para verificar se houve o aparecimento de qualquer sinal ou sintoma de alergia.

O que fazer quando os primeiros sintomas aparecem

Assim que forem notados os primeiros sintomas de alergia, principalmente no bebê, é recomendado ligar ou levar o bebê ao pediatra para que o tratamento seja iniciado rapidamente. No caso de crianças e adultos, é recomendado que assim que surgirem os primeiros sinais e sintomas de alergia, os locais em que o protetor foi aplicado sejam lavados com água abundante e sabão com pH neutro. Após lavar, deve passar na pele produtos hipoalérgicos com agentes calmantes, como cremes ou loções com camomila, alfazema ou babosa por exemplo, para acalmar a irritação e manter a pele hidratada e cuidada.

Se após lavar e hidratar a pele, os sintomas não desaparecerem completamente após 2 horas ou se chegarem mesmo a piorar, é recomendado que consulte o médico dermatologista logo que possível para que este possa passar o tratamento recomendado para o seu caso.

Além disso, se os sintomas piorarem e se chegar a sentir dificuldade em respirar e sensação de algo preso na garganta, deve dirigir-se rapidamente para o pronto socorro, pois é sinal de que fez uma alergia grave ao protetor solar.

Tratamento da alergia ao protetor solar

O tratamento recomendado para a alergia ao protetor solar depende da gravidade dos sintomas apresentados e este pode ser feito com medicamentos anti-histamínicos como Loratadina ou Allegra por exemplo, ou com corticoides como a Betametasona, na forma de xarope ou comprimidos que servem para aliviar e tratar os sintomas da alergia. Além disso, para diminuir a vermelhidão e a coceira na pele o médico pode também recomendar passar pomadas anti-histamínicas como Polaramine em creme, que ajudam a diminuir a vermelhidão e coceira na pele.

A alergia ao protetor solar é um problema que não tem cura, porém existem algumas dicas e alternativas que podem ajudar proteger a pele de quem já teve alguma alergia, como:

  1. Testar outras marcas de filtro solar e experimentar usar protetor solar hipoalergênico;
  2. Não pegar sol nas horas de maior calor, entre as 10 horas e as 16 horas.
  3. Ir em lugares com muita sombra e passar o máximo tempo possível fora do sol;
  4. Vestir camisetas que protegem contra os raios solares e usar boné ou chapéu de aba larga;
  5. Comer mais alimentos ricos em betacaroteno, pois protegem a pele dos raios solares e prolongam o bronzeado.

Outra opção, é optar por usar o protetor solar que pode ser ingerido, que corresponde a um suco vitamínico que protege a pele dos danos causados pelos raios solares.

Todos estes cuidados são essenciais, pois ajudam a proteger a pele dos efeitos nocivos causados pelo sol, prevenindo o surgimento de manchas na pele ou câncer.

Como evitar a alergia ao protetor solar

Para evitar a alergia ao protetor solar, é importante fazer um pequeno teste antes de passar protetor em todo o corpo, sendo por isso recomendado que passe um pouco de protetor atrás das orelhas e que deixe atuar durante 12 horas sem lavar. Após esse tempo, se não tiver nenhuma reação, o protetor pode ser usado sem qualquer problema.

Assista o vídeo seguinte e esclareça todas as dúvidas sobre protetor solar:

Bibliografia >

  • ROMERO, Valéria et al. Reações adversas ocasionadas por uso de protetores solares. Surg Cosmet Dermatol. Vol 09. 1 ed; 41-45, 2017
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem