Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Alecrim: para que serve e como usar

Por conter propriedades digestivas, diuréticas e antidepressivas, o alecrim serve para auxiliar na digestão dos alimentos e no tratamento de dor de cabeça, depressão e ansiedade.

O seu nome científico é Rosmarinus officinalis e pode ser comprada em supermercados, lojas de produtos naturais, farmácias de manipulação e em algumas feiras livres.

Alecrim: para que serve e como usar

O Alecrim pode ser usado para:

1. Melhorar o sistema nervoso

O alecrim melhora o sistema nervoso e trás benefícios como melhorar a memória, a concentração e o raciocínio, e ajudar a prevenir e tratar problemas como depressão e ansiedade.

Essa erva ajuda inclusive a reduzir a perda de memória que ocorre naturalmente em idosos, podendo ser usada também na forma de aromaterapia para este fim.

Embora tenha vários benefícios para o sistema nervoso, o alecrim não deve ser utilizado por quem sofre com epilepsia, já que alguns estudos indicam que pode estimular o desenvolvimento de crises epiléticas.

2. Melhorar a digestão

O alecrim melhora a digestão e tem propriedades que reduzem a produção de gases e que aliviam problemas como azia, diarreia e constipação.

Além disso, por também ter propriedades antibacterianas, o alecrim também ajuda no tratamento da gastrite causada pela bactéria H. pylori.

Alecrim: para que serve e como usar

3. Atuar como antioxidante

O alecrim é rico em ácidos antioxidantes como ácido rosmarínico, ácido cafeico, ácido carnósico, o que ajuda a melhorar o sistema imunológico, prevenir infecções e melhorar a saúde da pele.

Além disso, os antioxidantes também previnem alterações maléficas nas células, como as que desencadeiam problemas como câncer.

4. Aliviar o estresse e a ansiedade

O alecrim é usado na aromaterapia para reduzir o estresse e a ansiedade juntamente com o óleo de lavanda, pois ele ajuda a reduzir a pressão arterial e a controlar os batimentos cardíacos, ajudando a trazer uma sensação de tranquilidade. Veja como fazer aromaterapia para ansiedade.

Alecrim: para que serve e como usar

5. Aliviar dores de artrite

O alecrim possui propriedade anti-inflamatórias e analgésicas, ajudando a aliviar dores de problemas como artrite, dor de cabeça, gota, dor de dente e problemas na pele.

Como usar o Alecrim

As partes usadas do alecrim são suas folhas, que podem ser usadas para temperar os alimentos e as flores para fazer chá e banhos.

  • Chá de Alecrim para problemas digestivos e inflamação da garganta: colocar 4 g de folhas numa xícara de água fervente e deixar repousar por 10 minutos. Depois coar e beber 3 xícaras por dia, após as refeições;
  • Banho de Alecrim para reumatismo: colocar 50 g de Alecrim em 1 litro de água fervente, tampar, deixar repousar por 30 minutos e coar. Depois utilizar esta água durante o banho.

  • Óleo essencial de alecrim: o óleo pode ser usado em tratamentos de aromaterapia, massagens ou banho com alecrim.

Além disso, o alecrim também pode ser utilizado no preparo de carnes ou batatas assadas, por exemplo.

Alecrim: para que serve e como usar

Efeitos colaterais e contraindicações

O consumo excessivo do alecrim, especialmente na forma de óleo concentrado, pode trazer problemas como náuseas, vômitos, irritação nos rins, sangramento no útero, vermelhidão na pele, aumento da sensibilidade ao sol e reações alérgicas.

Além disso, o seu uso como medicamento é contraindicado para mulheres grávidas e que estejam amamentando, para pessoas com histórico de convulsões e com dificuldades para coagular o sangue ou que usem medicamentos como aspirina.

No caso de pessoas com epilepsia, o alecrim deve ser usado com precaução, pois alguns estudos indicam que o óleo essencial, que também está presente no chá, pode desencadear crises epiléticas.

Esta informação foi útil?

Sua opinião é importante! Escreva aqui como podemos melhorar o nosso texto:

Ficou alguma dúvida? Clique aqui para ser respondido.
Verifique o email de confirmação que lhe enviamos.

Bibliografia

  • DE AQUINO Eronita. Nutrição & Fitoterapia: Tratamento alternativo através das plantas. 2º. Brasil: Vozes, 2011. 34-36.
  • MCINTYRE Anne. Guia completo de Fitoterapia. Brasil: Pensamento, 2010. 153.
  • FINTELMANN, Volker.; WEISS, Rudolf F. Manual de fitoterapia. 11ª edição. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. 193.
  • ANDRADE, Joana M. et al. Rosmarinus officinalis L.: an update review of its phytochemistry and biological activity. Future Sci OA. Vol.4(4). FSO283, 2018
  • BAHR, Tyler A. et al.. The Effects of Various Essential Oils on Epilepsy and Acute Seizure: A Systematic Review. Evidence-based Complementary and Alternative Medicine. Vol.2019. 2019
  • EPILEPSY SOCIETY. Complementary therapies. Disponível em: <https://epilepsysociety.org.uk/living-epilepsy/wellbeing/complementary-therapies>. Acesso em 15 Dez 2020
  • EUROPEAN MEDICINES AGENCY. Assessment report on Rosmarinus officinalis L., aetheroleum and Rosmarinus officinalis L., folium. 2010. Disponível em: <https://www.ema.europa.eu/en/documents/herbal-report/assessment-report-rosmarinus-officinalis-l-aetheroleum-rosmarinus-officinalis-l-folium_en.pdf>. Acesso em 15 Dez 2020
Mais sobre este assunto:

Carregando
...
Enviar Mensagem