Ácido bórico: para que serve, como usar e efeitos colaterais

setembro 2022

O ácido bórico é uma substância com ação antisséptica, antifúngica e adstringente, que ajuda a combater infecções causadas por bactérias ou fungos, como conjuntivite, dermatite e furúnculo.

Quando associado com outras substâncias, o ácido bórico pode ser indicado para tratar infecções vaginais recorrentes, como vaginose bacteriana e candidíase de repetição. Além disso, o ácido bórico também pode ser usado para a produção de cosméticos, enxaguatórios bucais, esmaltes e sabonetes.

No entanto, esse medicamento é tóxico e é contraindicado em algumas situações. Por isso, o ácido bórico só deve ser usado sob a orientação e acompanhamento de um médico.

Para que serve

O ácido bórico, encontrado especialmente na água boricada, é uma substância adstringente, antisséptica e fungicida, usada em medicamentos que são indicados para o tratamento de infecções causadas por bactérias ou fungos, como conjuntivite, dermatite e furúnculo.

Além disso, quando usado em associação com outros medicamentos, o ácido bórico na forma de óvulo vaginal, também ajuda a tratar infecções vaginais recorrentes, como vaginose bacteriana de repetição ou candidíase de repetição, e deve ser usado somente com indicação do ginecologista. Veja outros tratamentos indicados para candidíase de repetição.

Como usar

O modo de uso do ácido bórico varia de acordo com o local de aplicação e características do medicamento. Na forma de água boricada, o ácido bórico é geralmente usado aplicando-se algumas gotas da solução no algodão, ou gaze, e aplicando na pele ou nos olhos de 2 a 3 vezes ao dia, conforme orientação médica.

Para o tratamento de vaginose bacteriana e candidíase, o ácido bórico (associado a outras substâncias), pode ser encontrado da forma de creme vaginal, sendo geralmente indicado a aplicação 1 vez por dia entre 7 a 10 dias, ou em pó, indicado para banhos de assento de 1 a 2 vezes por dia. 

Já na forma de óvulo vaginal, é recomendada a aplicação de 1 óvulo vaginal, dentro do canal da vagina, à noite antes de deitar, pelo tempo de tratamento estabelecido pelo ginecologista. Durante o uso do óvulo vaginal de ácido bórico, é recomendado evitar o contato íntimo.

Possíveis efeitos colaterais

Os possíveis efeitos colaterais do ácido bórico incluem queimação e corrimento vaginal, ressecamento e irritação nos olhos, náuseas, vômitos, cólicas abdominais, diarreia com coloração azul/esverdeada, urticária, descamação da pele, queda de pressão arterial e sonolência.

Além disso, o ácido bórico na forma de óvulo vaginal pode aumentar o risco de outras infecções vaginais, especialmente quando utilizado de forma incorreta ou por tempo maior do que o indicado pelo ginecologista, pois causa alteração da flora vaginal.

Cuidados e quando não usar

O ácido bórico não é indicado para crianças. Além disso, o ácido bórico não pode ser aplicado em grandes áreas do corpo e na presença de lesões, como feridas ou queimaduras na pele e corte nos olhos, e não deve ser ingerido por via oral.

Além disso, o óvulo vaginal de ácido bórico não deve ser utilizado sem orientação médica, pois pode provocar um desequilíbrio da flora vaginal, e piorar a infecção recorrente ou ainda aumentar o risco de outras infecções vaginais.

O óvulo vaginal de ácido bórico também não deve ser usado por mulheres grávidas ou mulheres que apresentam feridas abertas na vagina.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa - Farmacêutica, em setembro de 2022.

Bibliografia

  • POWELL, A.; et al. Clinicians' Use of Intravaginal Boric Acid Maintenance Therapy for Recurrent Vulvovaginal Candidiasis and Bacterial Vaginosis. Sex Transm Dis. 46. 12; 810-812, 2019
  • MITTELSTAEDT, R.; et al. Data on Safety of Intravaginal Boric Acid Use in Pregnant and Nonpregnant Women: A Narrative Review. Sex Transm Dis. 48. 12; e241-e247, 2021
Mostrar bibliografia completa
  • HADRUP, N.; et al. Toxicity of boric acid, borax and other boron containing compounds: A review. Regul Toxicol Pharmacol. 121. 104873, 2021
  • LOPALCO, A.; et al. Boric Acid, a Lewis Acid With Unique and Unusual Properties: Formulation Implications. J Pharm Sci. 109. 8; 2375-2386, 2020
  • WEXLER, Philip. Encyclopedia of Toxicology: boric acid. 3.ed. Elsevier, 2014. 533-535.
  • LISTA DE MEDICAMENTOS DE BAIXO RISCO SUJEITOS À NOTIFICAÇÃO. Instrução normativa- IN nº 106 de 11 de novembro de 2021. 2021. Disponível em: <https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/instrucao-normativa-in-n-106-de-11-de-novembro-de-2021-359438409>. Acesso em 26 abr 2022
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.

Tuasaude no Youtube

  • Conjuntivite viral, alérgica ou bacteriana? Como tratar | com Dr. Arthur Frazão

    10:33 | 190077 visualizações
  • Como CURAR NATURALMENTE a candidíase

    06:24 | 1965628 visualizações