6 benefícios do parto normal

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
fevereiro 2022

O parto normal é a maneira mais natural para dar à luz e garante algumas vantagens em relação ao parto por cesárea, como menor tempo de recuperação da mulher após o parto e menor risco de infecção tanto da mulher quanto do bebê. Apesar do parto normal ser frequentemente relacionado à dor, há algumas técnicas que podem ajudar a aliviar a dor e o desconforto durante o parto como banho de imersão e massagens, por exemplo. Confira outras dicas para aliviar a dor do trabalho de parto.

Um dos passos mais importantes para conseguir ter um parto normal sem problemas é fazer todas as consultas de pré-natal, pois ajuda o médico a saber se existe algo que impeça o parto normal, como alguma infecção ou alteração no bebê, por exemplo.

O parto normal pode ter diversos benefícios tanto para a mãe quanto para o bebê, sendo os principais:

1. Menor tempo de recuperação

Após o parto normal a mulher consegue se recuperar mais rápido, não sendo muitas vezes necessário ficar muito tempo no hospital. Além disso, como não é necessária a realização de procedimentos invasivos, a mulher tem mais condição de ficar com o bebê, podendo aproveitar melhor o pós parto e os primeiros dias do bebê.

Além disso, após o parto normal, o tempo que o útero leva para voltar ao tamanho normal é menor em comparação à cesárea, o que também pode ser considerada para a mulher, além de também haver menos desconforto após o parto. 

A cada parto normal, o tempo de trabalho de parto também fica mais curto. Normalmente o primeiro trabalho de parto dura cerca de 12 horas, mas a partir da segunda gravidez, o tempo pode diminuir para 6 horas, no entanto existem muitas mulheres que conseguem ter o bebê em 3 horas ou menos.

2. Menor risco de infecção

O parto normal também diminui o risco de infecção tanto no bebê quanto na mãe, isso porque no parto normal não há realização de corte ou utilização de instrumentos cirúrgicos.

Em relação ao bebê, o menor risco de infecção é devido à passagem do bebê pelo canal vaginal, o que expõe o bebê aos microrganismos pertencentes à microbiota normal da mulher, o que interfere diretamente no desenvolvimento saudável do bebê, já que colonizam o seu intestino, além de promover a atividade e fortalecimento do sistema imunológico.

3. Maior facilidade para respirar

Quando o bebê nasce de parto normal, ao passar pelo canal vaginal, o seu tórax é comprimido, o que faz com que o líquido que está presente dentro do pulmão seja expelido com mais facilidade, facilitando a respiração do bebê e diminuindo o risco de problemas respiratórios no futuro.

Além disso, alguns obstetras indicam que o cordão umbilical fique ainda preso ao bebê por alguns minutos para que a placenta continue a fornecer oxigênio para o bebê, o que foi associado com menor risco de anemia nos primeiros dias de vida.

4. Maior atividade ao nascer

O bebê também se beneficia das alterações hormonais que ocorrem no corpo da mãe durante o trabalho de parto, fazendo com que ele seja mais ativo e responsivo ao nascer. Os bebês que nascem de parto normal quando ainda não tem o cordão umbilical cortado e são colocados em cima da barriga da mãe consegue se arrastar até o peito para mamar, sem precisar de nenhuma ajuda.

5. Maior receptividade ao toque

Durante a passagem pelo canal vaginal, o corpo do bebê é massageado, fazendo com que ele desperte para o toque e não estranhe tanto o toque dos médicos e enfermeiros ao nascer.

Além disso, como durante o parto o bebê está sempre em contato com a mãe, os laços sentimentais podem ser construídos com mais facilidade, além de fazer com que o bebê fique mais calmo.

6. Mais calma

Ao nascer o bebê pode ser imediatamente colocado em cima da mãe, o que acalma mãe e filho e aumenta seus laços sentimentais, e após estar limpo e vestido, pode permanecer todo o tempo junto da mãe, se ambos estiverem saudáveis, pois não precisa ficar de observação.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em fevereiro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.