Tricotomia cirúrgica: o que é, como é feita e para que serve

março 2022

A tricotomia é um procedimento pré-cirúrgico que tem como objetivo remover os pelos da área em que será feita a cirurgia com o objetivo de tornar a região mais visível para o médico e diminuir o risco de infecção pós-operatória, já que alguns microrganismos podem estar aderidos ao pelo.

Esse procedimento é simples e deve ser feito até 2 horas antes da cirurgia por um profissional capacitado, geralmente um enfermeiro.

É recomendado que os pelos maiores sejam aparados e, caso seja necessária a remoção total, que seja feita usando um barbeador elétrico, não sendo recomendado o uso de navalhas ou lâminas, já que podem lesionar a pele e aumentar o risco de infecção.

Para que serve

A tricotomia é feita antes de qualquer procedimento cirúrgico que será realizado em área com pelo e tem como o objetivo de diminuir as chances de infecção pós-operatória, já que os microrganismos também podem ser encontrados aderidos ao pelo. Além disso, deixa a região mais visível para que o médico realize o corte cirúrgico.

Como é feita

A tricotomia é realizada cerca de 2 horas antes do procedimento cirúrgico pelo profissional de enfermagem, sendo recomendado que os pelos que estejam presentes no local do procedimento cirúrgico sejam aparados. No entanto, em alguns casos, pode ser recomendada a realização de remoção total dos pelos do local, o que deve ser feito usando um barbeador elétrico, também conhecido como tricotomizador elétrico.

É importante que o profissional responsável por realizar a tricotomia utilize luvas estéreis, corte com tesoura os pelos maiores e, caso seja necessário, remova o restante dos pelos no sentido contrário ao de seu crescimento. Após a remoção do pelo, o profissional deve realizar a degermação do local com o objetivo de remover os microrganismos presentes na pele.

É fundamental também que os equipamentos utilizados para remover os pelos sejam desinfetados após o uso, pois assim é possível prevenir a transmissão dos microrganismos que podem estar presentes no pelo removido para outros pacientes.

O uso de lâmina ou navalha para remoção dos pelos não é indicado, pois pode causar pequenas lesões na pele, o que pode aumentar o risco de infecção. Além disso, a tricotomia só deve ser realizada na região em que será feito o corte da cirurgia, não sendo necessário remover pelos de regiões mais distantes.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em março de 2022.

Bibliografia

  • HINRICHSEN, Sylvia L. Biossegurança e Controle de Infecções - Risco Sanitário Hospitalar. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 208. 105-109.
  • GEBRIM, Cyanéa F. L.; MELCHIOR, Lorena M. R.; MENEZES, Neyuska A. et al. Tricotomia pré-operatória: aspectos relacionados à segurança do paciente. Enfermería Global. 34 ed; 264-275, 2014
Mostrar bibliografia completa
  • PERES, Mariana M.; GATTO, Lilian. Tricotomia Cirúrgica: Uma prática a ser avaliada. Revista Uningá. Vol 35. 1 ed; 2013
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.