Fratura peniana: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão clínica: Rodolfo Favaretto
Urologista
julho 2022

A fratura peniana acontece quando o pênis é pressionado de forma errada e excessiva, resultando na fratura, que corresponde ao rompimento dos tecidos presentes do órgão.

A fratura do pênis é percebida por meio de um estalo, além de também haver dor intensa, perda da ereção, inchaço do local e aparecimento de hematoma.

Na presença de sinais indicativos de fratura no pênis, é fundamental que o homem vá ao pronto socorro para que seja iniciado o tratamento, que normalmente envolve a realização de cirurgia para reparação dos tecidos rompidos, de forma que a recuperação total demora cerca de 4 a 6 semanas.

Sintomas de fratura peniana

Os principais sinais e sintomas indicativos de fratura peniana são:

  • Estalo no momento em que acontece o rompimento dos tecidos do órgão;
  • Dor forte;
  • Perda da ereção;
  • Inchaço no local;
  • Hematoma;
  • Deformidade do pênis;
  • Aumento do saco escrotal, em alguns casos;
  • Sangue na urina e dificuldade para urinar, no caso de ter afetado a uretra.

Logo que forem observados os sinais e sintomas indicativos de fratura do pênis, é fundamental que o homem seja levado ao pronto-socorro para que seja feita uma avaliação clínica e iniciado ao tratamento adequado.

A confirmação da fratura é feita pela observação do pênis pelo urologista, no entanto, em alguns casos, o médico pode indicar a realização de alguns exames para avaliar a gravidade da fratura e verificar se houve comprometimento da uretra, podendo ser recomendada a ultrassonografia, cavernosografia, uretrocistografia e cistoscopia.

Principais causas

A fratura no pênis é na maioria das vezes consequência da relação sexual, em que pode haver, por acidente, pressão excessiva sobre o pênis de forma a ocorrer a fratura. No entanto, a fratura peniana pode ser também consequência da masturbação excessiva ou incorreta, da tentativa de colocar a roupa com o pênis ereto ou do fato de rolar sobre o pênis durante o sono quando se tem uma ereção espontânea, por exemplo.

Além disso, a fratura peniana pode ser também consequência do ato de forçar a flexão do pênis para que volte ao estado flácido após a ereção. 

Tratamento para fratura no pênis

O tratamento da fratura no pênis é feito por meio de cirurgia, que consiste na reparação dos tecidos rompidos e que deve ser feita em até 6h após a fratura, pois quanto mais cedo for feita, melhor será a recuperação e menor a possibilidade de sequelas, como disfunção erétil ou tortuosidade peniana. Em geral, o tempo de internamento é de 2 a 3 dias.

Além disso, pode ser também indicado pelo médico o uso de remédios anti-inflamatórios, analgésicos e antibióticos, em alguns casos, para aliviar a dor o desconforto causada pela fratura e para prevenir infecções após a cirurgia. Durante a recuperação, é também indicado colocar gelo na região, tomar medicamentos que inibem a ereção noturna involuntária e não ter contato íntimo por cerca de 4 a 6 semanas.

Possíveis complicações

As complicações da fratura podem ser presença de curvatura no pênis ereto e disfunção erétil, pois o tecido de cicatrização impede que o pênis fique ereto normalmente. No entanto, essas complicações geralmente só acontecem quando o tratamento no hospital não é feito ou quando o homem demora para buscar ajuda médica.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em julho de 2022. Revisão clínica por Rodolfo Favaretto - Urologista, em fevereiro de 2020.

Bibliografia

  • TAMHANKAR, A.S. et al. Fractured Penis: Not So Rare!. Urol Int. Vol.99(1). 63-68, 2017
  • EL-ASSMY, Ahmed et al. Long-term outcome of surgical treatment of penile fracture complicated by urethral rupture. J Sex Med. Vol.7(11). 3784–3788, 2010
Mostrar bibliografia completa
  • CARVALHO JUNIOR, Arlindo M. et al. Fratura de pênis com trauma uretra. Rev. Col. Bras. Cir. Vol.40(4). 351-353, 2013
Revisão clínica:
Rodolfo Favaretto
Urologista
Médico formado pela Universidade de Ribeirão Preto com CRM-SP 133358 e especialista em Urologia desde 2016 pela Sociedade Brasileira de Urologia.