Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Gengivite: o que é, sintomas, causas e tratamento

A gengivite é uma inflamação da gengiva que acontece devido ao acúmulo de placas bacterianas entre os dentes, o que leva ao aparecimento de alguns sintomas como dor, vermelhidão, inchaço e sangramento da gengiva.

Normalmente, a gengivite acontece quando não existe uma higiene bucal adequada e os restos de comida permanecem entre os dentes, o que favorece a proliferação de bactérias e, consequentemente, a formação de placas e tártaros, provocando a inflamação da gengiva.

Na maioria dos casos a gengivite pode ser tratada em casa facilmente por meio do reforço dos hábitos de higiene, no entanto quando existe muito tártaro, é recomendado que o dentista seja consultado para que o tártaro seja removido e, assim, seja possível diminuir a inflamação.

Gengivite: o que é, sintomas, causas e tratamento

Sintomas de gengivite

Os principais sinais e sintomas de gengivite são:

  • Gengiva inchada;
  • Vermelhidão intensa das gengivas;
  • Sangramento ao escovar os dentes ou ao passar o fio dental;
  • Nos casos mais graves pode haver sangramento espontâneo da gengiva;
  • Dor e sangramento da gengiva ao mastigar;
  • Dentes que parecem mais longos do que realmente são porque a gengiva fica retraída;
  • Mau hálito e gosto ruim na boca.

Na presença desses sintomas, é importante reforçar os hábitos de higiene bucal, escovando os dentes corretamente e usando o fio dental, pois assim é possível evitar o acúmulo de alimentos e bactérias entre os dentes e a piora da gengivite. Porém se mesmo assim os sintomas persistirem, é importante que o dentista seja consultado para que possa ser feita uma avaliação e inciado o tratamento mais adequado para prevenir complicações, como a periodontite, que pode provocar a perda dos dentes.

Faça o teste de conhecimento a seguir para avaliar os seus conhecimentos sobre saúde bucal:

Saúde bucal: você sabe cuidar dos seus dentes?

Começar o teste
Imagem ilustrativa do questionário
Imagem ilustrativa da questão
É importante consultar o dentista:
  • Cada 2 anos.
  • Cada 6 meses.
  • Cada 3 meses.
  • Quando tiver dor ou algum outro sintoma.
Imagem ilustrativa da questão
O fio dental deve ser usado todos os dias porque:
  • Evita o aparecimento de cáries entre os dentes.
  • Previne o desenvolvimento de mau hálito.
  • Evita a inflamação das gengivas.
  • Todas as anteriores.
Imagem ilustrativa da questão
Durante quanto tempo preciso escovar os dentes para garantir uma limpeza adequada?
  • 30 segundos.
  • 5 minutos.
  • Mínimo de 2 minutos.
  • Mínimo de 1 minuto.
Imagem ilustrativa da questão
O mau hálito pode ser causado por:
  • Presença de cáries.
  • Sangramento das gengivas.
  • Problemas gastrointestinais como azia ou refluxo.
  • Todas as anteriores.
Imagem ilustrativa da questão
Com que frequência é aconselhável trocar a escova de dente?
  • 1 vez por ano.
  • A cada 6 meses.
  • A cada 3 meses.
  • Apenas quando as cerdas estiverem estragadas ou com sujeira.
Imagem ilustrativa da questão
O que pode provocar problemas nos dentes e gengivas?
  • O acúmulo de placa bacteriana.
  • Ter uma dieta rica em açúcar.
  • Ter má higiene bucal.
  • Todas as anteriores.
Imagem ilustrativa da questão
A inflamação das gengivas geralmente é causada por:
  • Produção excessiva de saliva.
  • Acúmulo de placa bacteriana.
  • Acúmulo de tártaro nos dentes.
  • As opções B e C estão corretas.
Imagem ilustrativa da questão
Além dos dentes, outra parte muito importante e que nunca se deve esquecer de escovar é:
  • Língua.
  • Bochechas.
  • Céu da boca.
  • Lábio.
Anterior Próxima

Principais causas

A gengivite é uma inflamação na gengiva que acontece principalmente pela proliferação das bactérias naturalmente encontradas na boca, o que acontece principalmente quando há acúmulo de alimentos entre os dentes e falta de higienização bucal correta. Assim, as bactérias conseguem proliferar na boca e ficar aderidas ao dente, dando origem à placa bacteriana e favorecendo a gengivite.

Além disso, outras situações que aumentam o risco de inflamação das gengivas são:

  • Alimentação rica em açúcar;
  • Hábito de fumar;
  • Diabetes não tratada;
  • Gravidez, por causa de alterações hormonais;
  • Uso de aparelhos ortodônticos fixos, pois pode ser mais difícil haver escovação correta;
  • Dentes desalinhados, com maior dificuldade para escovação eficaz;
  • Dificuldade para escovar os dentes devido a alterações motoras como acontece no Parkinson, por exemplo. 

Além disso, pessoas que fazem radioterapia na cabeça ou pescoço tendem a ficar com a boca seca, sendo mais propensa a desenvolver tártaro e gengivite.

Como tratar a gengivite

Quando a gengiva está um pouco inchada, vermelha e sangrando mas não se consegue observar o acúmulo de placa bacteriana entre os dentes e a gengiva, o tratamento caseiro é suficiente para curar a gengivite, podendo ser feita uma limpeza com bicarbonato de sódio, além de reforço da escovação e uso de fio dental. Saiba mais sobre o tratamento caseiro da gengivite.

Porém, quando a gengivite já está muito avançada, sendo possível ver uma grande placa bacteriana endurecida entre os dentes e a gengiva, a escovação pode se tornar muito dolorosa e difícil, provocando mais sangramento, sendo necessário o tratamento no consultório dentário.

Nesses casos deve-se consultar o dentista, para fazer uma limpeza profissional com instrumentos próprios para remoção dos tártaros. O dentista também irá verificar se algum dente está cariado ou necessita de algum outro tratamento. Além disso, pode ser necessário iniciar o uso de antibióticos, em forma de comprimidos por cerca de 5 dias, usar enxaguantes bucais e fio dental, para eliminar mais rapidamente as bactérias e permitir que a gengiva cicatrize.

Confira mais detalhes sobre o tratamento da gengivite no vídeo a seguir:

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • STEFFENS, João Paulo; MARCANTONIO, Rosemary Adriana C. Classificação das Doenças e Condições Periodontais e Peri‑implantares 2018: guia Prático e Pontos-Chave. Rev Odontol UNESP. Vol 47. 4 ed; 189-197, 2018
Mais sobre este assunto:

Carregando
...