8 sintomas da toxoplasmose (e como confirmar o diagnóstico)

Na maioria dos casos de toxoplasmose não são identificados sinais ou sintomas de infecção, pois o organismo é capaz de combater o parasita. No entanto, quando o sistema imunológico está mais comprometido devido a doenças, outras infecções, uso de medicamentos ou realização recente de transplante, por exemplo, é possível que sejam identificados alguns sintomas, como:

  1. Dor de cabeça constante;
  2. Febre;
  3. Cansaço excessivo;
  4. Dor nos músculos;
  5. Dor de garganta;
  6. Dificuldade para respirar;
  7. Confusão mental;
  8. Convulsões.

A intensidade e gravidade dos sintomas podem variar de acordo com o sistema imunológico da pessoa, sendo mais frequente de identificar confusão mental e episódios de convulsão em pessoas que possuem a imunidade mais fragilizada.

No entanto, é possível também observar sintomas mais graves da doença em pessoas que não fizeram o tratamento correto, pois o parasita é capaz de espalhar-se no organismo, entrar nos tecidos forma cistos, permanecendo no organismo sem causar sinais ou sintomas. No entanto, quando há condições que favorecem a infecção, o parasita pode ser reativado e levar ao aparecimento de sinais e sintomas mais graves da infecção.

8 sintomas da toxoplasmose (e como confirmar o diagnóstico)

Sintomas de toxoplasmose no bebê

Apesar de na maioria das vezes a toxoplasmose na gravidez não levar ao aparecimento de sinais ou sintomas, é importante que a mulher realize os exames indicados na gravidez para verificar se entrou em contato com o parasita ou se está infectada. Isso porque caso a mulher esteja infectada, é possível que transmita a infecção para o bebê, já que esse parasita consegue atravessar a placenta, chegar no bebê e causar complicações.

Assim, se o parasita infectar o bebê, dependendo da idade gestacional, pode provocar aborto, parto prematuro ou toxoplasmose congênita, que pode levar ao aparecimento de alguns sinais e sintomas, como por exemplo:

  • Convulsões frequentes;
  • Microcefalia;
  • Hidrocefalia, que é o acúmulo de líquido no cérebro;
  • Pele e olhos amarelados;
  • Perda de cabelo;
  • Retardo mental;
  • Inflamação dos olhos;
  • Cegueira.

Quando a infecção acontece no primeiro trimestre de gravidez, apesar do risco de infecção ser menor, as complicações são mais graves e o bebê já nasce com as alterações. No entanto, quando a infecção é adquirida no terceiro trimestre de gestação, há maior probabilidade de infecção do bebê, no entanto na maioria dos casos o bebê permanece assintomático e os sintomas da toxoplasmose desenvolvem-se durante a infância e a adolescência. Veja mais sobre os riscos da toxoplasmose na gravidez.

Como confirmar o diagnóstico

Para confirmar a infecção, o médico deve avaliar os sintomas apresentados pela pessoa levando em consideração hábitos de vida, histórico de saúde e resultado de exames laboratoriais. Inicialmente pode ser indicada a realização de um hemograma e dosagem dos níveis de proteína C reativa, para verificar se há alterações indicativas de infecção.

No entanto, para confirmar o diagnóstico da infecção, é necessário realizar exames que identifiquem anticorpos produzidos contra o T. gondii, isso porque como o parasita pode estar presente em diversos tecidos, a sua identificação no sangue, por exemplo, pode não ser tão fácil.

Por isso, o diagnóstico da toxoplasmose é feito por meio da dosagem de IgG e IgM, que são anticorpos produzidos pelo organismo e que aumentam rapidamente quando há infecção por esse parasita. É importante que os níveis de IgG e IgM sejam relacionados com os sinais e sintomas apresentados pela pessoa para que o médico possa concluir o diagnóstico. Além dos níveis de IgG e IgM, pode ser realizado também testes moleculares, como a PCR, para identificar a infecção pelo T. gondii. Saiba mais sobre o IgG e o IgM.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • MAHON, Connie R.; LEHMAN, Donald C. Textbook of Diagnostic Microbiology. 6 ed. St- Louis, Missouri: Elsevier, 2019. 649-652.
Mais sobre este assunto: