8 sintomas de abstinência (e o que fazer)

A síndrome de abstinência é um conjunto de sintomas que surgem quando se interrompe de forma abrupta ou se diminui o uso de certas substâncias, que eram utilizadas com frequência ou de forma abusiva, como drogas de abuso, cigarro, álcool, ou até mesmo certos medicamentos como morfina, anfetaminas, imipramina ou fenobarbital, por exemplo.

Os sintomas da síndrome de abstinência variam de acordo com o tipo, a quantidade e o tempo de uso da substância, podendo ocorrer náuseas, vômitos, mal estar, dor de cabeça, irritabilidade ou insônia, por exemplo, que podem se iniciar poucas horas após parar de usar as substâncias.

O tratamento da síndrome de abstinência deve ser feito por uma equipe de médicos, psicólogos e nutricionistas, com a utilização de remédios, adequação da dieta e apoio psicológico e emocional, sendo em alguns casos necessário internamento em hospital ou clínicas especializadas.

8 sintomas de abstinência (e o que fazer)

Principais sintomas

Os sintomas de abstinência variam de acordo com a substância que se utilizava, e inclui:

1. Náuseas e vômitos

As náuseas e vômitos são sintomas comuns e desagradáveis da abstinência que ocorrem especialmente após a interrupção do uso de remédios como opióides, corticóides, antipsicóticos ou anticonvulsivantes, ou substâncias como álcool ou crack, por exemplo.

Esses sintomas geralmente são piores nos primeiros dois a três dias após a última utilização das substâncias, sendo que no caso do álcool pode surgir cerca de 6 a 12 horas após a última bebida.

2. Irritabilidade

A irritabilidade pode ocorrer por interrupção do uso de substâncias como cigarro, álcool, cocaína, anfetaminas, ou remédios como antidepressivos ou anticonvulsivantes, especialmente quando o uso é interrompido de forma repentina.

Isto ocorre porque essas substâncias agem no cérebro provocando alterações químicas que causam sensação de bem-estar, e a interrupção pode gerar irritabilidade, que pode estar acompanhada de outros sintomas como agitação ou inquietação, por exemplo.

3. Tonturas e aumento do suor

A tontura e o aumento da produção de suor são comuns em caso de abstinência, porque o corpo já não recebe estímulos de alguns hormônios devido a redução do uso das substâncias, como opióides, álcool ou cannabis, por exemplo.

4. Dor de cabeça

A dor de cabeça pode ocorrer após a interrupção do uso de opióides, antipsicóticos, anticonvulsivantes, antidepressivos tricíclicos, cafeína, crack, cocaína, anfetamina ou cannabis, por exemplo, pois essas substâncias agem a nível cerebral e sua retirada pode favorecer o surgimento da dor de cabeça.

5. Secreção nasal

Em alguns casos, como na abstinência de opióides, é possível também que surja a sensação de nariz escorrendo ou entupido, no entanto isso deve passar em poucos dias.

6. Insônia

A insônia pode ocorrer devido a alterações que ocorrem no cérebro após a interrupção do uso de substâncias como cigarro, álcool, antipsicóticos ou anticonvulsivantes, e muitas vezes pode estar relacionada à ansiedade causada pela falta dessas substâncias ou o hábito do seu consumo.

7. Diarréia

A diarréia também pode acontecer como consequência da parada do uso de opióides, antipsicóticos ou crack, por exemplo. Esse sintoma de abstinência também pode ocorrer após o período de uso intenso dessas substâncias, e pode ter sintomas leves a graves.

8. Outros sintomas

Outros sintomas que podem ocorrer devido à abstinência de substâncias são fraqueza, confusão mental, psicose, aumento da pressão arterial, palpitação cardíaca, perda da consciência ou até coma nos casos mais graves.

Esses sintomas variam de acordo com o tipo de substância utilizada, da quantidade e do tempo de utilização.

Como é feito o tratamento

O tratamento da abstinência deve ser orientado pelo médico que pode indicar o uso de remédios, como clonidina, clordiazepóxido ou naloxona, por exemplo, de acordo com os sintomas e o tipo de substância que se utilizava.

No caso das drogas de abuso ou álcool, a interrupção repentina pode causar os sintomas de abstinência. Por isso, é importante consultar o médico antes de interromper o uso para que seja feito um programa de desintoxicação, que consiste fazer um internamento no hospital ou em clínicas de reabilitação, utilizando remédios como ansiolíticos e antidepressivos, sob a supervisão médica, 24 horas por dia, 7 dias por semana, para garantir a segurança na retirada da substância e ajudar a evitar ou diminuir os sintomas de abstinência.

Já no caso da dependência de remédios como benzodiazepínicos, anticolvulsivantes ou corticóides, por exemplo, o tratamento consiste em diminuir as doses desses remédios de forma gradual, até que se pare de tomar esses remédios, de acordo com a orientação médica.

Além disso, o tratamento da abstinência deve incluir outros profissionais de saúde como psicólogo para dar um suporte psicológico e emocional, além de criar estratégias para que se possa lidar com a falta da substância, e o nutricionista para orientar uma dieta adequada ou uso de suplementos de acordo com as necessidades nutricionais de forma individualizada.

Substâncias que causam abstinência

Algumas substâncias podem causar crises de abstinência após a diminuição ou interrupção repentina do seu uso e incluem:

  • Drogas de abuso, como cocaína, crack, metilenodioximetanfetamina, metanfetamina ou cannabis;
  • Anfetaminas, como fenfluramina ou metilfenidato;
  • Cigarro;
  • Álcool;
  • Cafeína;
  • Anticonvulsivantes, como fenobarbital;
  • Antipsicóticos, como clorpromazina ou tioridazina;
  • Benzodiazepínicos, como diazepam ou alprazolam;
  • Antidepressivos tricíclicos, como imipramina;
  • Corticóides, como prednisona.

É importante consultar o médico antes de parar de usar essas substâncias para que seja feito de forma orientada para evitar os sintomas de abstinência.

Esta informação foi útil?
Atualizado e revisto clinicamente por Dr.ª Clarisse Bezerra, Médica de Saúde Familiar - em Novembro de 2021.

Bibliografia

  • HODDING, Glenn C.; et al. Drug Withdrawal Syndromes: A Literature Review. West J Med. 133. 383- 391, 1980
  • INCA. PROTOCOLO CLÍNICO E DIRETRIZES TERAPÊUTICAS DEPENDÊNCIA À NICOTINA. 2014. Disponível em: <http://www.saude.sp.gov.br/resources/cve-centro-de-vigilancia-epidemiologica/areas-de-vigilancia/doencas-cronicas-nao-transmissiveis/doc/dcnt/2014_diretrizes_inca_terapia_nicotina.pdf>. Acesso em 21 Out 2021
  • GUPTA, M.; GOKARAKONDA, S. B.; ATTIA, F. N. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Withdrawal Syndromes. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK459239/>. Acesso em 21 Out 2021
  • HUGHES, J. R. Effects of abstinence from tobacco: valid symptoms and time course. Nicotine Tob Res. 9. 3; 315-27, 2007
  • CLINICAL GUIDELINES FOR WITHDRAWAL MANAGEMENT AND TREATMENT OF DRUG DEPENDENCE IN CLOSED SETTINGS. GENEVA: WORLD HEALTH ORGANIZATION. Withdrawal Management. 2009. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK310652/>. Acesso em 21 Out 2021
  • O'BRIEN, C. P.; et al. Conditioning of narcotic abstinence symptoms in human subjects. Drug Alcohol Depend. 1. 2; 115-23, 1975
  • FAIÇAL, S.; UEHARA, M. H. Efeitos sistêmicos e síndrome de retirada em tomadores crônicos de corticosteróides. Rev. Assoc. Med. Bras. 44. 1; 1998
  • AIRAGNES, G.; et al. Alcohol withdrawal syndrome management: Is there anything new?. Rev Med Interne. 40. 6; 373-379, 2019
  • SANTOS, C.; OLMEDO, R. E. Sedative-Hypnotic Drug Withdrawal Syndrome: Recognition And Treatment. Emerg Med Pract. 19. 3; 1-20, 2017
  • Brasil/ Ministério da Saúde/ Secretaria de Atenção à Saúde/ Departamento de Atenção Básica. Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica : o cuidado da pessoa tabagista. Brasília : Ministério da Saúde, 2015. 154 p. : il. (Cadernos da Atenção Básica, n. 40). Disponível em: < http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/caderno_40.pdf >. Acesso em: 11/03/2020.
  • AMB / ANS. Tabagismo. Diretrizes Clínicas na Saúde Suplementar. vol. 29. p. 24, 2011. Disponível em: < https://diretrizes.amb.org.br/ans/tabagismo.pdf>. Acesso em: 11/03/2020.
  • GRUPO ONCOCLÍNICAS. E se eu parar de fumar?. Disponível em: <https://www.grupooncoclinicas.com/eseeuparardefumar/arquivo/CARTILHA_PACIENTE.pdf>. Acesso em 14 Nov 2019
Mais sobre este assunto: