Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é Síndrome de HELLP, sintomas e tratamento

A Síndrome de HELLP é uma situação que acontece na gravidez e que é caracterizada por hemólise, que corresponde à destruição das hemácias, alteração das enzimas do fígado e diminuição na quantidade de plaquetas, o que pode colocar em risco tanto a mãe quanto o bebê.

Essa síndrome normalmente está relacionada com quadros de pré-eclâmpsia grave ou eclâmpsia, o que pode dificultar o diagnóstico e atrasar o início do tratamento.

É importante que a Síndrome de HELLP seja identificada e tratada o quanto antes para evitar complicações como insuficiência renal, problemas no fígado, edema agudo do pulmão ou óbito da gestante ou do bebê, por exemplo.

A Síndrome de HELLP tem cura se identificada e tratada rapidamente de acordo com a recomendação do obstetra, podendo ser necessário, em casos mais graves em que a vida da mulher está em risco, a interrupção da gravidez.

O que é Síndrome de HELLP, sintomas e tratamento

Sintomas da Síndrome HELLP

Os sintomas da Síndrome de HELLP são variados e geralmente aparecem entre a 28ª e a 36ª semana de gestação, apesar de também poderem surgir no segundo trimestre de gravidez ou, até mesmo no pós-parto, sendo os principais:

  • Dor perto da boca do estômago;
  • Dor de cabeça;
  • Alterações na visão;
  • Pressão arterial alta;
  • Mal-estar geral;
  • Náuseas e vômitos;
  • Presença de proteína na urina;
  • Icterícia, em que a pele e os olhos ficam com uma cor mais amarelada.

A gestante que apresentar sinais e sintomas da Síndrome HELLP deve consultar imediatamente o obstetra ou ir ao pronto-socorro, principalmente se sofrer de pré-eclâmpsia, diabetes, lúpus ou problemas no coração ou nos rins.

Quem teve Síndrome de HELLP pode engravidar novamente?

Caso a mulher tenha tido a Síndrome de HELLP e o tratamento foi feito corretamente, a gravidez pode acontecer normalmente, até porque a taxa de recorrência dessa síndrome é bastante baixa.

Apesar de ter menos chance de desenvolver a síndrome novamente, é importante que a gestante seja acompanhada de perto pelo obstetra para evitar que tenha alterações durante a gravidez.

Diagnóstico da Síndrome de HELLP

O diagnóstico da Síndrome de HELLP é feito pelo obstetra baseado nos sintomas apresentados pela grávida e no resultado de exames laboratoriais, como hemograma, em que são verificadas as características das hemácias, formato e quantidade, além de ser verificada a quantidade de plaquetas. Saiba como entender o hemograma.

Além disso, o médico indica a realização de exames que avaliam as enzimas do fígado, que também encontram-se alteradas na Síndrome de HELLP, como LDH, bilirrubina, TGO e TGP, por exemplo. Veja quais são os exames que avaliam o fígado.

Como é o tratamento

O tratamento para a Síndrome de HELLP é feito com a mulher internada na Unidade de Terapia Intensiva para que o obstetra possa avaliar constantemente a evolução da gravidez e indicar qual o melhor momento e via de parto, caso este seja possível.

O tratamento para Síndrome HELLP depende da idade gestacional da mulher, sendo que é comum que após a 34ª semana, o parto seja induzido de forma precoce para evitar a morte da mulher e o sofrimento do bebê, que é encaminhado imediatamente para a Unidade de Terapia Intensiva Neonatal do hospital para evitar complicações.

Já quando a grávida tem menos de 34 semanas, podem ser feitas injeções de corticoesteroides no músculo, como a betametasona, para desenvolver os pulmões do bebê para que se possa adiantar o parto. Porém, quando a grávida tem menos de 24 semanas de gestação, este tipo de tratamento pode não ser eficaz, sendo necessário fazer a interrupção da gravidez. Entenda mais sobre o tratamento para a Síndrome de HELLP.

Bibliografia >

  • COELHO, Bernardo C. P. et al. Síndrome HELLP: uma breve revisão. Rev Med Minas Gerais. Vol 19. 3 ed; 107-111, 2009
  • KATZ, Leila et al. Perfil clínico, laboratorial e complicações de pacientes com síndrome HELLP admitidas em uma unidade de terapia intensiva obstétrica. Rev Bras Ginecol Obstet. Vol 30. 2 ed; 80-86, 2008
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem