10 causas de secura vaginal e o que fazer

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
setembro 2022

A secura vaginal pode surgir devido a alterações hormonais comuns durante a vida da mulher como, amamentação ou menopausa, mas também pode surgir por alergia a produtos de higiene para a região íntima, ou condições de saúde, como a amenorréia ou a síndrome de Sjogren, por exemplo.

Dependendo da sua causa, a secura vaginal pode ser acompanhada de outros sintomas, como sensação de queimação, desconforto ou dor durante o contato íntimo, ou até infecções urinárias recorrentes ou candidíase de repetição

Na presença de secura vaginal, é importante sempre consultar o ginecologista, para diagnosticar a causa, e a presença de outros sintomas e, dessa forma, ser orientado o tratamento mais adequado.

As principais causas de secura vaginal são:

1. Menopausa

A secura vaginal é um sintoma que pode surgir em algumas mulheres na menopausa, devido à diminuição da produção de estrógeno pelos ovários, o que resulta em uma alteração no revestimento do canal vaginal e diminuição da produção do muco que mantém a vagina úmida.

Além da secura vaginal, outros sintomas que podem surgir são dor ou desconforto durante o contato íntimo, coceira dentro e ao redor da vagina ou vontade de urinar com frequência.

O que fazer: deve-se consultar o ginecologista que pode indicar a terapia de reposição hormonal com comprimidos, ou o uso de estrogênio vaginal na forma de creme ou gel, por exemplo. Esses tratamentos devem ser feitos somente se recomendado pelo ginecologista, pois é contra-indicado para mulheres com risco aumentado de câncer de mama, útero ou ovários, ou trombose, por exemplo. Veja como é feita a terapia de reposição hormonal

2. Amamentação

A amamentação também pode causar secura vaginal em algumas mulheres, devido às alterações hormonais normais durante essa fase da vida da mulher, como aumento do hormônio prolactina que estimula o leite materno e diminuição do estrogênio e da progesterona.

O que fazer: a secura vaginal durante a amamentação é passageira, sendo que normalmente a lubrificação normal da região íntima, melhora alguns meses após o parto, quando a mulher volta a ovular, sem necessitar de tratamento específico. 

3. Alergias

Os produtos utilizados no banho e na região íntima podem conter substâncias químicas que, embora normalmente não sejam irritantes, podem provocar alergia em algumas mulheres, causando ressecamento e vermelhidão no local. 

Além disso, o uso de calcinhas com tecidos sintéticos também podem causar esse tipo de irritação, provocando secura vaginal.

O que fazer: no caso de se ter iniciado o uso de um novo produto durante o banho é aconselhado interromper o seu uso e observar se os sintomas melhoram. É ainda aconselhado utilizar calcinhas de algodão durante o dia, pois apresentam menos risco de provocar irritação. No caso de não ocorrer melhora, deve-se consultar o ginecologista.

4. Excesso de ansiedade

A ansiedade é um sentimento natural e muito frequente durante várias fases da vida de qualquer pessoa, no entanto, quando essa ansiedade se desenvolve em excesso pode provocar alterações no funcionamento normal do corpo.

Essas alterações muitas vezes provocam uma diminuição da libido e do desejo sexual da mulher, o que pode levar a uma diminuição da lubrificação vaginal, causando o ressecamento das mucosas.

O que fazer: nestes casos é recomendado utilizar estratégias que ajudem a lidar com a ansiedade ou consultar um psicólogo para iniciar o tratamento adequado, caso seja necessário. Veja algumas estratégias que podem ajudar a aliviar a ansiedade

5. Falta de estimulação

Nestes casos a secura vaginal surge principalmente durante o contato íntimo e provoca desconforto intenso e até dor. Isto acontece porque a estimulação sexual aumenta a líbido da mulher, melhorando a lubrificação vaginal.

Assim, quando isso não acontece de forma adequada algumas mulheres podem ter mais dificuldade em produzir o lubrificante natural, causando secura e desconforto durante o contato íntimo.

O que fazer: uma boa estratégia nestes casos consiste em aumentar o tempo de preliminares antes do contato íntimo e explorar desejos do casal, de forma a aumentar a libido e facilitar a lubrificação vaginal.

6. Amenorréia

A secura vaginal também pode ser causada pela amenorréia hipotalâmica, que é uma condição em que a mulher não menstrua devido a um distúrbio na produção do hormônio liberador de gonadotrofina (GnRH), que estimula de estrogênio e progesterona pelos ovários, regulando o ciclo menstrual.

Esse tipo de amenorréia pode ser causado por estresse, excesso de atividade física ou baixo peso corporal, por exemplo.

O que fazer: o tratamento da amenorréia hipotalâmica deve ser orientado pelo ginecologista que pode indicar a realização de atividades físicas menos intensas e por menos vezes durante a semana, acompanhamento com nutricionista e/ou psicoterapia. Além disso, o médico pode indicar tratamento hormonal, para regular os níveis hormonais.

7. Uso de remédios

Alguns medicamentos utilizados para tratar resfriados ou alergias, que contêm anti-histamínicos, assim como os remédios usados no tratamento dos sintomas da asma podem causar ressecamento das mucosas por todo o corpo, incluindo na região genital.

O que fazer: é aconselhado consultar o médico que receitou este tipo de remédio para avaliar a possibilidade de trocar por outro tipo de medicamento.

8. Síndrome de Sjögren

A síndrome de Sjögren é uma doença auto-imune, caracterizada por inflamação de algumas glândulas do corpo, podendo resultar em secura vagina, além de pele e boca secas, por exemplo.

Essa síndrome pode ser causada por alterações da imunidade ou outras doenças auto-imunes, como artrite reumatóide, lúpus, esclerodermia, vasculite, ou hepatite crônica.

O que fazer: o tratamento deve ser orientado pelo reumatologista, que pode indicar o uso de gel de ácido hialurônico para tratar o ressecamento vaginal, ou outros remédios para aliviar os sintomas da síndrome. Veja como é feito o tratamento da síndrome de Sjögren.

9. Cirurgia de remoção dos ovários

A cirurgia de remoção dos ovários, conhecida como ooforectomia, pode levar ao surgimento de secura vaginal, pois com a ausência de um ou dos dois ovários, a produção de estrogênio diminui, causando sintomas semelhantes ao da menopausa. 

Essa cirurgia pode ser indicada pelo médico nos casos de abscessos no ovário, cistos ou alterações indicativas de câncer, podendo ser removido um ou os dois ovários.

O que fazer: deve-se consultar e fazer acompanhamento regularmente com o ginecologista, que pode indicar a terapia de reposição hormonal, caso a mulher não tenha contra-indicações para isso.

10. Tratamento do câncer

O tratamento do câncer, como radioterapia na região da pelve, quimioterapia ou hormonioterapia para o câncer de mama ou de útero, por exemplo, pode causar secura vaginal e outros sintomas como náuseas, vômitos, diarréia, ondas de calor ou sangramento ou corrimento vaginal.

O que fazer: deve-se fazer o acompanhamento com o oncologista, que pode indicar o uso de lubrificantes vaginais à base de água, ou estrogênio vaginal em alguns casos. Saiba como aliviar os efeitos colaterais da quimioterapia. ​​

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em setembro de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • TUCKER, P. E.; COHEN, P. A. Review Article: Sexuality and Risk-Reducing Salpingo-oophorectomy. Int J Gynecol Cancer. 27. 4; 847-852, 2017
  • BUI, K. T.; et al. Ovarian suppression for adjuvant treatment of hormone receptor-positive early breast cancer. Cochrane Database Syst Rev. 3. 3; CD013538, 2020
Mostrar bibliografia completa
  • MACIEJEWSKA-JESKE, M.; et al. Consequences of premature ovarian insufficiency on women's sexual health. Prz Menopauzalny. 17. 3; 127-130, 2018
  • DOS SANTOS, C. C. M.; et al. Hyaluronic Acid in Postmenopause Vaginal Atrophy: A Systematic Review. J Sex Med. 18. 1; 156-166, 2021
  • PIONTEK, A.; et al. Sexual problems in the patients with psychiatric disorders. Wiad Lek. 72. 10; 1984-1988, 2019
  • GONCHARENKO, V.; et al. Vaginal dryness: individualised patient profiles, risks and mitigating measures. EPMA J. 10. 1; 73-79, 2019
  • HILL, D. A.; et al. Hormone Therapy and Other Treatments for Symptoms of Menopause. Am Fam Physician. 94. 11; 884-889, 2016
  • SANTORO, N.; et al. Menopausal Symptoms and Their Management. Endocrinol Metab Clin North Am. 44. 3; 497-515, 2015
  • POTTER, N.; PANAY, N. Vaginal lubricants and moisturizers: a review into use, efficacy, and safety. Climacteric. 24. 1; 19-24, 2021
  • VAN NIMWEGEN, J. F.; et al. Vaginal dryness in primary Sjögren's syndrome: a histopathological case-control study. Rheumatology (Oxford). 59. 10; 2806-2815, 2020
  • CARSONS, S. E.; PATEL, B. C. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Sjogren Syndrome. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK431049/>. Acesso em 13 set 2022
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.

Tuasaude no Youtube

  • COMO NÃO ENGORDAR NA MENOPAUSA

    04:02 | 57535 visualizações
  • TRATAMENTO do CÂNCER: como aliviar os EFEITOS COLATERAIS

    14:07 | 83042 visualizações
  • 5 DICAS PARA MAMÃES FELIZES | Com Silvia Faro

    09:54 | 13640 visualizações
  • MENOPAUSA | Dieta para Aliviar Sintomas

    06:23 | 477025 visualizações
  • Alimentos para combater o estresse e a ansiedade

    02:05 | 484733 visualizações