7 remédios que podem provocar aumento do peso

novembro 2022

Alguns remédios como antidepressivos, antialérgicos ou corticoides, principalmente quando utilizados a longo prazo, podem causar efeitos colaterais que, ao longo do tempo, podem provocar aumento do peso.

As causas do aumento de peso provocados por esses remédios ainda não estão totalmente esclarecidas. No entanto, acredita-se que estejam relacionados com o aumento do apetite, da retenção de líquidos ou com o surgimento de cansaço excessivo que prejudica a prática de atividades físicas.

Apesar de poderem provocar aumento do peso, o uso destes remédios não deve ser interrompido por conta própria, devendo-se sempre consultar o médico para que seja avaliada a possibilidade de se trocar por outro tipo ou alterar a dose. É ainda possível que um remédio cause o aumento de peso em uma pessoa, mas não o faça em outra, devido às diferentes respostas do organismo.

Os principais remédios que podem provocar aumento do peso são:

1. Antialérgicos

Alguns antialérgicos indicados para o tratamento de sintomas de alergia como espirro, nariz entupido, coceira nos olhos ou na pele, por exemplo, podem causar aumento do peso.

Isto acontece porque alguns antialérgicos diminuem o efeito da histamina no organismo, uma substância que é responsável pelos sintomas de alergia, mas que também ajuda na regulação do apetite. Assim, quando se toma um antialérgico, a ação da histamina também é bloqueada, podendo provocar o aumento do apetite e o ganho de peso.

Já os antialérgicos que provocam sono, podem diminuir a disposição para a prática de exercícios físicos, o que também pode provocar o aumento do peso.

Principais antialérgicos: cetirizina, fexofenadina, dexclorfeniramina, bilastina, desloratadina, hidroxizina, levocetirizina, prometazina e clemastina.

2. Antidepressivos

Os antidepressivos podem causar aumento do peso durante o tratamento, principalmente quando utilizados por longo período de tempo, pois esses remédios alteram os níveis ou a ação de substâncias químicas no cérebro, como serotonina, dopamina ou histamina, causando aumento do apetite.

No entanto, se a pessoa apresentar ganho de peso, deve-se consultar o médico para que seja reavaliado o tratamento e, se necessário, alterar o tipo ou a dose do antidepressivo, por exemplo. Nunca se deve interromper o tratamento com antidepressivos por conta própria.

Algumas opções de antidepressivos que não provocam alterações no peso são fluoxetina, bupropiona ou duloxetina, por exemplo.

Principais antidepressivos: clonazepam, amitriptilina, mirtazapina, nortriptilina, imipramina, escitalopram, trimipramina e paroxetina.

3. Antipsicóticos

Os antipsicóticos são um dos tipos de medicamentos mais relacionados com o aumento de peso. Este efeito acontece porque os antipsicóticos aumentam uma proteína cerebral conhecida como AMPK e, quando essa proteína está aumentada, bloqueia o efeito da histamina, uma substância importante para regular a sensação de fome.

No entanto, os antipsicóticos são muito importantes para o tratamento de alterações psiquiátricas como esquizofrenia ou transtorno bipolar e, por isso, não devem ser interrompidos sem indicação médica. Algumas opções de antipsicóticos que, normalmente, apresentam menos risco de provocar o ganho de peso são a ziprasidona ou o aripiprazol.

Principais antipsicóticos: olanzapina, risperidona, quetiapina, lurasidona, haloperidol e zuclopentixol.

4. Corticoides

Os corticoides são remédios usados para aliviar os sintomas de doenças inflamatórias como asma severa ou artrite reumatoide, por exemplo. No entanto, quando são utilizados por muito tempo, podem fazer com que o corpo retenha mais sal, que em grandes quantidades, aumenta a retenção de líquidos, provocando o aumento do peso.

Além disso, os corticoides também causam aumento do apetite e alteram o metabolismo e a forma como o organismo deposita a gordura, levando à um aumento e redistribuição da gordura corporal, que pode se acumular principalmente no abdômen, rosto e atrás do pescoço, como ocorre na síndrome de Cushing, contribuindo para o aumento de peso.

Principais corticoides: prednisona, prednisolona, metilprednisolona, dexametasona, budesonida, fluticasona e hidrocortisona.

5. Anti-hipertensivos

Embora seja mais raro, alguns anti-hipertensivos, que são os remédios utilizados para baixar e controlar a pressão arterial, também podem provocar o aumento de peso.

Este ganho de peso acontece porque o efeito colateral comum dos betabloqueadores é o surgimento de cansaço excessivo, que pode diminuir a prática de exercícios físicos, aumentando as chances de engordar.

Principais anti-hipertensivos: propranolol, nadolol, atenolol, timolol, carvedilol, labetalol, metoprolol e bisoprolol.

6. Antidiabéticos orais

Alguns antidiabéticos orais usados no tratamento da diabetes estimulam a liberação de insulina pelo pâncreas, diminuindo rapidamente os níveis de glicose no sangue e aumentando-os dentro das células do corpo. A glicose dentro das células funciona como uma fonte de energia, no entanto, quando não é usada, essa glicose é armazenada na forma de gordura, provocando o aumento do peso.

Além disso, quando os níveis de açúcar no sangue ficam muito baixos, pode-se sentir mais fome como uma tentativa do organismo de compensar a falta de açúcar, causando o aumento do peso.

Principais antidiabéticos orais: glipizida, gliclazida, glimepirida glibenclamida, glimepirida, repaglinida, nateglinida, acetoexamida, clorpropamida, tolbutamida, tolazamida e gliquidona.

7. Anticoncepcionais

Os anticoncepcionais, como as pílulas combinadas, implante contraceptivo ou injeção anticoncepcional, são remédios hormonais indicados para prevenir a gravidez ou tratar algumas condições de saúde, como endometriose, síndrome dos ovários policísticos ou até acne, que podem causar retenção de líquidos no corpo, que pode provocar inchaços, e resultar no aumento do peso.

No entanto, esses remédios não aumentam a quantidade de gordura corporal, sendo que a alteração de peso pode ocorrer em algumas mulheres devido a retenção de líquidos, enquanto em outras mulheres, pode não haver alteração do peso ou pode causar até emagrecimento.

Principais anticoncepcionais: Diane 35, Depo-Provera, Implanon, Ciclo 21 ou Microvlar, por exemplo.

Como saber se é culpa dos medicamentos

Para saber se o remédio está causando aumento do peso é quando esse aumento começa logo durante o primeiro mês em que se começou a tomar um novo medicamento, quando não se fez nenhuma alteração na dieta que possa estar provocando aumento do peso.

No entanto, também existem casos em que a pessoa só começa a engordar algum tempo depois de já estar tomando um remédio. Nestes casos, se o aumento de peso for superior a 2 Kg por mês e a pessoa estiver mantendo o mesmo ritmo de exercício e de dieta que fazia antes, é provável que esteja engordando por causa de algum medicamento, principalmente se estiver acontecendo retenção de líquidos.

Embora a única forma de confirmar seja consultando o médico que receitou o medicamento, também é possível ler a bula do medicamento e avaliar se o aumento de peso ou de apetite, ou a retenção de líquidos, é um dos efeitos colaterais.

O que fazer se existir suspeita

Se existir suspeita que algum remédio está engordando é aconselhado consultar o médico responsável pelo tratamento para que possa ser avaliado o tratamento, a possibilidade de reduzir a dose ou trocar por outro remédio com efeito semelhante mas que tem menor risco de provocar aumento do peso.

Em hipótese nenhuma, deve-se interromper o tratamento por conta própria, pode ser mais prejudicial que o aumento do peso.

Como evitar o aumento de peso

Como em qualquer outra situação, o processo de aumento de peso só pode ser interrompido com a diminuição de calorias no corpo, que pode ser atingida através do exercício físico e de uma alimentação equilibrada. Assim, mesmo que um medicamento possa estar engordando, é importante manter um estilo de vida saudável, para que esse aumento seja pequeno ou inexistente.

Além disso, também é muito importante informar imediatamente o médico ou ir em todas as consultas de revisão, para que o efeito do remédio seja reavaliado e o tratamento adequado de acordo com as necessidades de cada pessoa.

Veja um exemplo de dieta que deve manter durante o tratamento com algum remédio que possa engordar.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Flávia Costa - Farmacêutica, em novembro de 2022.

Bibliografia

  • SHAMS, Tahireh A.; MULLER, Daniel J. Antipsychotic Induced Weight Gain: Genetics, Epigenetics, and Biomarkers Reviewed. Curr Psychiatry Rep. 16. 473; 1-8, 2014
  • SOLA, Daniele; et al. Sulfonylureas and their use in clinical practice. Arch Med Sci. 11. 4; 840–848, 2015
Mostrar bibliografia completa
  • HUSHER, D.; et al. Dose-related patterns of glucocorticoid-induced side effects. Ann Rheum Dis. 68. 7; 1119-24, 2009
  • SERRETTI, A.; MANDELLI, L. Antidepressants and body weight: a comprehensive review and meta-analysis. J Clin Psychiatry. 71. 10; 1259-72, 2010
  • HIMMERICH, H.; MINKWITZ, J.; KIRKBY, K. C. Weight Gain and Metabolic Changes During Treatment with Antipsychotics and Antidepressants. Endocr Metab Immune Disord Drug Targets. 15. 4; 252-60, 2015
  • MUSIL, R.; et al. Weight gain and antipsychotics: a drug safety review. Expert Opin Drug Saf. 14. 1; 73-96, 2015
  • DOMECQ, J. P.; et al. Clinical review: Drugs commonly associated with weight change: a systematic review and meta-analysis. J Clin Endocrinol Metab. 100. 2; 363-70, 2015
  • RATLIFF, Joseph C.; et al. Association of Prescription H1 Antihistamine Use With Obesity: Results From the National Health and Nutrition Examination Survey. Obesity. 18. 12; 2398-2400, 2010
  • WUNG, Peter K.; et al. Effects of Glucocorticoids on Weight Change During the Treatment of Wegener's Granulomatosis. Arthritis Rheum. 59. 5; 746–753, 2008
  • GAFOOR, Rafael; BOOTH, Helen P.; GULLIFORD, Martin C. Antidepressant utilisation and incidence of weight gain during 10 years’ follow-up: population based cohort study. BMJ. 361. 1-9, 2018
  • LIU, Dora; et al. A practical guide to the monitoring and management of the complications of systemic corticosteroid therapy. Allergy Asthma Clin Immunol. 9(1). 30; 1-25, 2013
Revisão clínica:
Flávia Costa
Farmacêutica
Formada em Farmácia pelo Centro Universitário Newton Paiva em 2003. Mestre em Ciências Biomédicas pela UBI, Portugal.

Tuasaude no Youtube

  • Como Emagrecer sem tomar Remédio

    05:35 | 154431 visualizações
  • Emagrecer mais rápido comendo fibras

    03:03 | 185192 visualizações
  • Alimentação para combater o inchaço e a retenção de líquido

    03:43 | 727108 visualizações
  • COMO EMAGRECER SEM PASSAR FOME

    04:31 | 78386 visualizações
  • Emagrecer com Saúde

    03:12 | 441863 visualizações