Eclâmpsia na gravidez: o que é, sintomas, causas e tratamento

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
maio 2022

A eclâmpsia é uma complicação grave da gravidez, caracterizada por episódios repetidos de convulsões, seguidos de coma, e que pode ser fatal se não for tratada imediatamente. Esta doença é mais comum nos últimos 3 meses de gravidez, entretanto, pode manifestar-se em qualquer período após a 20ª semana de gestação, no parto ou, até, após o parto.

A eclâmpsia é uma manifestação grave da pré-eclâmpsia, que provoca pressão alta, superior a 140 x 90 mmHg, presença de proteínas na urina e inchaço do corpo devido à retenção de líquidos, mas, embora estas doenças estejam relacionadas, nem todas as mulheres com pré-eclâmpsia têm evolução da doença para eclâmpsia. Saiba como identificar a pré-eclâmpsia e quando pode se tornar grave.

Sintomas de eclâmpsia

Os sintomas da eclâmpsia incluem:

  • Convulsões;
  • Dor de cabeça intensa;
  • Hipertensão arterial;
  • Aumento de peso rápido devido à retenção de líquido;
  • Inchaço das mãos e pés;
  • Perda de proteínas pela urina;
  • Zumbidos nos ouvidos;
  • Dor de barriga intensa;
  • Vômitos;
  • Alterações de visão.

As crises convulsivas na eclâmpsia costumam ser generalizadas e têm duração de cerca de 1 minuto, podendo evoluir para coma.

Eclâmpsia no pós parto

A eclâmpsia também pode surgir após o parto do bebê, principalmente nas mulheres que tiveram pré-eclâmpsia na gestação, por isso, é importante manter a avaliação mesmo depois do parto, para que se possa identificar qualquer sinal de piora, só devendo receber alta hospitalar após a normalização da pressão e a melhora dos sintomas. Saiba quais são os principais sintomas e como acontece a eclâmpsia no pós parto.

Principais causas

As causas da eclâmpsia estão relacionadas com a implantação e o desenvolvimento dos vasos sanguíneos na placenta, pois a falta de irrigação sanguínea da placenta faz com que ela produza substâncias que ao caírem na circulação vão alterar a pressão do sangue e causar lesões nos rins.

Além disso, alguns fatores podem aumentar o risco da mulher desenvolver a eclâmpsia, sendo os principais:

  • Gravidez em mulheres com mais de 40 anos ou menos de 18;
  • História familiar de eclâmpsia;
  • Gravidez de gêmeos;
  • Mulheres com hipertensão;
  • Obesidade;
  • Diabetes;
  • Doença renal crônica;
  • Grávidas com doenças autoimunes, como lúpus.

A forma de prevenir a eclâmpsia é controlar a pressão arterial durante a gravidez e fazer os exames pré-natal necessários para detectar qualquer alteração indicativa desta doença o mais cedo possível.

Como é feito o tratamento

A eclâmpsia, ao contrário da hipertensão arterial comum, não responde aos diuréticos nem a uma dieta pobre em sal, dessa forma, o tratamento normalmente inclui:

1. Administração de sulfato de magnésio

A administração de Sulfato de magnésio na veia é o tratamento mais comum em casos de eclâmpsia, que age controlando as convulsões e a entrada em coma. O tratamento deve ser feito após internamento hospitalar e o sulfato de magnésio deve ser administrado por um profissional de saúde diretamente na veia.

2. Repouso

Durante o internamento hospitalar, a grávida deve repousar o máximo possível, de preferência deitada para o lado esquerdo, de forma a melhorar o fluxo de sangue para o bebê.

3. Indução do parto

O parto é a única forma de curar a eclâmpsia, no entanto a indução pode ser atrasada com medicamentos de forma a que o bebê se possa desenvolver o máximo possível.

Assim, durante o tratamento, deve-se realizar um exame clínico diariamente, a cada 6h para controlar a evolução da eclâmpsia, e caso não haja melhoras, o parto deve ser induzido o mais rapidamente possível, de forma a resolver o quadro de convulsões provocado pela eclâmpsia.

Apesar da eclâmpsia normalmente melhorar após o parto, podem surgir complicações nos dias seguintes, por isso a mulher deve ser monitorada rigorosamente e quando observada a persistência de sinais de eclâmpsia, a hospitalização pode durar desde alguns dias até semanas, dependendo da gravidade do problema e das possíveis complicações.

Possíveis complicações

A eclâmpsia pode provocar algumas complicações, principalmente quando não tratada rapidamente assim que identificada. Uma das principais complicações é a síndrome HELLP, que é caracterizada por uma grave alteração da circulação sanguínea, em que há destruição dos glóbulos vermelhos, diminuição das plaquetas e lesão nas células do fígado, provocando aumento das enzimas hepáticas e bilirrubinas no exame de sangue. Saiba mais sobre o que é e como tratar a síndrome HELLP.

Outras possíveis complicações são diminuição do fluxo de sangue para o cérebro, causando lesões neurológicas, além de retenção de líquidos nos pulmões, dificuldades respiratórias e insuficiência renal ou do fígado.

Além disso, o bebês também podem ser afetados, podendo haver prejuízos no seu desenvolvimento ou a necessidade de antecipar o parto. Em alguns casos, o bebê pode não estar totalmente desenvolvido, e com isso podem haver problemas, como dificuldades respiratórias, sendo necessário o acompanhamento pelo neonatologista e, em alguns casos, internação na UTI para garantir melhores cuidados. 

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em maio de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.