Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Neutropenia febril: o que é, causas e tratamento

Julho 2019

A neutropenia febril pode ser definida como a diminuição da quantidade de neutrófilos, sendo detectado no exame de sangue menos que 500/µL, associada a febre acima ou igual a 38ºC por 1 hora. Essa situação é mais frequente de acontecer em pacientes oncológicos após realização de quimioterapia e pode levar a consequências e complicações no tratamento caso não seja tratada imediatamente.

Os neutrófilos são as principais células do sangue responsáveis pela proteção e combate a infecções, sendo o valor normal considerado entre 1600 e 8000/µL, podendo variar de acordo com o laboratório. Quando o número de neutrófilos é igual ou superior a 500/µL, é considerado o quadro de neutropenia grave, de modo que a pessoa fica mais susceptível a desenvolver infecções por microrganismos que habitam naturalmente o organismo.

Neutropenia febril: o que é, causas e tratamento

Causas de Neutropenia febril

A neutropenia febril é uma complicação frequente nos pacientes oncológicos que fazem tratamento quimioterápico, sendo uma das principais causas de mortalidade nesses pacientes, uma vez que a diminuição dos neutrófilos aumento o risco da pessoa ter infecções graves.

Além do tratamento quimioterápico, a neutropenia febril pode acontecer como consequência de infecções crônicas causadas por fungos, bactérias e vírus, principalmente o vírus Epstein-Barr e o da hepatite. Conheça outras causas de neutropenia.

Como é o tratamento

O tratamento da neutropenia febril varia de acordo com a gravidade. Os pacientes que foram identificados como possuindo neutropenia febril grave, em que a quantidade de neutrófilos encontra-se menor ou igual a 200/µL, são normalmente tratados com o uso de antibióticos pertencente a classe dos beta-lactâmicos, cefalosporinas de quarta geração ou carbapenêmicos. Além disso, no caso de se tratar de um paciente clinicamente instável ou que se suspeita de possuir uma infecção resistente, pode ser recomendado o uso de outro antibiótico para combater a infecção.

Nos casos de neutropenia febril de baixo risco, normalmente é realizado o acompanhamento do paciente, devendo ser realizado hemograma periodicamente para verificar os níveis de neutrófilos. Além disso, caso seja confirmada infecção por fungo ou bactéria, pode ser recomendado pelo médico o uso de antimicrobiano, seja antibiótico ou antifúngico dependendo do agente responsável pela infecção.

Quando a neutropenia febril acontece após a quimioterapia, é recomendado que o tratamento com antibiótico seja iniciado o mais rápido possível em até 1 hora após a verificação da febre.

Bibliografia >

  • ATALAIA, Gonçalo; VASCONCELOS, Patrícia; BRAGANÇA, Nuno. Neutropenia febril. Rev Clin Hosp Prof Dr Fernando Fonseca. Vol 03. 1 ed; 13-19, 2015
  • BELLESSO, Marcelo et al. Triagem para o tratamento ambulatorial da neutropenia febril. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia. Vol 32. 5 ed; 4002-408, 2010
  • BMJ BEST PRACTICE. Neutropenia febril. Disponível em: <https://bestpractice.bmj.com/topics/pt-br/950>. Acesso em 31 Jul 2019
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PEDIATRIA. Diretrizes para o manejo inicial da neutropenia febril, após quimioterapia, em crianças e adolescentes com câncer. 2018. Disponível em: <https://www.sbp.com.br/fileadmin/user_upload/Oncologia_-_20942d-Diretrizes_manejo_inicial_neutropenia_febril_pos_quimio__003_.pdf>. Acesso em 31 Jul 2019
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem