Neuropatia periférica: o que é, sintomas, causas e tratamento

dezembro 2021

A neuropatia periférica é uma doença que afeta os nervos periféricos, localizados fora do cérebro e da medula espinhal, e que coordenam diversas funções no corpo, como sensação de dor ou movimentos musculares, levando ao surgimento de sintomas como dor, formigamento, sensação de queimação, cãibras ou espasmos musculares, por exemplo.

A neuropatia periférica é mais comum de ocorrer em pessoas com diabetes, mas também pode ser causada por trauma ou compressão nos nervos, infecções ou doenças autoimunes, como artrite reumatóide ou síndrome de Guillain-Barré, por exemplo.

O tratamento da neuropatia periférica deve ser orientado por um neurologista ou clínico geral, que pode indicar o uso de remédios para controlar os sintomas e tratar a doença que causou o dano no nervo, além de fisioterapia, e em alguns casos, cirurgia.

Principais sintomas

Os sintomas da neuropatia periférica dependem do tipo de nervo afetado, como os nervos que controlam as sensações de temperatura ou dor, movimentos musculares, ou funções como pressão sanguínea, transpiração, digestão ou controle da urina, por exemplo.

De forma geral, os principais sintomas da neuropatia periférica são:

  • Dormência ou formigamento nas mãos ou nos pés;
  • Redução da capacidade de sentir dor e da sensibilidade a mudanças na temperatura ou toque;
  • Sensação de queimação ou de choque nos braços ou pernas;
  • Dor aguda ou latejante;
  • Cãibras ou espasmos musculares;
  • Sensibilidade extrema ao toque;
  • Perda do tato;
  • Fraqueza muscular ou dificuldade de caminhar ou movimentar os braços ou as pernas;
  • Perda de reflexos;
  • Perda do equilíbrio;
  • Perda da coordenação motora;
  • Retenção ou incontinência urinária;
  • Suor excessivo ou insuficiente em relação à temperatura externa ou esforço;
  • Problemas gastrointestinais como Inchaço abdominal, náuseas ou vômitos, diarréia ou prisão de ventre.

Além disso, a neuropatia periférica pode causar diminuição da pressão arterial, que pode ser percebida com sintomas como tontura ao levantar, vertigem ou desmaio, por exemplo.

É importante consultar o médico no caso de surgimento dos sintomas para que seja feito o diagnóstico da neuropatia periférica e iniciado o tratamento mais adequado.

Como confirmar o diagnóstico

O diagnóstico da neuropatia periférica é feito pelo neurologista ou clínico geral através da análise dos sintomas, histórico médico completo e exame físico para verificar como está a força e o tônus muscular, testar o reflexo dos tendões e analisar a sensibilidade ao toque e à mudanças de temperatura, como frio e calor.

O médico também pode solicitar exames específicos para confirmar o diagnóstico, como teste de condução nervosa, eletroneuromiografia, eletromiograma ou teste autonômico.

Além disso, outros exames que o médico pode solicitar são exames de sangue, exames de imagem como tomografia computadorizada ou ressonância magnética, e em alguns casos, pode ser necessária a realização de biópsia do nervo afetado.

Possíveis causas

A neuropatia periférica pode surgir por uma lesão em algum nervo periférico, localizado fora do cérebro e da medula espinhal, sendo as principais causas:

  • Diabetes;
  • Alcoolismo;
  • Má nutrição ou deficiência de vitaminas B ou E;
  • Doenças nos rins ou no fígado;
  • Hipotireoidismo;
  • Doenças autoimunes, como síndrome de Guillain-Barré, lúpus ou artrite reumatóide;
  • Infecções por vírus ou bactérias, como catapora, doença de Lyme, hepatite B ou C, ou HIV;
  • Trauma ou compressão nos nervos;
  • Câncer, como mieloma ou linfoma;
  • Quimioterapia para o câncer;
  • Remédios como antibióticos ou antirretrovirais;
  • Intoxicação por metais pesados, como chumbo ou mercúrio;
  • Doenças vasculares, como a vasculite.

Além disso, a neuropatia periférica pode ser causada por fatores genéticos, em pessoas com histórico familiar dessa doença.

Como é feito o tratamento

O tratamento da neuropatia periférica é feito pelo neurologista ou clínico geral para controlar a doença que originou a neuropatia, aliviar os sintomas ou evitar que a doença piore.

Os principais tratamentos que podem ser indicados pelo médico são:

1. Remédios

Alguns remédios que podem ser indicados pelo médico para aliviar a dor causada pela neuropatia periférica, incluem:

  • Analgésicos opióides, como tramadol, oxicodona ou morfina;
  • Anticonvulsivantes, como gabapentina ou pregabalina;
  • Antidepressivos, como nortriptilina, desipramina ou duloxetina;

Em alguns casos, o antidepressivo pode ser usado junto com um anticonvulsivante ou esses medicamentos podem ser usados ​​com analgésicos, para ajudar a controlar a dor.

Além disso, o médico ainda pode indicar o uso do creme de capsaicina para uso sobre a pele na região afetada, ou até mesmo adesivo de lidocaína, que é um tipo de anestésico, para ajudar a aliviar a dor no nervo.

O uso desses remédios deve ser feito somente sob a supervisão médica e com doses específicas para cada pessoa.

2. Fisioterapia

A fisioterapia pode ser indicada pelo médico nos casos de fraqueza muscular e tem como objetivo ajudar a fortalecer os músculos e a melhorar a movimentação no dia a dia da pessoa.

Outro tipo de tratamento fisioterápico que pode ser indicado pelo médico é a terapia por estimulação elétrica nervosa transcutânea, que é um tipo de eletroterapia que consiste na emissão de correntes elétricas pulsadas que estimulam nervos e músculos através da pele, o que bloqueia os sinais de dor e aumenta a produção de substâncias fisiológicas do organismo que têm efeito analgésico, como as endorfinas. Entenda como funciona a eletroterapia.

3. Cirurgia

A cirurgia para neuropatia periférica pode ser indicada e realizada pelo médico no caso da neuropatia ter sido causada por compressão nos nervos devido ao câncer, por exemplo, e, desta forma, reduzir a pressão no nervo afetado, ajudando a reduzir a dor.

Possíveis complicações

A neuropatia periférica pode causar algumas complicações como queimaduras ou machucados na pele, ou quedas, devido a perda do equilíbrio, por exemplo.

Além disso, pessoas com neuropatia diabética causada por diabetes, podem desenvolver feridas, úlceras e outras lesões nos pés que não doem, e aumentar o risco de infecções na ferida, sendo essa complicação conhecida como pé diabético. Entenda melhor o que é o pé diabético e como é feito o tratamento.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em dezembro de 2021.

Bibliografia

  • BARRELL, K.; SMITH, A. G. Peripheral Neuropathy. Med Clin North Am. 103. 2; 383-397, 2019
  • STAFF, N. P.; et al. Chemotherapy-induced peripheral neuropathy: A current review. Ann Neurol. 81. 6; 772-781, 2017
Mostrar bibliografia completa
  • Watson, J. C.; DYCK, P. J. B. Peripheral Neuropathy: A Practical Approach to Diagnosis and Symptom Management. Mayo Clin Proc. 90. 7; 940-51, 2015
  • SIAO, P.; KAKU, M. A Clinician's Approach to Peripheral Neuropathy. Semin Neurol. 39. 5; 519-530, 2019
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.