Lactato: o que é, valor de referência e o que significa lactato alto

Revisão clínica: Marcela Lemos
Biomédica
julho 2022

O lactato é um produto do metabolismo da glicose, ou seja, é resultado do processo da transformação da glicose em energia para as células quando não há quantidade suficiente de oxigênio, processo chamado de glicólise anaeróbica. No entanto, mesmo em condições aeróbias, em que há oxigênio, há produção de lactato, mas em menores quantidades.

A dosagem do lactato é na maioria das vezes realizada no hospital para avaliar o estado geral do paciente e a resposta ao tratamento, principalmente quando há suspeita de infecção no sangue. Porém, pode ser também indicado para avaliar o desempenho do atleta e a intensidade do exercício, por exemplo.

O lactato é uma substância importante, pois é considerado sinalizador para o Sistema Nervoso Central, biomarcador de alterações nervosas e de hipoperfusão tecidual, em que há pouca quantidade de oxigênio chegando aos tecidos, e de intensidade da atividade física e fadiga muscular, já que quanto mais intensa a atividade, maior é a necessidade de oxigênio e energia, o que leva à maior produção de lactato.

Quando fazer o exame do lactato

A dosagem do lactato é muito utilizada na prática clínica em pacientes internados e como indicador da intensidade da atividade física e fadiga muscular.

Nos hospitais, a dosagem de lactato é importante para avaliar o estado geral do paciente e verificar a resposta ao tratamento. Normalmente a dosagem é feita nos pacientes internados que estão com suspeita ou foram diagnosticados com sepse ou choque séptico, que são situações caracterizadas por lactato acima de 2 mmol/ L além de diminuição da pressão arterial, respiração rápida, diminuição da produção de urina e confusão mental.

Dessa forma, ao realizar a dosagem de lactato é possível verificar se o paciente está respondendo do tratamento ou se é necessário alterar o plano terapêutico e aumentar os cuidados de acordo com a diminuição ou aumento dos níveis de lactato.

No meio esportivo, a dosagem de lactato permite determinar o grau de desempenho do atleta e a intensidade do exercício. Em atividades físicas muito intensas ou de longa duração, a quantidade de oxigênio disponível nem sempre é suficiente, sendo necessária a produção de lactato para manter a atividade das células. Dessa forma, a medição da quantidade de lactato após a atividade física permite que o educador físico indique um plano de treino mais adequado para o atleta.

Como é feito o exame

Para fazer o exame do lactato não é necessário jejum ou nenhum outro tipo de preparo, sendo apenas recomendado que a pessoa evite a prática de atividade física no dia anterior à realização do exame, já que o exercício por interferir no resultado do exame.

Valor de referência do lactato

O valor de referência do lactato no sangue pode variar de acordo com o laboratório, no entanto é considerado que o valor normal é entre 5,7 a 22,0 mg/dL ou 0,63 a 2,44 mmol/L, em repouso. Após a prática de exercício, é comum que a concentração do lactato aumente, no entanto não são estabelecidos valor de referência para essa situação.

O que significa lactato alto

As principais causas de lactato alto são:

  • Sepse e choque séptico, em que devido à produção de toxinas pelos microrganismos há diminuição da quantidade de oxigênio que chega aos tecidos, havendo aumento da produção de lactato;
  • Atividade física intensa, pois em algumas situações a quantidade de oxigênio para realização do exercício não é suficiente, havendo aumento da produção de lactato;
  • Fadiga muscular, devido a grandes quantidades de lactato acumuladas no músculo;
  • Síndrome da resposta inflamatória sistêmica (SRIS), já que há alteração do fluxo sanguíneo e das células do sistema imunológico, tendo como consequência aumento da produção de lactato na tentativa de manter as atividades celulares e auxiliar na solução da inflamação. A dosagem do lactato nessa situação é muito utilizada para acompanhar a resposta do paciente e medir o risco de falência de órgãos, sendo indicador de prognóstico;
  • Choque cardiogênico, em que há alteração do suprimento sanguíneo para o coração e, consequentemente, oxigênio;
  • Choque hipovolêmico, em que há grande perda de líquidos e sangue, alterando a distribuição de sangue para os tecidos;

Além disso, alguns estudos demonstraram que o aumento do lactato pode acontecer no caso de problemas hepáticos e renais, diabetes mellitus, intoxicação por drogas e toxinas e acidose metabólica, por exemplo.

O aumento da concentração de lactato circulante, chamada de hiperlactemia, pode acontecer devido ao aumento da produção de lactato, alteração no fornecimento de oxigênio para os tecidos ou deficiência na eliminação dessa substância do organismo, resultando no seu acúmulo no sangue. Dessa forma, a partir da avaliação da concentração de lactato, é possível realizar o diagnóstico de doenças, acompanhar a evolução do paciente e a resposta ao tratamento e prever o desfecho clínico.

Esta informação foi útil?

Atualizado e revisto clinicamente por Marcela Lemos - Biomédica, em julho de 2022.

Bibliografia

  • PROGRAMA NACIONAL DE CONTROLE DE QUALIDADE. Valores críticos de exames laboratoriais que necessitam de imediata tomada de decisão, em atendimento à RDC 302:2005 da Anvisa. 2019. Disponível em: <http://pncq.org.br/uploads/2019/Valores%20cr%a1ticos%20no%20laborat%a2rio%20cl%a1nico_nov2019.pdf>. Acesso em 06 jul 2022
  • ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, CENTRO CIENTÍFICO CONHECER. Uso do lactato para auxílio no prognóstico de pacientes críticos. 2018. Disponível em: <https://www.conhecer.org.br/enciclop/2018B/AGRAR/uso%20do%20lactato.pdf>. Acesso em 26 set 2019
Mostrar bibliografia completa
  • ALMEIDA, Samantha L. S et al. Hiperlactatemia à Admissão na UTI é Um Determinante de Morbimortalidade em Intervenções Cirúrgicas não Cardíacas de Alto Risco. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. Vol 18. 4 ed; 360-365, 2006
  • SANTOS, Gustavo B. Lactato: De vilão a mocinho. Revista Brasileira de Nutrição Funcional. Vol 42. 77 ed; 23-30, 2019
  • BAKKER, Jan. Lactato é O alvo para ressuscitação precoce na sepse. Revista Brasileira de Terapia Intensiva. Vol 29. 2 ed; 124-127, 2017
Revisão clínica:
Marcela Lemos
Biomédica
Mestre em Microbiologia Aplicada, com habilitação em Análises Clínicas e formada pela UFPE em 2017 com registro profissional no CRBM/ PE 08598.