Jatobá: para que serve e como usar

Setembro 2021

O jatobá é uma árvore, de nome científico  Hymenaea courbaril, que possui propriedades anti-inflamatórias, antioxidantes, antiespasmódicas e expectorantes, que podem ser usadas para ajudar no tratamento de feridas, dor de estômago, diarreia, inflamação na garganta, dores generalizadas ou bronquite, por exemplo. 

As partes mais utilizadas do jatobá são a casca, que pode ser usada na forma de chá, e as folhas, usadas na forma de tintura. Além disso, a polpa dos frutos do jatobá, também pode ser consumida na sua forma natural, crua ou assada, ou usada no preparo de geléia, licor ou farinha para confecção de biscoitos, pães ou salgadinhos.

O jatobá pode ser encontrado em ervanários, lojas de produtos naturais, farmácias de manipulação, mercados ou algumas feiras livres, e deve ser usado com orientação de um médico ou outro profissional de saúde que tenha experiência com o uso de plantas medicinais.

Jatobá: para que serve e como usar

Para que serve 

O jatobá possui várias propriedades medicinais, sendo adstringente, antibacteriano, antiespasmódico, antifúngico, anti-inflamatório, antioxidante, cicatrizante, diurético, estimulante, expectorante, fortificante, hepatoprotetor, laxante, tônico e vermífugo.

O jatobá normalmente é usado para ajudar no tratamento de: 

  • Dor de estômago;
  • Anemia; 
  • Falta de apetite;
  • Cansaço ou sensação de falta de energia;
  • Artrite;
  • Bronquite;
  • Bursite;
  • Nariz entupido;
  • Diarreia ou infecção intestinal; 
  • Excesso de gases intestinais;
  • Prisão de ventre;
  • Febre;
  • Sangramento ou hemorragia;
  • Inflamação no canal da urina ou presença de sangue na urina; 
  • Retenção de urina;
  • Hepatite;
  • Inflamação na garganta;
  • Tuberculose.

Além disso, o jatobá pode ser usado para combater vermes intestinais ou fungos na pele, por exemplo.

Como usar

As partes utilizadas do jatobá são suas cascas ou folhas de onde são extraídas as substâncias ativas com propriedades medicinais.

As principais formas de usar o jatobá são:

  • Chá de jatobá: adicionar 2 colheres (de sopa) das cascas de jatobá em uma panela com 1 litro de água e deixar ferver por 15 minutos. Esperar amornar, coar e beber até 3 xícaras por dia;
  • Tintura de jatobá: diluir 1 colher (de chá) da tintura de folhas de jatobá em 1 copo de água e beber até 3 vezes por dia.

A duração do tratamento com a jatobá depende da orientação e indicação médica.

Cuidados antes de usar

Por se tratar de uma planta medicinal, é recomendado utilizar o jatobá somente com indicação médica, devendo-se informar ao médico todos os medicamentos são utilizados, alergias ou outros problemas de saúde, para que seu uso seja orientado pelo médico.

Efeitos colaterais e contraindicações

Os efeitos colaterais e as contraindicações do jatobá ainda não são conhecidas, por isso, o seu uso deve ser feito somente com orientação médica ou de um profissional de saúde com experiência em plantas medicinais.

Esta informação foi útil?

Bibliografia

  • TAMAYO, Luz María Alzate; et al. Propiedades farmacológicas del Algarrobo (Hymenaeacourbaril Linneaus) de interés para la industria dealimentos. Revista Lasallista de Investigación. 5. 2; 100-111, 2008
  • TONINI, H.; ARCO-VERDE, M. F. O Jatobá (Hymenaea courbaril L.); crescimento, potencialidades e usos. Documento ISSN 0101 – 9805, 2003. EMBRAPA: Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária | Centro de Pesquisa Agroflorestal de Roraima | Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
  • BONIFACE, P. K.; et al. Current state of knowledge on the traditional uses, phytochemistry, and pharmacology of the genus Hymenaea. J Ethnopharmacol. 206. 193-223, 2017
  • DE ANDRADE SILVA, C. A.; FONSECA, G. G. Brazilian savannah fruits: Characteristics, properties, and potential applications. Food Sci Biotechnol. 25. 5; 1225-1232, 2016
  • SCHWARTZ, Gustavo. Jatoba—Hymenaea courbaril. Exotic Fruits. 257-261, 2018
  • SOUZA, R. K. D.; et al. Ethnopharmacology of medicinal plants of carrasco, northeastern Brazil. Journal of Ethnopharmacology. 157. 99-104, 2014
Mais sobre este assunto: