Insulina vegetal: o que é, para que serve e como usar

janeiro 2022

A insulina vegetal, é uma planta medicinal de nome científico Cissus sicyoides, que é rica em flavonóides, resveratrol, cumarinas e taninos, que lhe conferem propriedades antioxidantes e hipoglicemiantes, que podem ajudar a normalizar os níveis de açúcar no sangue, sendo, por isso, popularmente utilizada como remédio caseiro para auxiliar no tratamento da diabetes.

A parte normalmente utilizada da insulina vegetal são suas folhas, que podem ser usadas secas ou frescas, geralmente para o preparo do chá, no entanto, também pode ser usada na forma de compressas, tintura ou xarope.

A insulina vegetal pode ser encontrada em ervanários, lojas de produtos naturais, farmácias de manipulação, mercados e algumas feiras livres, mas deve ser usada apenas com orientação de um médico ou outro profissional de saúde que tenha experiência com o uso de plantas medicinais.

Para que serve

A insulina vegetal possui propriedades hipoglicemiantes, anti-inflamatórias, antioxidantes, antimicrobianas e anti-reumáticas, sendo normalmente indicada para:

  • Diabetes;
  • Pressão baixa;
  • Inflamação muscular;
  • Reumatismo;
  • Má circulação;
  • Abcessos;
  • Furúnculos.

Além disso, a insulina vegetal também pode ser usada para auxiliar no tratamento de convulsões ou doenças do coração.

Embora tenha muitos benefícios, esta planta medicinal não substitui o tratamento médico e deve ser usada com orientação do médico ou de um fitoterapeuta. 

São também necessários mais estudos científicos para comprovar a segurança e a eficácia da insulina vegetal para o tratamento da diabetes.

Como usar

A insulina vegetal pode ser usada na forma de chá ou compressas, preparados com as folhas da planta:

1. Chá de insulina vegetal

O chá de insulina vegetal pode ser preparado com as folhas secas ou frescas desta planta e é principalmente utilizado para auxiliar no tratamento da diabetes, sob orientação médica.

Ingredientes

  • 2 colheres (de sopa) folhas secas ou 1 folha fresca picada de insulina vegetal;
  • 1 litro de água.

Modo de preparo

Adicionar a água e as folhas secas ou frescas da insulina vegetal em uma panela, e levar ao fogo para ferver. Quando começar a ferver, desligar o fogo e deixar descansar por mais 10 minutos. Em seguida, coar e tomar 1 xícara, 2 a 3 vezes por dia.

Para usar a insulina vegetal para controlar a diabetes e os níveis de açúcar no sangue, deve-se consultar o médico para ter orientações, pois essa planta pode interferir na dose do remédio para diabetes e causar hipoglicemia, que ocorre quando os níveis de açúcar no sangue baixam muito, colocando a vida em risco. 

2. Compressas de insulina vegetal

As compressas de insulina vegetal podem ser usadas para aplicação sobre a pele, nos casos de reumatismo, abscessos, inflamação muscular ou furúnculos.

Para fazer a compressa, deve-se amassar 1 ou 2 folhas frescas da insulina vegetal com um pilão, aplicar sobre a pele da região afetada e cobrir com uma compressa limpa.

Possíveis efeitos colaterais

O principal efeito colateral que pode surgir com o uso da insulina vegetal é a hipoglicemia, especialmente quando essa planta é usada em quantidades maiores do que as recomendadas ou junto com remédios para diabetes. Saiba identificar os sintomas da hipoglicemia

Por isso o uso da insulina vegetal deve ser feito com indicação médica ou de um profissional com experiência em plantas medicinais.

Quem não deve usar

A insulina vegetal não deve ser usada por crianças, mulheres grávidas, lactantes, por pessoas com a pele muito sensível ou que tenham alergia a essa planta medicinal.

Além disso, deve ser usada com cautela por pessoas que utilizam remédios para diabetes.

É importante ressaltar que o uso da insulina vegetal deve ser feito apenas após indicação do médico ou do fitoterapeuta.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em janeiro de 2022.

Bibliografia

  • BELTRAME, F. L.; et al. Estudo fitoquímico e avaliação do potencial antidiabético do Cissus sicyoides. Quím. Nova. 24. 6; 783-785, 2001
  • SALAZAR, M. A.R.; et al. Chemical composition, antioxidant activity, neuroprotective and anti-inflammatory effects of cipó-pucá ( Cissus sicyoides L.) extracts obtained from supercritical extraction. Journal of Supercritical Fluids The 138. 138. 36-45, 2018
Mostrar bibliografia completa
  • SALGADO, J. M.; et al. Cissus sicyoides: Analysis of Glycemic Control in Diabetic Rats Through Biomarkers. J Med Food. 12. 4; 722-7, 2009
  • VIANA, G. S. B.; et al. Hypoglycemic and anti-lipemic effects of the aqueous extract from Cissus sicyoides. BMC Pharmacol. 2004; 4: 9. 4. 9, 2004
  • UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Cipó-insulina. Disponível em: <https://hortodidatico.ufsc.br/tag/asma/page/2/>. Acesso em 28 jan 2022
  • BELTRAME, F. L.; et al. Evaluation of the Antidiabetic and Antibacterial Activity of Cissus sicyoides. Human and Animal Health • Braz. arch. biol. technol. 45. 1; 21-25, 2002
  • ALMEIDA, E. R.; et al. Anxiolytic and Anticonvulsant Effects on Mice of Flavonoids, Linalool, and -Tocopherol Presents in the Extract of Leaves of Cissus sicyoides. Journal of Biomedicine and Biotechnology. 1-7, 2009
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.

Tuasaude no Youtube

  • 8 Melhores frutas para DIABETES

    16:43 | 405363 visualizações
  • Como fazer BIOMASSA de Banana Verde

    01:42 | 171609 visualizações
  • Alimentação para DIABÉTICO

    03:14 | 1284225 visualizações