Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Hemiplegia: um tipo de paralisia cerebral

A hemiplegia é um tipo de paralisia cerebral que atinge um dos lados do corpo deixando-o paralisado e muito debilitado.

A hemiplegia pode acontecer devido à complicações na gravidez, sendo denominada hemiplegia congênita, ou devido à situações que afetem o cérebro, como por exemplo Acidente Vascular Cerebral (AVC), infecção que atinja o sistema nervoso, esclerose e, até mesmo ser consequência do agravamento da diabetes, sendo denominado hemiplegia adquirida.

Apesar de não poder ser totalmente revertida, o tratamento da hemiplegia deve ser feito o mais rápido possível para melhorar a qualidade de vida da pessoa, que normalmente é feito com fisioterapia.

Principais causas

A hemiplegia pode ser causada por lesões cerebrais, como, por exemplo, hemorragia, congestão ou embolia, podendo surgir também como um sintoma da aterosclerose ou após um acidente vascular cerebral (AVC). Saiba como identificar o AVC.

Embora diferentes tipos de lesões possam causar a paralisia cerebral, ela pode ocorrer especialmente durante os primeiros anos de vida quando a criança desenvolve doenças graves como a meningite, infecções ou desidratação grave, mas em muitos casos sua causa é desconhecida.

A paralisia cerebral é progressiva, embora os sintomas possam oscilar de quase imperceptível à espasticidade (rigidez) grave, em todas as formas a fala pode ser difícil de entender devido a dificuldade em controlar os músculos relacionados à pronúncia das palavras. Entenda o que é espasticidade.

Hemiplegia: um tipo de paralisia cerebral

Características da hemiplegia

A hemiplegia pode ser caracterizada por dor nas articulações, diminuição da sensibilidade no lado do corpo afetado e dificuldade de realizar movimentos. Outras características da hemiplegia são:

  • Lado afetado da face contraído, deixando a boca torta e dificuldade em abrir e fechar os olhos;
  • Dificuldade nos movimentos do braço e da perna do lado afetado pelo "derrame";
  • Espasticidade ou rigidez, em que o braço tende a ficar encolhido e a perna tende a ficar muito dura sendo difícil dobrar o joelho;
  • Dificuldade em iniciar os movimentos com o braço e com a perna afetada;
  • Escoliose.

De acordo com o lado do cérebro acometido podem haver outros sinais e sintomas, como por exemplo:

1. Hemiplegia à esquerda - Lesão cerebral no lado direito:

  • Dificuldade em orientar-se em relação ao ambiente;
  • Negligência do lado esquerdo do corpo;
  • Não se veste iniciando pelo lado afetado;
  • Dificuldade com números, sendo difícil realizar contas, por exemplo.

2. Hemiplegia à direita - Lesão cerebral no lado esquerdo:

  • Não reconhece os símbolos numéricos ( + - = );
  • Dificuldade em distinguir o lado direito do esquerdo em si próprio e nos outros;
  • Dificuldade em lembrar-se do que ia fazer;
  • Dificuldade em planejar ou executar tarefas.

Estas alterações podem não estar todas presentes na pessoa pois depende da gravidade da lesão e da sua recuperação. 

Além disso, de acordo com os sintomas, a hemiplegia pode ser classificada em 4 tipos: espástica, coreoatetóide, atáxica e mista. Saiba mais sobre os tipos de hemiplegia.

Como é feito o tratamento

O tratamento da hemiplegia é feito como objetivo de melhorar a qualidade de vida da pessoa, sendo normalmente realizada reabilitação com terapia funcional e fisioterapia, principalmente, já que melhora o aspecto facial, a mobilidade dos membros e dá mais independência para a pessoa realizar suas atividades diárias. Saiba como é feita a fisioterapia para hemiplegia.

Em alguns casos, indica-se o uso da toxina botulínica como forma de diminuir a espasticidade e melhorar a capacidade de movimentos da pessoa, mas nem todos têm indicação para tal tratamento. Por norma o tratamento para a hemiplegia é feito somente com fisioterapia, hidroterapia e, por vezes, atividade física realizada de forma individual com um educador físico capaz.

A cirurgia é realizada somente em último caso, quando a pessoa apresenta contraturas musculares, e é feita por meio do corte de alguns ligamentos para aliviar as contraturas.

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar