Garra do diabo (harpago): para que serve e como fazer o chá

A garra-do-diabo, também conhecida por harpago, é uma planta medicinal da espécie Harpagophytum procumbens, rica em harpagosídeos, flavonóides, canferol, ácido caféico e ácido clorogênico, com propriedades antirreumáticas, anti-inflamatórias, analgésicas e antioxidantes, sendo, por isso, muito utilizada para o tratamento da artrite reumatóide, osteoartrite ou reumatismo.

A parte normalmente utilizada da garra do diabo é a raiz, de onde são extraídas as substâncias ativas com propriedades medicinais, para o preparo do chá ou cápsulas.

A garra-do-diabo pode ser encontrada em lojas de produtos naturais, farmácias de manipulação e em algumas feiras livres, e deve ser usado com orientação de um médico ou outro profissional de saúde que tenha experiência com o uso de plantas medicinais.

Para que serve

A garra do diabo possui propriedades analgésicas, anti-inflamatórias e antirreumáticas, sendo normalmente indicada para:

  • Reumatismo;
  • Osteoartrite;
  • Artrite reumatoide;
  • Gota;
  • Tendinite;
  • Bursite;
  • Epicondilite;
  • Dor na coluna e na região lombar;
  • Fibromialgia.

Devido suas propriedades medicinais, a garra do diabo pode ajudar a aliviar a dor, inchaço, vermelhidão nas articulações, além de proteger o revestimento e a cartilagem das articulações melhorando a movimentação e diminuindo a rigidez.

Além disso, alguns estudos sugerem que a garra do diabo também poderia ajudar no tratamento de alterações gastrointestinais, como dispepsia, além de poder também ter ação no caso de infecções urinárias, febre e nas dores pós-parto.

Embora tenha muitos benefícios, a garra do diabo não substitui o tratamento indicado pelo médico, sendo apenas um complemento, e deve ser usada somente com orientação do médico ou de um fitoterapeuta.

Como fazer o chá de garra do diabo

A parte utilizada da garra do diabo é a raiz seca, de onde as substâncias ativas, com propriedades analgésicas, anti-inflamatórias e antirreumáticas, são extraídas para o preparo do chá.

Ingredientes

  • 1 colher (de chá) das raízes secas de garra do diabo;
  • 1 xícara de água.

Modo de preparo

Colocar a raiz seca da garra do diabo e a água para ferver por 15 minutos em fogo baixo. Coar e beber de 2 a 3 xícaras do chá por dia.

Outra opção é utilizar a garra do diabo em cápsulas, podendo a dosagem variar de acordo com a idade da pessoa e objetivo do uso. Veja como tomar as cápsulas de garra do diabo corretamente.

Possíveis efeitos colaterais

A garra de diabo é considerada segura para adultos quando utilizada por até 12 semanas de tratamento e nas quantidades recomendadas. No entanto, quando consumida em excesso, pode causar efeitos colaterais como irritação da mucosa gastrointestinal, diarreia, náuseas, má digestão, dor de cabeça e perda do paladar ou do apetite.

Além disso, a garra do diabo pode causar reações alérgicas e, por isso, o seu uso deve ser feito somente com orientação médica ou de um profissional de saúde com experiência em plantas medicinais.

Quem não deve usar

A garra do diabo não deve ser usada por crianças, por mulheres grávidas, pois pode causar problemas no feto, ou mulheres em amamentação.

Além disso, essa planta não deve ser usada por pessoas alérgicas à garra do diabo, ou que tenham úlceras de estômago ou intestino, pedra na vesícula, obstrução das vias biliares e gastrite.

A garra do diabo também não deve ser usada por pessoas com problemas circulatórios ou cardíacos, ou que usam anticoagulantes, como a varfarina, pois pode aumentar o risco de sangramentos.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em setembro de 2022. Revisão clínica por Manuel Reis - Enfermeiro, em setembro de 2022.

Bibliografia

  • Schmidit, I. O Léxico das Plantas Medicinais. 1ed. Dinalivro, 2007. 130-133.
  • WARNOCK, Mary; et al. Effectiveness and safety of Devil's Claw tablets in patients with general rheumatic disorders. Phytotherapy Research. 21. 12; 1228-1233, 2017
Mostrar bibliografia completa
  • COSTA, E. Nutrição & Fitoterapia. 2ed. Brasil: Vozes Ltda, 2011. 151-152.
  • Monografia da espécie Harpagophytum procumbens DC. ex Meissn. (“garra-do-diabo”). Monografia, 2015. Ministério da saúde e ANVISA.
  • GRUNWALD, JORG; JANICKE, CHRISTOF. A farmácia verde. Espanha: Editora Everest, 2009. 364-365.
  • MYRALIS PHARMA. Bioflan - Harpagophytum procumbens. 2014. Disponível em: <http://media.netfarma.com.br/bulas/Bioflan-30-P00029MYL00.pdf>. Acesso em 12 jun 2019
  • BVS. Quais as evidências para o uso de Garra do Diabo na Atenção Primária à Saúde?. Disponível em: <https://aps.bvs.br/aps/quais-as-evidencias-para-o-uso-de-garra-do-diabo-na-atencao-primaria-a-saude/>. Acesso em 17 dez 2020
  • MENGHINI, Luigi; RECINELLA, Lucia; LEONE, Sheila; CHIAVAROLI, Annalisa; et al. Devil's claw (Harpagophytum procumbens) and chronic inflammatory diseases: A concise overview on preclinical and clinical data. Phytother Res. Vol 33. 9 ed; 2152-2162, 2019
  • BRIEN, Sarah; LEWITH, George T.; MCGREFOR, Gerry. Devil's Claw (Harpagophytum procumbens) as a Treatment for Osteoarthritis: A Review of Efficacy and Safety. The Journal of Alternative and Complementary Medicine. Vol 12. 10 ed; 2007
Revisão clínica:
Manuel Reis
Enfermeiro
Pós-graduado em fitoterapia clínica e formado pela Escola Superior de Enfermagem do Porto, em 2013. Membro nº 79026 da Ordem dos Enfermeiros.