Glicemia de jejum: o que é, valores de referência (e resultados)

O exame de glicemia em jejum serve para medir a taxa de glicose na circulação sanguínea, sendo útil para investigar o diagnóstico de diabetes, e para monitorar as taxas de açúcar no sangue de pessoas diabéticas ou com risco para esta doença. O valor normal de glicose em jejum é até 99 mg/dL.

A glicemia de jejum, ou glicose em jejum, precisa ser feito após um jejum de 8 a 12 horas de duração, ou de acordo com a orientação do médico, sem o consumo de qualquer alimento ou bebida, exceto água.

Além disso, para se obter resultados mais confiáveis, este exame pode ser solicitado em conjunto com outros que também avaliam estas alterações, como o teste de tolerância oral à glicose (ou TOTG) e hemoglobina glicada, principalmente se for verificada alteração no exame de glicose em jejum. Conheça mais sobre os exames que confirmam o diabetes.

Imagem ilustrativa número 1

Valores de referência da glicemia em jejum

Os valores de referência da glicemia em jejum são:

  • Glicemia de jejum normal: inferior a 99 mg/dL;
  • Glicemia de jejum alterada: entre 100 mg/dL e 125 mg/dL;
  • Diabetes: igual ou superior a 126 mg/dL;
  • Glicemia de jejum baixa ou hipoglicemia: igual ou inferior a 70 mg/dL.

Para confirmar o diagnóstico de diabetes, quando o valor da glicemia é igual ou maior que 126 mg/dl, é necessário repetir o exame outro dia, pois são recomendados, pelo menos, 2 amostras, além de poder ser necessária a realização do exame da hemoglobina glicada e do teste de tolerância oral à glicose.

Calculadora da glicemia

Para entender melhor o resultado do exame de glicose, indique o seu resultado na calculadora a seguir:

Erro
Erro

O que significa o resultado

O resultado é considerado normal quando a glicemia de jejum está até 99 mg/dL e diabetes quando o valor está igual ou acima 126 mg/dL.

Já quando os valores do exame se encontram entre os 100 e os 125 mg/dL, significa que a glicemia em jejum está alterada, ou seja, a pessoa tem um pré-diabetes, situação em que a doença ainda não se instalou, mas há um risco aumentado de se desenvolver. Saiba mais sobre o que é e como tratar o pré-diabetes.

O exame da glicemia de jejum na gravidez faz parte da rotina do pré-natal e pode ser feito em qualquer trimestre da gestação, porém os valores de referência são diferentes. Assim, para as gestantes, quando a glicemia em jejum está acima de 92 mg/dL, pode se tratar de um quadro de diabetes gestacional, entretanto, o principal exame para diagnóstico deste quadro é a curva glicêmica ou TOTG. Saiba o que significa e como é feito o exame de curva glicêmica.

Como se preparar para o exame

O preparo do exame de glicemia em jejum inclui a não ingestão de qualquer alimento ou bebida que contenha calorias por, no mínimo, 8 horas, não devendo ultrapassar as 12 horas de jejum. Veja mais sobre o jejum para o exame de sangue.

É recomendado manter a dieta habitual na semana prévia ao exame e, além disso, é importante não consumir álcool, evitar cafeína e não praticar exercícios rigorosos no dia anterior ao exame.

Quem deve fazer o exame

Este exame costuma ser solicitado pelos médicos para rastrear a diabetes ou para acompanhar os níveis de glicemia nas pessoas que já foram diagnosticadas com diabetes e estão fazendo o tratamento. 

Esta investigação costuma ser feita para todas as pessoas acima dos 45 anos, a cada 3 anos, mas pode ser feita em pessoas mais jovens ou em menor tempo, se houver fatores de risco para diabetes, como:

  • Sintomas de diabetes, como sede excessiva, fome excessiva e perda de peso;
  • História familiar de diabetes;
  • Sedentarismo;
  • Obesidade;
  • Colesterol HDL (bom) baixo;
  • Pressão alta;
  • Doença coronariana, como angina ou infarto;
  • História de diabetes gestacional ou parto de filho com macrossomia;
  • Uso de medicação hiperglicemiante, como corticosteroides e beta-bloqueadores.

Em casos de glicemia de jejum alterada ou tolerância à glicose diminuída detectada em exames prévios, também é recomendado repetir o exame anualmente.