Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é a doença de Lyme, principais sintomas e tratamento

A doença de Lyme, também conhecida como doença do carrapato, é uma doença causada pela picada de um carrapato contaminado pela bactéria Borrelia burgdorferi, levando ao aparecimento de uma mancha vermelha circular na pele, que aumenta ao longo do tempo. Geralmente, o carrapato pica a pele sem que a pessoa perceba até que os primeiros sintomas apareçam.

Assim que os primeiros sintomas são notados, é importante consultar um infectologista ou um clínico geral para fazer exames, confirmar a infecção e iniciar o tratamento adequado, que normalmente é feito com o uso de antibióticos.

Caso o tratamento não seja feito ou seja feito de maneira incorreta, podem surgir complicações, como artrite, meningite ou problemas no coração, que diminuem bastante a qualidade de vida.

Mancha circular avermelhada
Mancha circular avermelhada

Principais sintomas

Os sintomas da doença de Lyme são progressivos, sendo classificados em:

Sintomas iniciais

O sintomas iniciais surgem entre 3 a 30 dias após a picada do carrapato infectado e incluem:

  1. Lesão e vermelhidão na pele no local da picada, parecido com um olho de boi, entre 2 a 30 cm, que vai aumentando de tamanho com o tempo;
  2. Cansaço;
  3. Dor nos músculos, articulações e dor de cabeça;
  4. Febre e calafrios;
  5. Rigidez da nuca.

Quando se tem algum destes sintomas, especialmente acompanhados de uma mancha e vermelhidão na pele, é aconselhado consultar imediatamente um clínico geral, ou infectologista, para confirmar o diagnóstico e iniciar o tratamento com os antibióticos.

Sintomas tardios

Já os sintomas tardios aparecem quando o tratamento não é iniciado a tempo e estão relacionados com o aparecimento das complicações como:

  1. Artrite, principalmente no joelho, em que há dor e inchaço nas articulações;
  2. Sintomas neurológicos, como dormência e dor nos pés e nas mãos, paralisia dos músculos da face, falhas de memória e dificuldades de concentração;
  3. Meningite, que é caracterizada por dor de cabeça severa, rigidez da nuca e aumento da sensibilidade à luz;
  4. Problemas de coração, sendo notados devido a palpitações, falta de ar e desmaio.

Na presença destes sintomas, é recomendado ir ao hospital para receber o tratamento da doença e evitar o agravamento das complicações que, quando não são tratadas, podem colocar em risco a vida.

Como confirmar o diagnóstico

A doença de Lyme normalmente é diagnosticada através de exames de sangue que podem ser feitos 3 a 6 semanas depois da pessoa ser mordida pelo carrapato, que é o tempo necessário para a infecção se desenvolver e aparecer nos exames.

Desta forma, os exames que podem ser utilizados para detectar a doença de Lyme incluem:

  • Exame ELISA: é um tipo de exame sorológico realizado com o objetivo de identificar anticorpos específicos produzidos pelo sistema imunológico contra a bactéria e, assim, verificar a concentração dessa bactéria no organismo;
  • Exame de Western Blotting: é um tipo de exame em que é utilizada uma pequena amostra de sangue para estudar as proteínas que os anticorpos usaram para combater a bactéria causadora da doença.

A doença de Lyme é confirmada quando o resultado dos dois exames é positivo. Além disso, o médico pode solicitar a realização de hemograma e a dosagem da Proteína C reativa (PCR) para identificar que está havendo uma infecção.

O que é a doença de Lyme, principais sintomas e tratamento

Como é feito o tratamento

O tratamento para a Doença de Lyme é feito através do uso de antibióticos como a Doxiciclina, por exemplo, e quanto mais cedo se inicia o tratamento, mais rápida é a recuperação, evitando as complicações.

1. Uso de antibióticos

O tratamento para a doença de Lyme deve ser sempre indicado pelo médico e, normalmente, a infecção é tratada com antibiótico, como Doxiciclina 100 mg, que deve ser tomado 2 vezes ao dia durante 2 a 4 semanas ou de acordo com a recomendação médica. Já no caso de crianças e grávidas, é indicado o uso de Amoxicilina ou Azitromicina durante o mesmo período de tempo.

Geralmente, o antibiótico é tomado via oral, porém, em casos mais graves é preciso ficar internado para que o medicamento seja administrado diretamente na veia e as complicações possam ser evitadas. Além disso, as mulheres que estão amamentando, podem fazer o tratamento com antibióticos sem que o bebê fique em risco.

2. Sessões de fisioterapia

Em situações graves, a doença de Lyme pode causar artrite, principalmente no joelho, que leva a dor e inchaço nas articulações. Nesses casos, a pessoa pode precisar fazer sessões de fisioterapia para recuperar a mobilidade e conseguir fazer as atividades do dia a dia sem dor. As sessões são realizadas por fisioterapeutas e incluem exercícios de mobilidade e alongamentos ou uso de equipamentos de acordo com a gravidade do caso.

Em alguns casos, o médico pode recomendar o uso de anti inflamatórios, como Ibuprofeno por exemplo, para diminuir a inflamação das articulações.

Confira alguns exercícios que aliviam os sintomas da artrite no joelho e outras articulações.

O que causa a doença de Lyme

A doença de Lyme é causada principalmente pela picada de carrapatos infectados pela bactéria Borrelia burgdorferi e que se alimentam de sangue humano, principalmente os carrapatos da espécie Ixodes ricinus. Para que essas espécies de carrapato consigam transmitir a doença para as pessoas, é preciso que fique agarrado na pessoa por pelo menos 24 horas.

Essa bactéria pode estar presente no sangue de diversos animais, como veados e ratos, por exemplo, e, quando o carrapato parasita esses animais, adquire a bactéria, podendo transmitir para outros animais e pessoas.

Como ocorre a transmissão

A doença de Lyme é causada pela bactéria Borrelia burgdorferi que pode estar presente no sangue de diversos animais como ratos, veados ou melros, por exemplo. Quando um carrapato morde um desses animais, também fica contaminado com a bactéria, podendo, então, transmitir essa bactéria para as pessoas.

Os carrapatos são tão pequenos que a pessoa pode não saber que foi picada, por isso, se existir suspeita, os melhores locais para procurar por um carrapato no corpo incluem: atrás das orelhas, no couro cabeludo, no umbigo, nas axilas, na virilha ou na parte de trás do joelho, por exemplo. O risco de ficar infectado é maior quando o carrapato consegue ficar na pele por mais de 24 horas.

As pessoas que trabalham em áreas de floresta como caminhantes, campistas, agricultores, trabalhadores florestais ou soldados correm um maior risco de serem picados pelos carrapatos e adquirirem a doença. Veja que outras doenças podem ser causadas pelo carrapato.

Bibliografia >

  • CDC. Lyme Disease: what you need to know. Disponível em: <https://www.cdc.gov/lyme/resources/brochure/lymediseasebrochure-P.pdf>. Acesso em 09 Jan 2020
  • WHO. Lyme Borreliosis in Europe. 2014. Disponível em: <https://www.ecdc.europa.eu/sites/portal/files/media/en/healthtopics/vectors/world-health-day-2014/Documents/factsheet-lyme-borreliosis.pdf>. Acesso em 09 Jan 2020
  • CDC. Lyme Disease. Disponível em: <https://www.cdc.gov/lyme/index.html>. Acesso em 09 Jan 2020
  • NHS. Lyme disease. Disponível em: <https://www.nhs.uk/conditions/lyme-disease/>. Acesso em 09 Jan 2020
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem