Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Riscos do parto na diabetes gestacional

​As gestantes diagnosticadas com diabetes gestacional apresentam um maior risco de sofrer um parto prematuro, indução do parto e até mesmo de perder o bebê, devido ao seu crescimento excessivo. No entanto, estes riscos podem ser diminuídos ao manter a taxa de açúcar no sangue devidamente controlada durante toda a gestação.

As grávidas que mantém a glicemia sob controle e que não possuem bebês com mais de 4 kg podem esperar até às 38 semanas de gestação pelo início espontâneo do trabalho de parto, podendo ter um parto normal, se este for o seu desejo. Porém, se ficar comprovado que o bebê possui mais de 4 kg, o médico pode sugerir a cesárea ou a indução do parto às 38 semanas.

A diabetes gestacional caracteriza-se por uma intolerância aos carboidratos que ocorre, pela primeira vez, durante a gravidez, sendo que, existem mais riscos associados se ocorrer ainda durante o primeiro trimestre de gestação.

Os riscos do parto na diabetes gestacional podem ser:

Riscos para a mãeRiscos para o bebê
Parto normal prolongado devido a pouca contratilidade uterinaNascimento antes da data prevista, devido ao rompimento da bolsa amniótica antes das 38 semanas de gestação
Necessidade de induzir o parto com medicamentos para iniciar ou acelerar o parto normalDiminuição da oxigenação durante o parto
 Hipoglicemia após o nascimento
Laceração do períneo durante o parto normal, devido ao tamanho do bebêAborto em qualquer momento da gravidez ou morte logo após o parto
Infecção urinária e pielonefriteHiperbilirrubinemia
EclampsiaNascimento com um peso superior a 4 kg, que aumenta o risco de desenvolver diabetes no futuro e de sofrer alguma alteração no ombro ou fratura da clavícula durante o parto normal
Aumento do líquido amnióticoRisco de sofrer de obesidade, diabetes e doença cardiovascular na idade adulta
Distúrbios hipertensivos 
Atraso do início da amamentação 

Como diminuir o risco

Para diminuir os riscos da diabetes gestacional, é importante manter a glicemia sob controle, verificando diariamente a glicemia capilar, se alimentando corretamente e fazendo exercícios, como caminhada, hidroginástica ou musculação, por exemplo, 3 vezes por semana.

Algumas grávidas podem necessitar usar insulina quando a dieta e os exercícios não são suficientes para controlar o açúcar no sangue. O médico obstetra, conjuntamente com um endocrinologista, pode prescrever as injeções diárias.

Assista o vídeo seguinte e saiba como a alimentação pode diminuir os riscos da diabetes gestacional:

Saiba mais sobre o tratamento da diabetes gestacional.

Como é o pós-parto da diabetes gestacional

Logo após o parto, a glicemia deve ser medida a cada 2 a 4 horas, de forma a prevenir a hipoglicemia e a cetoacidose, que são comuns neste período. Normalmente, a glicemia normaliza no pós-parto, porém, existe o risco da gestante desenvolver diabetes tipo 2 em cerca de 10 anos, caso não adote um estilo de vida saudável.

Antes da alta hospitalar, a glicemia da mãe deve ser medida, de forma a verificar se já se encontra normalizada. Geralmente, os antidiabéticos orais são suspensos, porém algumas mulheres precisam continuar tomando estes medicamentos após o parto, depois de uma avaliação pelo médico, de forma a não prejudicar a amamentação.

O teste de intolerância à glicose deve ser realizado de 6 a 8 semanas após o parto, para verificar se a glicemia continua normal. A amamentação deve ser estimulada porque ela é essencial para o bebê e porque ajuda na perda de peso no pós parto, na regulação da insulina e no desaparecimento da diabetes gestacional.

Quando a glicemia está controlada na hora do parto e se mantém assim, a cicatrização da cesária e da episiotomia ocorrem da mesma forma que nas mulheres que não tem diabetes gestacional, mas pode ser mais demorada se a glicemia se mantiver alterada após o parto.

Bibliografia >

  • ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE - MINISTÉRIO DA SAÚDE - FEDERAÇÃO BRASILEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA - SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Tratamento do Diabetes Mellitus Gestacional no Brasil. 2019. Disponível em: <https://www.diabetes.org.br/profissionais/images/pdf/Consenso_Brasileiro_Manejo_DMG_2019.pdf>. Acesso em 22 Jun 2020
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Ficou alguma dúvida. Deixe aqui a sua questão para que possamos melhorar o nosso texto:

Atenção! Só poderemos responder diretamente se deixar o seu email.
Irá receber um email com um link que deverá aceder para confirmar que o email lhe pertence.
Mais sobre este assunto:

Publicidade
Carregando
...
Fechar Simbolo de finalizado

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem