Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.

Déjà vu: 4 teorias que explicam a sensação de já ter vivido algo

Déjà vu é o termo francês que significa literalmente "já visto". Este termo é usado para designar a sensação que a pessoa tem de já ter vivido no passado um exato momento pelo qual está passando no presente, ou de sentir que um local estranho é familiar.

É a sensação estranha em que a pessoa pensa "Eu já vivi esta situação antes." É como se aquele momento já tivesse sido vivido antes dele realmente acontecer.

No entanto, embora seja uma sensação relativamente comum a todas as pessoas, ainda não existe uma explicação científica única que justifique porque acontece. Isso porque o déjà vu é um acontecimento rápido, difícil de prever e que acontece sem qualquer sinal de aviso, sendo difícil de estudar.

Déjà vu: 4 teorias que explicam a sensação de já ter vivido algo

No entanto, existem algumas teorias que, embora possam ser de certa forma complexas, podem justificar o déjà vu:

1. Acionamento acidental do cérebro

Nesta teoria é usada a suposição de que o cérebro segue dois passos quando observa uma cena familiar:

  1. O cérebro procura em todas as memórias por alguma outra que contenha elementos semelhantes;
  2. Caso identifique uma memória semelhante ao que está sendo vivenciado, avisa que é uma situação semelhante.

Porém, este processo pode dar errado e o cérebro pode acabar indicando que uma situação é semelhante a outra que já foi vivida, quando na verdade não é.

2. Mal funcionamento da memória

Esta é uma das teorias mais antigas, na qual os investigadores acreditam que o cérebro passa à frente das memórias de curto prazo, chegando imediatamente nas memórias mais antigas, confundindo-as e fazendo acreditar que as memórias mais recentes, que podem ainda estar sendo construídas sobre o momento que está sendo vivido, são antigas, criando a sensação de que já se viveu a mesma situação antes.

3. Duplo processamento

Esta teoria está relacionada com a forma como o cérebro processa a informação que chega dos sentidos. Em situações normais, o lobo temporal do hemisfério esquerdo separa e analisa a informação que chega ao cérebro e depois envia para o hemisfério direito, sendo que essa informação depois volta ao hemisfério esquerdo.

Assim, cada informação passa duas vezes pelo lado esquerdo do cérebro. Quando essa segunda passagem demora mais tempo para acontecer, o cérebro pode ter maior dificuldade para processar a informação, achando que se trata de uma memória do passado.

4. Memórias de fontes erradas

O nosso cérebro guarda memórias vívidas de vária fontes, como a vida diária, filmes que assistimos ou livros que lemos no passado. Assim, esta teoria propõe que, quando um déjà vu acontece, na verdade o cérebro está identificando uma situação semelhante a algo que assistimos ou lemos, confundindo com algo que realmente aconteceu na vida real.

Esta informação foi útil?
Mais sobre este assunto:

Carregando
...