Quando a atividade física não é indicada

Revisão clínica: Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
dezembro 2020

A prática de atividades físicas é recomendada em todas as idades, já que aumenta a disposição, previne doenças e melhora a qualidade de vida, no entanto, existem algumas situações que a atividade física deve ser realizada com cautela ou, até mesmo, não é indicada.

Pessoas com problemas cardiovasculares ou que foram submetidas a procedimentos cirúrgicos, por exemplo, não devem realizar exercício sem que tenha a liberação do médico, uma vez que podem haver complicações durante o exercício que podem levar ao óbito, por exemplo.

Assim, antes de iniciar a prática de atividades físicas, é preciso fazer uma série de exames para que se possa saber se há qualquer alteração cardiovascular, motora ou articular que possa impedir ou limitar a realização de exercícios.

Dessa forma, algumas situações em que a prática da atividade física não é recomendada ou deve ser realizada com cuidado, de preferência com o acompanhamento de um profissional de educação física, são:

1. Cardiopatias

As pessoas que possuem cardiopatias, que são doenças relacionadas ao coração, como hipertensão e insuficiência cardíaca, por exemplo, devem praticar atividade física apenas com a autorização do cardiologista e acompanhadas por um profissional de educação física.

Isso porque devido ao esforço realizado durante o exercício, mesmo que pouco intenso, pode haver aumento da frequência cardíaca, o que pode resultar em um infarto ou AVC, por exemplo.

Apesar da atividade física ser recomendada nesses casos com o objetivo de melhorar a qualidade de vida da pessoa e reduzir os sintomas da doença, é importante que o cardiologista oriente quanto ao melhor tipo de exercício, frequência e intensidade que deve ser realizado para evitar complicações.

2. Crianças e idosos

A prática de atividade física na infância é muito recomendada, pois além de permitir melhor desenvolvimento cardiorrespiratório, faz com que a criança interaja com outras crianças, principalmente quando se pratica esportes coletivos. A contraindicação da prática de atividade física na infância diz respeito a exercícios que envolvem o levantamento de peso ou de elevada intensidade, pois podem interferir no seu desenvolvimento. Assim, é recomendado que as crianças pratiquem atividades físicas mais aeróbicas, como dança, futebol ou judô, por exemplo.

No caso dos idosos, a prática de atividades físicas deve ser acompanhada de perto por um profissional capacitado, uma vez que é comum que pessoas mais velhas possuam limitação de movimentos, o que faz com que certos exercícios sejam contraindicados. Veja quais são os melhores exercícios na terceira idade.

3. Pré-eclâmpsia

A pré-eclâmpsia é uma complicação na gravidez caracterizada por alteração na circulação sanguínea, diminuição da capacidade de coagulação do sangue e pressão alta. Quando essa situação não é tratada e controlada, pode haver parto prematuro e sequelas para o bebê, por exemplo.

Por isso, mulheres grávidas que foram diagnosticadas com pré-eclâmpsia podem praticar atividade física desde que liberadas pelo obstetra e acompanhadas pelo profissional de educação física para evitar o surgimento de complicações durante a gravidez. Saiba reconhecer os sintomas de pré-eclâmpsia.

4. Após maratonas

Após a realização de maratonas ou competições intensas, é importante descansar para repor as energias e a massa muscular perdida durante o exercício, caso contrário haverá mais chance da ocorrência de lesões. Assim, é recomendado que se descanse 3 a 4 dias após a realização de uma maratona, por exemplo, para que a atividade física possa ser retomada.

5. Gripe e resfriado

Apesar dos exercícios promoverem o aumento da imunidade, a prática de atividade física intensa quando se está gripado, por exemplo, não é indicada. Isso porque a prática de exercícios de forma intensa pode agravar ainda mais os sintomas e retardar a melhora.

Dessa forma, quando se está gripado ou resfriado, o melhor a se fazer é descansar e voltar às atividades de maneira progressiva quando os sintomas não estiverem mais presentes.

6. Após cirurgias

A realização de atividades físicas após a realização de cirurgias só deve acontecer após liberação do médico e, de preferência, sob a supervisão de um profissional capacitado. Isso porque após procedimentos cirúrgicos, o corpo passa por um processo de adaptação, o que pode fazer com que a pessoa sinta-se mal durante a atividade física.

Por isso, após a cirurgia, é recomendado esperar até a recuperação completa para que possam ser realizados exercícios com intensidade progressiva.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Equipe Editorial do Tua Saúde, em dezembro de 2020. Revisão clínica por Marcelle Pinheiro - Fisioterapeuta, em dezembro de 2020.
Revisão clínica:
Marcelle Pinheiro
Fisioterapeuta
Formada em Fisioterapia pela UNESA em 2006 com registro profissional no CREFITO- 2 nº. 170751 - F e especialista em dermatofuncional.