Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que é Colecistite, como identificar e tratar

A colicistite é a inflamação da vesícula biliar, que é uma pequena bolsa que fica em contato com o fígado, e que armazena a bile, um fluido que ajuda na digestão  

Uma colecistite provoca sintomas como dor abdominal em cólica, náuseas, vômitos, febre e sensibilidade à palpação do abdome, e pode acontecer de forma aguda, com sintomas intensos e de rápida piora, ou de forma crônica, quando os sintomas são mais amenos e se arrastam por semanas a meses. 

Além disso, a vesícula inflamada pode acontecer de 2 formas:

  • Colecistite litiásica ou calculosa: é a principal causa de colecistite, e acontece em consequência de pedras na vesícula, pois um dos cálculos pode causar a obstrução do ducto que permite a drenagem da bile, tornando a vesícula distendida e inflamada. Entenda o que causa a pedra na vesícula;
  • Colecistite alitiásica: é uma inflamação da vesícula sem cálculos, de causa ainda não totalmente esclarecida, mais comum em idosos, diabéticos e em pessoas que estão gravemente doentes, devido a infecções, queimaduras, traumatismos graves ou após cirurgias complicadas.

Em qualquer um dos casos, a colecistite deve ser tratada o mais rápido possível para evitar complicações mais graves como rompimento do órgão ou infecção generalizada.

O que é Colecistite, como identificar e tratar

Principais sintomas

O sintoma mais característico de colecistite é a dor abdominal, no entanto, outros sintomas podem variar caso seja uma doença aguda ou crônica.

1. Colecistite aguda

Na maior parte dos casos, os sintomas de colecistite incluem:

  • Dor tipo cólica na parte superior direita do abdome, que persiste por mais de 6 horas;
  • Dor abdominal que irradia para o ombro direito ou para as costas;
  • Sensibilidade no abdome durante a palpação no exame médico, sendo que o sinal mais conhecido é chamado de sinal de Murphy;
  • Náuseas e vômitos frequentes;
  • Febre;
  • Pode haver pele e olhos amarelados.

Estes sintomas costumam surgir alguns minutos após as refeições, sendo mais intensos após ingerir comidas gordurosas, pois a bile é utilizada pelo corpo para ajudar a digerir as gorduras e absorver nutrientes.

2. Colecistite crônica

A colecistite crônica é uma inflamação arrastada, de longa duração, e que normalmente resulta de episódios anteriores de colecistite aguda. O principal sintoma é a dor na barriga, que vai e volta com frequência, principalmente após a alimentação.

Como consequência dessas crises repetidas, a vesícula pode sofrer alterações na suas características, se tornando menor e com paredes mais espessas. Também pode acabar desenvolvendo complicações, como a calcificação das suas paredes, chamada de vesícula de porcelana, a formação de fístulas, uma pancreatite ou, até, o desenvolvimento de um câncer. 

Como confirmar

Quando surgem sintomas sugestivos de colecistite, é recomendado consultar um clínico geral ou gastroenterologista para fazer a análise clínica e exames de diagnóstico, como ultrassom ou tomografia computadorizada, para avaliar se a vesícula biliar está inflamada e identificar o que está causando o problema, sendo mais fácil para escolher o tratamento adequado.

O que é Colecistite, como identificar e tratar

Quais são as causas

Em cerca de 90% dos casos, a colecistite é provocada por cálculos na vesícula, que causam a obstrução do fluxo da bile no ducto chamado ducto cístico, que permite a saída de bile da vesícula.

Algumas vezes a obstrução não acontece por um cálculo, mas por um nódulo, um tumor, presença de parasitas ou até mesmo em decorrência de uma cirurgia nas vias biliares. 

Nos casos de colecistite alitiásica, a inflamação na vesícula ocorre por causas que ainda não são bem esclarecidas, mas estão em risco as pessoas idosas, que estão criticamente doentes, que passaram por uma cirurgia complicada ou diabéticos, por exemplo.

Como é feito o tratamento

O tratamento para colecistite, geralmente, é iniciado com o internamento no hospital para ajudar a controlar a inflamação e aliviar a dor para, em seguida, ser feita a cirurgia de retirada da vesícula. Geralmente, é recomendado que a vesícula seja operada ainda nos primeiros 3 dias do início da inflamação aguda. Assim, o tratamento pode incluir:

  • Jejum: como a vesícula é utilizada na digestão, o médico pode recomendar parar a ingestão de comida e água durante algum tempo para aliviar a pressão na vesícula e melhorar os sintomas;
  • Fluídos diretamente na veia: devido à restrição para comer ou beber, é necessário manter a hidratação do organismo com soro fisiológico diretamente na veia;
  • Antibióticos: é comum que a vesícula se torne infectada durante a colecistite, pois a sua distensão facilita a proliferação de bactérias no seu interior;
  • Analgésicos: podem ser usados até que a dor alivie e a inflamação da vesícula reduza;
  • Cirurgia para retirar a vesícula biliar: a colecistectomia videolaparoscópica é a principal forma de cirurgia para tratar a colecistite. Este método permite uma recuperação mais rápida, pois é menos agressivo ao organismo. Entenda como é feita a cirurgia da vesícula e como é a recuperação.

Nos casos em que a colecistite é mito grave e o paciente não tem condições clínicas de passar por uma cirurgia, é possível ser feita uma drenagem da vesícula biliar, e a colecistectomia fica reservada para após estabilização das condições clínicas..

Mais sobre este assunto:


Carregando
...