Cerclagem uterina: o que é, como é feita e recuperação

janeiro 2022

A cerclagem uterina, ou cerclagem do colo uterino, é uma cirurgia realizada pelo obstetra, durante a gravidez para evitar o nascimento do bebê antes da hora prevista. Geralmente, essa cirurgia é indicada para mulheres que possuem uma insuficiência do colo do útero, que é uma dilatação que pode começar ainda no primeiro ou no segundo trimestre de gestação, e aumentar o risco de parto prematuro ou aborto.

A cirurgia de cerclagem uterina é feita pelo obstetra no hospital, por via transvaginal e, em alguns casos, por laparoscopia, podendo ser feita de urgência ou de forma programada pelo obstetra.

A recuperação da cerclagem uterina é rápida mas necessita de alguns cuidados como evitar esforços nos primeiros dias ou contato íntimo nas primeiras semanas, conforme orientação do obstetra.

Quando é indicada

A cirurgia de cerclagem uterina pode ser indicada pelo obstetra para prevenir o risco de parto prematuro ou aborto, em mulheres que têm insuficiência do colo do útero ou colo do útero curto.

As principais indicações da cerclagem uterina são:

  • Histórico de perda da gravidez no segundo trimestre relacionada à dilatação do colo do útero ou descolamento prematuro da placenta;
  • Histórico de perda espontânea ou parto prematuro com menos de 34 semanas de gestação, devido ao colo do útero curto;
  • Dilatação do colo do útero durante o segundo trimestre da gestação;
  • Histórico de cerclagem uterina devido à dilatação do colo uterino indolor no segundo trimestre;
  • Colo do útero curto, com menos de 25 milímetros, antes das 24 semanas da gravidez.

Geralmente, a cerclagem uterina é indicada para ser realizada entre as 12 e as 14 semanas de gestação, mas também pode ser feita até as 23 semanas, no caso do exame ginecológico ou o ultrassom mostrarem insuficiência do colo uterino. Entenda melhor o que é insuficiência do colo do útero.

Além disso, a cerclagem uterina de emergência pode ser indicada pelo obstetra no caso de dilatação do colo do útero avançada, na gravidez com menos de 24 semanas, e com ausência de contrações, infecção intra amniótica ou descolamento da placenta.

A cerclagem só pode ser realizada durante a gravidez e não é indicada para mulheres que ainda não engravidaram, mesmo que já tenham tido abortos anteriores.

Como se preparar para a cirurgia

A cirurgia de cerclagem uterina pode ser feita de emergência, mas também pode ser programada pelo obstetra. Nesse caso, alguns cuidados são importantes para se preparar para a cirurgia, como esclarecer com o médico todas as dúvidas sobre a cirurgia, recuperação e riscos para a mulher e para o bebê.

Antes de realizar a cirurgia, o médico deve fazer um ultrassom para verificar os sinais vitais do bebê, como batimentos cardíacos, além de avaliar se o feto tem alguma malformação.

Outro exame que o médico pode fazer outros exames como avaliação das secreções do colo do útero e uma amniocentese, para identificar infecções.

Como é feita a cirurgia

A cirurgia de cerclagem uterina é simples, dura cerca de 20 minutos, e consiste em costurar o colo do útero com alguns pontos.

Essa cirurgia é feita no hospital, com internamento, e antes de iniciar a cirurgia, é administrado soro fisiológico na veia, pelo enfermeiro, para hidratar e administrar medicamentos, caso necessário.

A cerclagem uterina é feita com anestesia epidural, sendo geralmente realizada por via transvaginal, no entanto, em alguns casos, o médico pode decidir fazê-la por laparoscopia.

O procedimento é considerado seguro tanto para a mulher, como para o bebê, mas ainda assim existem alguns riscos, como o desenvolvimento de infecção uterina, rompimento das membranas amnióticas, sangramento vaginal ou laceração do cérvix, por exemplo.

Como é a recuperação

A recuperação após a cirurgia de cerclagem uterina, nos primeiros 1 a 2 dias é feita no hospital, com acompanhamento do obstetra, do anestesista e do enfermeiro. Neste período, o médico pode receitar analgésicos para dor e remédios como o Utrogestan, para impedir as contrações uterinas.

Além disso, logo depois da cirurgia, o médico pode fazer uma ultrassonografia para verificar como ficaram os pontos e para avaliar se o bebê está bem.

A mulher deve ficar de repouso e evitar o contato íntimo nas primeiras semanas. Além disso, também não é recomendado fazer exercícios, levantar pesos ou fazer grandes esforços, pelo menos nos 3 primeiros dias após a cirurgia.

Como fica o parto após a cerclagem

Geralmente, a cerclagem é removida por volta das 37 semanas de gravidez, no entanto se o parto for realizado por cesariana, não é necessário remover a cerclagem, já que poderá ser útil numa próxima gravidez.

A decisão do tipo de parto deve ser discutida entre a mulher e o médico, observando as indicações, vantagens e desvantagens de cada um. Confira as diferenças entre parto normal e cesárea e quando são indicados.

Possíveis complicações

As principais complicações da cirurgia de cerclagem uterina são infecção, inflamação das membranas fetais, sangramento vaginal, laceração do colo do útero ou ruptura prematura das membranas.

Além disso, embora sejam raros, podem ocorrer complicações da anestesia epidural como queda da pressão arterial, calafrios, tremores, náuseas, vômitos, febre, infecção, dano no nervo próximo do local ou sangramento epidural, por exemplo.

Sinais de alerta para voltar ao médico

É importante consultar o obstetra ou procurar o pronto socorro mais próximo caso surjam sintomas como:

  • Febre;
  • Dor abdominal intensa;
  • Cólicas;
  • Sangramento vaginal;
  • Corrimento com mau cheiro.

Esses sintomas podem indicar uma infecção e, nesses casos, deve-se buscar ajuda médica imediatamente, porque a infecção pode colocar em risco a vida da mãe e do bebê.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em janeiro de 2022.

Bibliografia

  • ČERNOHORSKÁ, P.; et al. Cervical cerclage - history and contemporary use. Ceska Gynekol. 84. 1; 55-60, 2019
  • ACOG Practice Bulletin No.142. Cerclage for the management of cervical insufficiency. Obstet Gynecol. 123. 2 Pt 1; 372-379, 2014
Mostrar bibliografia completa
  • SUHGA, A.; BERGHELLA, V. Cervical cerclage. Clin Obstet Gynecol. 57. 3; 557-67, 2014
  • BIEBER, K. B.; OLSON, S. M. IN: STATPEARLS [INTERNET]. TREASURE ISLAND (FL): STATPEARLS PUBLISHING. Cervical Cerclage. 2021. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK560523/>. Acesso em 04 jan 2022
Equipe editorial constituída por médicos e profissionais de saúde de diversas áreas como enfermagem, nutrição, fisioterapia, análises clínicas e farmácia.