Cauterização do colo do útero: o que é, como é feita e recuperação

Revisão médica: Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
julho 2022

A cauterização do colo do útero é um tratamento feito pelo ginecologista, indicado nos casos de feridas no útero provocadas por HPV, alterações hormonais ou infecções vaginais, por exemplo, assim como em casos de corrimento ou sangramento excessivo após o contato íntimo.

Geralmente, durante a cauterização do colo do útero, o ginecologista utiliza um aparelho para queimar as lesões no colo do útero, permitindo que novas células saudáveis se desenvolvam no local afetado.

A cauterização do colo uterino pode ser feita no consultório do ginecologista com anestesia local e, por isso, não dói, porém algumas mulheres podem sentir algum desconforto no momento em que o médico realiza a cauterização. Veja as principais causas de ferida no útero, que podem precisar de cauterização.

Quando é indicada

A cauterização do colo do útero é indicada para:

  • Sangramento vaginal ou corrimento excessivo após o contato íntimo;
  • Lesões no colo do útero causadas por infecção pelo HPV;
  • Ectrópio cervical, que surge devido ao crescimento de células glandulares na superfície do colo do útero;
  • Inflamação crônica do colo do útero;
  • Feridas no colo do útero causadas por infecções, como clamídia, sífilis, gonorreia e herpes

Além disso, a cauterização do colo do útero pode ser indicada no caso de feridas no útero causadas por alterações hormonais ou uso de anticoncepcionais, por exemplo.

Como é feita a cauterização

A cauterização do colo do útero é feita de forma semelhante ao papanicolau e, por isso, a mulher deve retirar a roupa abaixo da cintura e ficar deitada na maca do ginecologista, com as pernas ligeiramente afastadas, para permitir a introdução de um objeto que mantém o canal vaginal aberto e que é chamado de espéculo.

Depois, o ginecologista coloca anestesia no colo do útero, para evitar que a mulher sinta dor durante o procedimento, e insere um aparelho mais comprido para queimar as lesões do colo do útero, o que pode demorar entre 10 a 15 minutos.

Como é a recuperação após a cauterização

Após a cauterização a mulher pode voltar a casa sem precisar ficar internada, no entanto, não deve conduzir devido aos efeitos da anestesia, sendo, por isso, recomendado que seja acompanhada por um familiar.

Além disso, durante a recuperação da cauterização do colo uterino é importante saber que:

  • Podem surgir câimbras abdominais nas primeiras 2 horas após o procedimento;
  • Podem acontecer pequenos sangramentos até 6 semanas após a cauterização;
  • Deve-se evitar contato íntimo, utilizar tampões ou duche vaginal até que os sangramentos desapareçam;
  • Não realizar esportes ou atividades físicas intensas até que os sangramentos desapareçam.

Nos casos em que a mulher apresenta muitas câimbras abdominais após a cauterização, o médico pode receitar analgésicos, como o paracetamol ou ibuprofeno, para ajudar a aliviar a dor.

Quando ir ao médico

É recomendado ir ao pronto-socorro quando surge:

  • Febre acima de 38ºC;
  • Corrimento com cheiro fétido;
  • Aumento do sangramento;
  • Cansaço excessivo;
  • Vermelhidão na região genital.

Estes sintomas podem indicar o desenvolvimento de uma infecção ou hemorragia e, por isso, deve-se ir imediatamente ao hospital para iniciar o tratamento adequado e evitar o desenvolvimento de complicações graves.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Flávia Costa - Farmacêutica, em julho de 2022. Revisão médica por Drª. Sheila Sedicias - Ginecologista, em fevereiro de 2016.

Bibliografia

  • PERKINS, R. B.; et al. 2019 ASCCP Risk-Based Management Consensus Guidelines for Abnormal Cervical Cancer Screening Tests and Cancer Precursors. Journal of Lower Genital Tract Disease. 24. 2; 102-131, 2020
  • McCLUGGAGE, W. S. Premalignant lesions of the lower female genital tract: cervix, vagina and vulva. Pathology. 45. 3; 214-28, 2013
Mostrar bibliografia completa
  • APGAR, B. S.; et al. Management of cervical cytologic abnormalities. Am Fam Physician. 70. 10; 1905-16, 2004
  • ACOG - AMERICAN COLLEGE OF OBSTETRICIANS AND GYNECOLOGISTS. Updated Guidelines for Management of Cervical Cancer Screening Abnormalities. 2022. Disponível em: <https://www.acog.org/clinical/clinical-guidance/practice-advisory/articles/2020/10/updated-guidelines-for-management-of-cervical-cancer-screening-abnormalities>. Acesso em 21 jul 2022
  • GENEVA FOUNDATION FOR MEDICAL EDUCATION AND RESEARCH. Management of Abnormal Cervical Smear. Disponível em: <https://www.gfmer.ch/SRH-Course-2010/national-guidelines/pdf/Management-Abnormal-Cervical-Smear-SLCOG.pdf>. Acesso em 21 jul 2022
Revisão médica:
Drª. Sheila Sedicias
Ginecologista
Médica mastologista e ginecologista formada pela Universidade Federal de Pernambuco, em 2008 com registro profissional no CRM PE 17459.