Cápsula de gengibre: para que serve e como tomar

Novembro 2021

As cápsulas de gengibre é um suplemento alimentar indicado para má digestão, náuseas, gripes, resfriados, artrite, cólica menstrual ou dor muscular, por exemplo, por conter na sua composição compostos fenólicos, como o gingerol, chogaol e zingerona, com propriedades anti-inflamatórias, analgésicas, antieméticas e antioxidantes. 

Além disso, o gengibre em cápsulas pode ajudar a emagrecer, porque tem ação termogênica, acelerando o metabolismo e estimulando a queima de gordura corporal, podendo ser usado junto com uma dieta balanceada e a prática regular de atividade física. Confira outros benefícios do gengibre para a saúde

As cápsulas de gengibre podem ser encontradas em farmácias ou lojas de produtos naturais, e embora tenham muitos benefícios para a saúde, não substituem o tratamento médico, devendo sempre ser usadas com orientação do médico, do nutricionista ou de um profissional com experiência em fitoterapia, pois pode causar efeitos colaterais como queimação no estômago ou diarréia, além de não ser recomendado para pessoas que tomam anticoagulantes.

Cápsula de gengibre: para que serve e como tomar

Para que serve

As cápsulas de gengibre, preparadas com o extrato seco da raiz do gengibre, possuem propriedades antieméticas, anti-inflamatórias, antioxidantes e analgésicas, e por isso, podem ser usadas em diversas situações, como:

  • Digestão lenta ou má digestão;
  • Excesso de gases intestinais;
  • Náuseas ou vômitos;
  • Enjôo matinal na gravidez;
  • Cansaço excessivo;
  • Asma ou bronquite;
  • Gripes ou resfriados;
  • Dor de garganta;
  • Cólicas menstruais;
  • Emagrecimento;
  • Artrite;
  • Dor muscular.

Além disso, as cápsulas de gengibre ajudam a reduzir os danos nas células devido sua ação antioxidante, o que permite melhorar o funcionamento do sistema imunológico, aumentando a imunidade e melhorando a resposta do corpo às infecções.

As cápsulas de gengibre podem ser usadas para auxiliar no tratamento de doenças, e não substituem o tratamento médico. Por isso, é importante sempre consultar um médico para realizar o tratamento mais adequado para cada caso.

Como tomar

A cápsula de gengibre deve ser tomada por via oral, com um copo de água, pelo tempo de tratamento orientado pelo médico. As doses normalmente recomendadas são de 250 mg a 2 g por dia, divididas em 3 a 4 doses diárias, ou conforme orientação médica.

Durante a gravidez, a dose máxima recomendada de gengibre deve ser de 1 g por dia e por um período máximo de 3 dias seguidos e deve sempre ser tomada com orientação do obstetra.

Possíveis efeitos colaterais

Os efeitos colaterais mais comuns que podem surgir durante o tratamento com as cápsulas de gengibre são sensação de queimação no estômago, enjoo, dor no estômago, diarréia ou indigestão.  

Embora seja raro, o gengibre em cápsulas também pode causar reações alérgicas graves que necessitam de atendimento médico imediato. Por isso, deve-se interromper o tratamento e procurar o pronto socorro mais próximo ao apresentar sintomas como dificuldade para respirar ou respiração ofegante, suor frio, tontura severa, sensação de garganta fechada, inchaço na boca, língua ou rosto, ou coceira intensa. Saiba identificar os sintomas de reação alérgica grave.

Quem não deve usar

As cápsulas de gengibre não devem ser usadas por pessoas que têm alergia ao gengibre, úlcera de estômago com sangramento, problemas de coagulação ou que usem remédios anticoagulantes, como ácido acetilsalicílico, heparina, varfarina ou clopidogrel, por exemplo, pois pode aumentar o risco de sangramentos e hematomas. 

Além disso, o uso das cápsulas de gengibre deve ser evitado por grávidas se estiverem próximo ao parto ou em mulheres com histórico de aborto, problemas de coagulação ou que tenham risco de hemorragias.

As cápsulas de gengibre também não são indicadas nos casos de diabetes pois o gengibre pode causar uma diminuição brusca do açúcar no sangue, levando a sintomas de hipoglicemia como tontura, confusão ou desmaio. Além disso, o uso das cápsulas de gengibre para baixar a pressão só deve ser usado sob orientação médica, pois o gengibre pode interagir com alguns dos medicamentos usados para controlar a pressão e causar alteração nos batimentos cardíacos.

Esta informação foi útil?
Atualizado por Flávia Costa, Farmacêutica - em Novembro de 2021.

Bibliografia

  • THOMSON Maggie et al. Effects of Ginger for Nausea and Vomiting in Early Pregnancy: A Meta-Analysis. The Journal of the American Board of Family Medicine. 27. 1; 115-122, 2014
  • ARABLOU Tahereh et al. The effect of ginger consumption on glycemic status, lipid profile and some inflammatory markers in patients with type 2 diabetes mellitus. International Journal of Food Sciences and Nutrition. 65. 4; 515-520, 2014
  • LETE, Iñaki ; ALLUÉ, José. The Effectiveness of Ginger in the Prevention of Nausea and Vomiting during Pregnancy and Chemotherapy. Integrative Medicine Insights. 11. 11-17, 2016
  • NICACIO, L, S, Gabriela et al. Breve Revisão sobre as propriedades fitoterápicas do Zingber Officinale Roscoe - o gengibre. Periódicos PUC Minas. Vol.7. 2.ed; 74-80 , 2018
  • DING, Mingshuang; et al. The effectiveness and safety of ginger for pregnancy-induced nausea and vomiting: A systematic review. Women Birth. 26. 1; e26-30, 2013
  • PRASAD Sahdeo et al. Ginger and Its Constituents: Role in Prevention and Treatment of Gastrointestinal Cancer. Gastroenterology Research and Practice. 1-11, 2015
  • YOUNG, Haw-Yaw; et al. Analgesic and anti-inflammatory activities of [6]-gingerol. J Ethnopharmacol. 96. 1-2; 207-10, 2005
  • SEMWAL, Ruchi B.; et al. Gingerols and shogaols: Important nutraceutical principles from ginger. Phytochemistry Journal. 554-568, 2015
  • HASANI, Hossein; et al. Does ginger supplementation lower blood pressure? A systematic review and meta‐analysis of clinical trials. Phytotherapy Research. 1-9, 2019
  • LEELAVATHI, S. Effectiveness of Ginger Remedy on Dysmenorrhea. International Journal of Innovative Research in Science, Engineering and Technology. 4. 2904-2908, 2015
  • OZGOLI, Giti; GOLI, Marjan; MOATTAR, Fariborz. Comparison of Effects of Ginger, Mefenamic Acid, and Ibuprofen on Pain in Women with Primary Dysmenorrhea. The Journal of Alternative and Complementary Medicine. 15. 2; 129-132, 2009
  • BODAGH Mehrmaz et al. Ginger in gastrointestinal disorders: A systematic review of clinical trials. Food Science & Nutrition. 7. 1; 96–108, 2019
  • TOWSEND, Elizabeth A.; et al. Effects of Ginger and Its Constituents on Airway Smooth Muscle Relaxation and Calcium Regulation. American Journal of Respiratory Cell and Molecular Biology. 48. 2; 1-7, 2012
  • ATTARI, E, Vahideh et al. A systematic review of the anti‐obesity and weight lowering effect of ginger (Zingiber officinale Roscoe) and its mechanisms of action . Phytotherapy Research. Vol.32. 4.ed; 577-585, 2018
  • QUAN QUAN, Mao; XIAO-YU, Xu; et al. Bioactive Compounds and Bioactivities of Ginger (Zingiber officinale Roscoe). Foods. 8. 1-21, 2019
  • CHANG, J. S.; et al. Fresh ginger (Zingiber officinale) has anti-viral activity against human respiratory syncytial virus in human respiratory tract cell lines. Journal of Ethnopharmacology. 145. 1; 145-151, 2013
Mais sobre este assunto: