Calprotectina: o que é, para que serve e o que significa o resultado

Revisão clínica: Marcela Lemos
Biomédica
dezembro 2021

A calprotectina é uma proteína liberada pelos neutrófilos, que são um tipo de glóbulos brancos, que se deslocam até o trato gastrointestinal quando há inflamação, liberando essa proteína, que passa a ser encontrada em altas concentrações nas fezes.

O exame de calprotectina, também conhecido como calprotectina fecal, é normalmente solicitado com o objetivo de fazer o diagnóstico de doenças inflamatórias intestinais e/ou avaliar se o tratamento para essas doenças está sendo eficaz. Assim, exame é indicado quando a pessoa apresenta sinais e sintomas indicativos de doenças intestinais, como sangue nas fezes, cólica abdominal, febre e perda de peso, por exemplo.

Esse exame é feito a partir da análise de uma amostra de fezes e deve ser complementado por outros exames de sangue, como dosagem de proteína C reativa e hemograma, e de imagem, como a colonoscopia ou sigmoidoscopia, por exemplo, que é indicada quando a pessoa apresenta alterações indicativas de alterações intestinais.

Para que serve

O exame de calprotectina fecal serve para realizar o diagnóstico de doenças inflamatórias intestinais e acompanhar a resposta ao tratamento. Isso acontece porque na presença de inflamações no intestino, os neutrófilos, que são células do sangue responsáveis pela defesa do organismo, se deslocam até o trato gastrointestinal e promovem a liberação de calprotectina, o que resulta em altas concentrações dessa proteína nas fezes.

Dessa forma, esse é exame é principalmente indicado para realizar o diagnóstico da retocolite ulcerativa e doença de Crohn, sendo também útil no diagnóstico diferencial para a Síndrome do Intestino Irritável, em que as pessoas com essa alteração apresentam níveis normais e calprotectina.

Quando é indicado

O exame de calprotectina é indicado principalmente quando a pessoa apresenta sinais ou sintomas possivelmente indicativos de alterações intestinais, como:

  • Presença de sangue e/ou muco nas fezes;
  • Fezes líquidas, no caso de diarreia;
  • Dor e cólica abdominal;
  • Febre;
  • Perda de peso;
  • Perda de apetite;
  • Náusea e vômito, em alguns casos;
  • Dor ao defecar;
  • Fissura anal;
  • Prisão de ventre, em alguns casos.

Assim, na presença desses sinais e sintomas, é importante que o gastroenterologista seja consultado, pois dessa forma é possível que seja indicada a realização de exames que avaliem a saúde do sistema gastrointestinal, incluindo o exame de calprotectina fecal, ajudando a identificar a causa dos sintomas e a iniciar o tratamento mais adequado.

Entenda melhor quais as doenças que podem causar inflamação do intestino e seus sintomas.

Como é feito o exame

O exame de calprotectina é feito a partir de uma amostra de fezes, que deve ser coletada e levada ao laboratório para análise. É importante que sejam seguidas as recomendações do laboratório para realizar a coleta das fezes, sendo recomendado evacuar em uma folha de papel ou num penico e, depois, recolher uma amostra e colocar dentro do frasco para a análise.

Outra opção para coletar as fezes, é evacuar em um saco plástico esterilizado específico para a coleta das fezes, que deve ser devidamente posicionado no vaso para evitar a contaminação. Esse tipo de coleta é útil principalmente para as pessoas que possuem mobilidade reduzida ou que possuem as fezes muito líquidas.

Para fazer esse exame, não é necessário preparo e nem a realização de jejum.

O que significa o resultado

Os valores do exames de calprotectina podem variar de acordo com o laboratório em que é realizado, já que o método e teste realizados podem variar. No entanto, de forma geral, o resultado do exame de calprotectina fecal é:

  • Normal: até 50 mg/kg;
  • Indeterminado ou sugestivo de doença inflamatória intestinal: entre 50 mg/kg e 200 mg/kg;
  • Positivo ou indicativo de alteração intestinal: acima de 200 mg/kg.

Assim, de acordo com os níveis de calprotectina nas fezes, o médico consegue identificar alterações intestinais e, dessa forma, indicar exames complementares e/ ou iniciar o tratamento mais adequado.

Quando a calprotectina é utilizada para monitorar o tratamento para alterações intestinais, o recomendado é que a sua concentração diminua ao longo do tempo, o que é indicativo de que o tratamento está sendo eficaz.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Manuel Reis - Enfermeiro, em dezembro de 2021. Revisão clínica por Marcela Lemos - Biomédica, em dezembro de 2021.

Bibliografia

  • THERMOFISHER. Calprotectina 2. Disponível em: <https://www.thermofisher.com/diagnostic-education/dam/commercial/library-resources/Calprotectina_2-PT-BR.pdf>. Acesso em 29 nov 2021
  • KOTZE, Lorete Maria S.; NISIHARA, Renato M.; MARION, Sandra Beatriz et al. Fecal calprotectin: levels for the ethiological diagnosis in Brazilian patients with gastrointestinal symptoms. Arq Gastroenterol. Vol 52. 1 ed; 50-54, 2015
Mostrar bibliografia completa
  • SOCIEDADE BRASILEIRA DE PATOLOGIA CLÍNICA. SBPC/ML contribui para a inclusão de mais quatro exames no ROL da ANS. Disponível em: <http://www.sbpc.org.br/noticias-e-comunicacao/sbpcml-contribui-para-a-inclusao-de-mais-quatro-exames-no-rol-da-ans/>. Acesso em 29 nov 2021
Revisão clínica:
Marcela Lemos
Biomédica
Mestre em Microbiologia Aplicada, com habilitação em Análises Clínicas e formada pela UFPE em 2017 com registro profissional no CRBM/ PE 08598.