Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

O que causa e como tratar a Doença Calcanhar de Maracujá

O calcanhar de maracujá ou bicheira, cientificamente chamada de miíase cavitária humana, é uma doença causada pela proliferação de larvas da mosca-varejeira na pele ou em outros tecidos e cavidades do corpo, como olho, boca ou nariz, que também pode afetar os animais domésticos.

A larva da mosca-varejeira pode entrar no corpo através da pele quando se anda descalço ou através da picada da mosca-varejeira na pele que deposita seus ovos que depois se transformam em larvas. Geralmente as pessoas afetadas são idosas, estão acamadas ou têm alguma deficiência metal e, por isso, não conseguem afastar as moscas ou as larvas da pele.

Esta doença tem cura mas para alcançá-la é preciso seguir corretamente o tratamento proposto pelo médico e manter as moscas-varejeiras afastadas. Um bom método para espantar as moscas é utilizar a aromaterapia com óleo essencial de citronela ou de limão, por exemplo. Saiba como fazer este repelente caseiro de citronela.

O que causa e como tratar a Doença Calcanhar de Maracujá
O que causa e como tratar a Doença Calcanhar de Maracujá

O que causa o calcanhar de maracujá

O calcanhar de maracujá é causado pela entrada da larva da mosca-varejeira no corpo e, por isso, existem 2 formas de pegar esta doença, que incluem:

  • A mosca-varejeira pousa numa ferida e deposita seus ovos, que irão transformar-se em larvas;
  • A larva da mosca entra na pele por uma ferida ou corte e se desenvolve nesse local, como por exemplo, quando se anda descalço.

Após a entrada da larva, o local fica avermelhado e um pouco inchado, com um furinho no meio, por onde a larva respira e, por vezes, é possível sentir uma dor em pontada ou coceira no local, por exemplo.

O mais comum é o aparecimento da miíase em pessoas com lesões na pele em locais com falta de sensibilidade, como em caso de colesteatomas na orelha média, tumores ou doenças úlcerogranulomatosas nasais, como leishmaniose ou hanseníase, por exemplo.

Como é feito o tratamento

A primeira opção de tratamento para o calcanhar de maracujá consiste o uso de antibióticos e ivermectina, para matar as larvas, facilitando sua saída. No entanto, também é possível a remoção das larvas da região pelo médico ou enfermeiro, realizando a limpeza da ferida para evitar o surgimento de uma infecção. No entanto, quando existem muitas larvas ou já existe muito tecido morto, pode ser necessário fazer uma pequena cirurgia para retirar todas as larvas e eliminar a pele morta.

Como evitar pegar a doença

A melhor forma de evitar pegar uma doença como o calcanhar de maracujá é não andar descalço em locais pouco higiênicos, que possam ter moscas frequentemente, uma vez que podem existir ovos de larvas no chão. No entanto, outros cuidados incluem:

  • Evitar ter feridas expostas, especialmente em locais tropicais ou com presença de moscas;
  • Usar repelente de insetos no corpo;
  • Utilizar repelente de moscas em casa;
  • Limpar 1 vez por semana o chão de casa.

Além disso, também é aconselhado passar a roupa antes de usar, principalmente quando se vive em regiões tropicais e existe risco de o tecido entrar em contato com uma ferida. Em caso de pessoas doentes mentais ou acamados que não tem autonomia nos seus cuidados de saúde, deve-se garantir a assistência diária destes, evitando seu abandono.

Conheça outras doenças raras como esta:


Bibliografia

  • RIVEIRO, Fernando A. Q., et al. Tratamento da miíase humana cavitária com ivermectina oral. Rev Bras Otorrinolaringol. Vol.67. 6.ed; 755-61, 2001
Esta informação foi útil?   
Sim  /  Não

Se ficou com alguma dúvida ou encontrou algum erro escreva aqui para que possamos melhorar o texto. Não lhe iremos responder directamente. Se quiser uma resposta clique em Contato.

Mais sobre este assunto:


Publicidade
Carregando
...
Fechar

Pode perguntar

Fechar
É hora de acabar com todas as suas dúvidas!
Erro
Erro
Erro
Marque a caixa de verificação acima.
Enviar Mensagem