Ative as notificações para não perder as publicações de saúde e bem estar mais interessantes.
O que você precisa saber?

Como identificar e tratar o bicho-de-pé

A tungíase, conhecida como bicho-de-pé, bicho-de-areia ou bicho-de-porco, é uma infecção da pele causada por uma pequena pulga, chamada de Tunga penetrans, que é capaz de se infiltrar e viver por várias semanas na pele, causando uma pequena lesão que pode inflamar e causar sintomas como dor, coceira e vermelhidão.

Para tratar esta infecção, é necessário remover este parasita da pele, de preferência em uma unidade de saúde, com uma agulha estéril, entretanto, podem ser usados cremes à base de cânfora ou vaselina salicilada, para facilitar o tratamento, ou opções de remédios, como o Tiabendazol ou Ivermectina em comprimido ou pomada, por exemplo, orientados pelo médico em casos de necessidade.

Entretanto, a única forma de controlar e evitar novas infecções é através da prevenção, evitando-se andar descalço em solos com areia e lama, e não frequentar ambientes com lixo e pouco saneamento.

Como identificar e tratar o bicho-de-pé

Principais sintomas

A infecção causa lesões que ocorrem principalmente nas plantas dos pés, ao redor da unhas e nos espaços entre os dedos, apesar de também acontecer nas mãos ou em qualquer outro local do corpo. 

Já nos primeiros 30 minutos após penetrar na pele, o parasita produz sintomas iniciais, como uma mancha avermelhada de cerca de 1 cm e leve dor local. Em seguida, os sintomas que podem surgir na pele ao longo dos dias são:

  • Erupção na pele, com um ponto preto no centro;
  • Coceira;
  • Dor e desconforto;
  • Presença de secreção transparente ou amarelada, caso haja inflamação ou infecção local.

Após cerca de 3 semanas, e após ter expelido todos os ovos, o parasita pode sair espontaneamente ou ser morto e eliminado pelo sistema imune, entretanto pode deixar resíduos que podem permanecer até meses na pele. 

Para diagnosticar e confirmar a presença do bicho-de-pé, o médico ou enfermeiro apenas deve avaliar as características da ferida, não sendo necessário outros exames.

Como se pega

Os locais onde habitam os ovos e parasitas que causam bicho-de-pé são, principalmente, os solos com areia e pouca luminosidade, como próximo a quintais, jardins, chiqueiros ou a montes de esterco. A pulga mede cerca de 1 mm e pode, também, estar nos pêlos de cães e ratos, se alimentando do seu sangue.

Quando a fêmea está cheia de ovos, ela procura se penetrar na pele de outros animais hospedeiros, como o porco ou as pessoas, onde fica infiltrada, deixando a parte posterior para fora, que dá origem ao ponto preto da lesão, para poder eliminar os ovos e as fezes.

Durante este período, que dura 2 a 3 semanas, a fêmea pode atingir o tamanho de uma ervilha devido ao desenvolvimento dos ovos, que vão sendo liberados para o exterior. Após isto, o inseto morre, sua carapaça é expelida e a pele volta a cicatrizar, e os ovos depositados no ambiente tornam-se larvas em três a quatro dias, que irão crescer e virar novas pulgas que podem voltar a infectar mais pessoas.

Como identificar e tratar o bicho-de-pé

Como tratar

Mesmo que o parasita fique apenas temporariamente na pele, é muito importante que seja feito o tratamento, tanto para evitar complicações como infecções por bactérias, perda de unhas, formação de úlceras e deformidades nos dedos, como para impedir que novos ovos fiquem livres no ambiente e possam gerar pulgas infectantes. 

As opções de tratamento são:

  • Retirada da pulga, com uma agulha cortante ou bisturi, que é a principal forma, feita em um posto de saúde, após limpeza da ferida e esterelização dos materiais;
  • Uso de remédios, como Tiabendazol ou Ivermectina, prescritos pelo médico, principalmente em situações de múltiplas infecções pelo corpo;
  • Uso de pomadas, à base à base de cânfora ou vaselina salicilada, ou com o mesmo princípio ativos dos vermífugos.

O médico pode orientar o uso de antibióticos, como Cefalexina, em caso de infecção por bactérias. Além disso, é indicada a vacinação para tétano em todos os casos de bicho-de-pé, já que a perfuração na pele pode ser uma porta de entrada para a bactéria desta doença. 

Como evitar pegar

Para prevenir o bicho-de-pé, deve-se sempre usar calçados fechados em locais com areia e por onde passam muitos animais domésticos, como cães e gatos.

Além disso, é importante levar animais domésticos ao veterinário para avaliar se eles estão infectados com a pulga do bicho-de-pé, e iniciar o tratamento adequado para que a doença não passe para as pessoas.

Outra doença comum que se contrai de animais infectados por vermes é o bicho geográfico, que causa feridas, com vermelhidão e coceira intensa, principalmente nos pés. Saiba mais sobre esta infecção em sintomas de bicho geográfico.

Mais sobre este assunto:
Carregando
...