Bicho-de-pé: o que é, sintomas e como se pega

novembro 2022

O bicho-de-pé é uma pequena pulga, chamada Tunga penetrans, que normalmente é encontrada no solo e pelo de animais e que pode entrar na pele, levando ao aparecimento de um nódulo esbranquiçado com um ponto preto no centro. 

Em alguns lugares, o bicho-de-pé também é conhecido como bicho-de-areia, bicho-de-porco, bicho-do-cachorro, jatecuba, matacanha ou tunga. Embora geralmente não seja um problema sério, este parasita pode causar deformidades ou perda das unhas e favorecer a infecção da pele, em alguns casos.

Em caso de suspeita de bicho-de-pé é recomendado consultar um clínico geral ou dermatologista para uma avaliação e início do tratamento mais adequado, que geralmente envolve a retirada do parasita da pele.

Principais sintomas

Os principais sintomas do bicho-de-pé são:

  • Mancha vermelha na pele;
  • Nódulo esbranquiçado na pele;
  • Ponto preto na pele com um entorno esbranquiçado;
  • Dor e desconforto;
  • Coceira no local.

Além disso, nos casos mais graves, o bicho-de-pé pode causar deformidades ou perda das unhas, dificuldade de andar e favorecer o desenvolvimento de infecção.

Normalmente, o bicho-de-pé afeta a pele em torno das unhas do pé, sola dos pés e calcanhares, mas também pode ocorrer em partes do corpo como nádegas, virilha, mãos e pescoço, apesar de não ser muito frequente. 

Inicialmente, durante a instalação do parasita na pele, pode surgir uma pequena mancha vermelha, que tende a aumentar de tamanho formando um nódulo esbranquiçado após 1 a 2 dias. Na medida em que o nódulo cresce, normalmente aparece um ponto preto no seu centro e após 3 a 5 semanas se forma uma crosta escura sobre o local afetado da pele.

Como se pega

O bicho-de-pé geralmente é encontrado no solo com areia e pouca umidade como jardins ou chiqueiros e, quando em contato direto com o corpo, pode penetrar a pele se instalando no local. Além disso, o bicho-de-pé também pode estar presente nos pelos de animais como cães, gatos ou ratos.

Como é o tratamento

O bicho-de-pé normalmente melhora sem necessidade de tratamento específico em poucas semanas. No entanto, é importante tirar o bicho-de-pé da pele para evitar a infecção do local por bactérias e outros microorganismos.

Para tirar o bicho-de-pé, normalmente, é utilizada uma agulha estéril, que permite remover o parasita completamente da pele onde está instalado. No entanto, é recomendado procurar um clínico geral ou dermatologista para fazer isso com segurança e evitar a infecção do local. Veja como tirar o bicho-de-pé.

Medicamentos para bicho-de-pé

O dermatologista ou clínico geral pode indicar o uso de medicamentos para aliviar os sintomas, como antialérgicos e corticoides, por exemplo. Além disso, em caso de infecção, grandes áreas de pele afetadas ou após a retirada do parasita, também pode ser recomendado o uso de antibióticos na forma de pomadas ou comprimidos. 

Como evitar pegar

Para prevenir o bicho-de-pé, é importante usar calçados fechados em locais com areia e por onde passam muitos animais domésticos, como cães e gatos.

Além disso, é recomendado levar animais domésticos ao veterinário para avaliar se eles estão infectados com a pulga do bicho-de-pé, e iniciar o tratamento adequado para que a doença não passe para as pessoas.

Esta informação foi útil?

Atualizado por Jonathan Panoeiro - Neuropediatra, em novembro de 2022. Revisão médica por Drª. Aleksana Viana - Dermatologista, em setembro de 2016.

Bibliografia

  • MARTINS, Ana C. T. et al. The efficacy of topical, oral and surgical interventions for the treatment of tungiasis: A systematic review of the literature. PLoS Negl Trop Dis. Vol.15, n.8. 2021
  • FELDMEIER, H; SENTONGO, E; KRANTZ, I. Tungiasis (sand flea disease): a parasitic disease with particular challenges for public health. European Journal of Clinical Microbiology & Infectious Diseases . Vol.32. 19–26, 2013
Mostrar bibliografia completa
  • COATES, Sarah J. et al. Ectoparasites. JAAD. Vol.82, n.3. 551-569, 2020
  • STATPEARLS. Flea Bites. 2022. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK541118/>. Acesso em 17 nov 2022
  • CAGNON, Giovana V; SANTOS, Daniela C; MIOT, Helio A. Tungiasis. JAMA Dermatol. Vol.55, n.10. 1181, 2019
Revisão médica:
Drª. Aleksana Viana
Dermatologista
Especialista em Dermatologia pela Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, em 2007 com registro profissional no CRM/PE – 16907.